Furacão Milei. Sete chaves para as eleições argentinas

A vitória do líder libertário abre um cenário inédito na Argentina. Como compreender esta mudança política que levou ao poder um estranho da extrema-direita? Artigo de Mariano Schuster e Pablo Stefanoni.

26 de novembro 2023 - 18:35
PARTILHAR
Javier Milei, Foto Enrique Garcia Medina/Epa/Lusa, 19 novembro 2023

O libertário Javier Milei venceu as eleições presidenciais argentinas com 55,7% dos votos, contra 44,3% do peronista Sergio Massa, uma margem muito maior do que as pesquisas previam. Em apenas dois anos, este outsider alinhado com a extrema-direita global passou dos estúdios de televisão, onde era conhecido pelo seu estilo excêntrico e cabelo despenteado, para a Casa Rosada. Como a Argentina chegou a esta situação que parecia impossível meses atrás? Pela primeira vez na história nacional, alguém sem qualquer experiência anterior de gestão, sem prefeitos ou governadores próprios e sem representação significativa no Congresso, entra na Presidência.

1. Javier Milei, um homem sem experiência política, conhecido pelos seus virulentos discursos antikeynesianos e pelo seu desprezo pela “casta” política, expressou, nas eleições argentinas, uma espécie de motim eleitoral antiprogressista. Este processo tem certamente particularidades locais, mas expressa um fenómeno mais amplo que transcende o país que acaba de elegê-lo. Se os fundamentos económicos podem ser encontrados nas razões do inconformismo que levou parte dos cidadãos a votar em Milei, em muitos casos, a expansão do libertarianismo também está ligada a um fenómeno global de emergência de discursos alternativos de direita anti-status quo que capturam a agitação social e a rejeição das elites políticas e culturais. E nem sempre a base para a expansão da direita é económica. A extrema-direita constrói clivagens com base nas realidades locais e cresce em países com elevados níveis de prosperidade. Milei foi incorporando muitos dos discursos destas direitas radicais globais, muitas vezes de uma forma pouco digerida, como aquele que postula que as alterações climáticas são uma invenção do socialismo ou do "marxismo cultural", ou aquela que aponta que vivemos sob uma espécie de neototalitarismo progressista.

Este processo tem certamente particularidades locais, mas expressa um fenómeno mais amplo que transcende o país que acaba de elegê-lo

Em grande medida, o fenómeno Milei cresceu de baixo para cima e durante muito tempo passou fora do foco dos cientistas políticos – e das próprias elites políticas e económicas – e conseguiu colorir o descontentamento social com uma ideologia "paleolibertária" sem qualquer tradição na Argentina (a oferta criou a sua própria procura). Os seus slogans “A casta tem medo” ou “Viva a liberdade, droga” foram misturados com uma estética rock que distanciou Milei do entupimento dos velhos liberais-conservadores.

O seu discurso conectou-se com um espírito de "que se vayan todos", a tal ponto que conseguiu transformar esse slogan, lançado em 2001 contra a hegemonia neoliberal, no grito de guerra da nova direita.

2. Economista matemático, originalmente defensor do liberalismo convencional, Milei converteu-se, por volta de 2013, às ideias da escola austríaca de economia na sua versão mais radical: a do americano Murray Rothbard. O crescimento político de Milei foi impulsionado pelo seu estilo extravagante, pelo seu discurso obsceno contra a "casta" política e por um conjunto de ideias ultrarradicais identificadas com o anarcocapitalismo e desconfiadas da democracia.

O crescimento político de Milei foi impulsionado pelo seu estilo extravagante, pelo seu discurso obsceno contra a "casta" política e por um conjunto de ideias ultrarradicais identificadas com o anarcocapitalismo e desconfiadas da democracia

Desde 2016, principalmente por meio de aparições na televisão, apresentações de livros, vídeos no YouTube ou aulas públicas em parques, Milei conseguiu gerar uma forte atração entre inúmeros jovens, que passaram a ler diversos autores libertários e se tornaram a sua primeira base de apoio. Após o seu salto para a política em 2021, ao ingressar na Câmara dos Deputados, conseguiu apoios socialmente transversais, que incluíam bairros populares. Aí o seu discurso, que parecia saído de Atlas Shrugged, de Ayn Rand, conectou-se com o empreendedorismo popular e com a ambivalência – por vezes radical – destes setores em relação ao Estado. A pandemia e as medidas de confinamento estatal também alimentaram várias das dinâmicas pró-“liberdade” que Milei incorpora.

3. O apoio de Mauricio Macri, ex-presidente entre 2015 e 2019 e líder da “ala dura” da coligação Juntos pela Mudança (JxC), foi decisivo para que Milei pudesse abordar o segundo turno com possibilidades. Com o apoio de Macri e Patricia Bullrich (que havia sido relegada ao terceiro lugar no primeiro turno eleitoral), o discurso anticasta de Milei – que parecia ter um teto de 30% dos votos – transformou-se no do “Kirchnerismo ou liberdade”, que era o lema de Bullrich. A sua estratégia, a partir de então, foi expressar o voto anti-Kirchnerista. A partir dessa base tornou-se forte para enfrentar o peronismo. Mas, ao mesmo tempo, Milei tornou-se enormemente dependente de Macri. Este último viu na falta de estrutura e equipamento de Milei a possibilidade de recuperar o poder após o fracasso do seu governo: o macriismo não só dará quadros ao nascente Mileísmo, mas este último dependerá dos legisladores de Macri para alcançar uma governabilidade mínima.

o macriismo não só dará quadros ao nascente Mileísmo, mas este último dependerá dos legisladores de Macri para alcançar uma governabilidade mínima

4. Após o primeiro turno, Milei deixou de lado as suas proclamações mais radicais de privatização total do Estado, pois estas colidiam com as sensibilidades igualitárias e a favor dos serviços públicos de grande parte do eleitorado. Neste domingo, o candidato do La Libertad Avanza (LLA) obteve resultados impressionantes na estratégica província de Buenos Aires, onde ficou apenas a um pouco mais de um ponto atrás do peronismo. O caso de Buenos Aires é, além disso, sintomático: durante anos o peronismo fez questão de manter ali o seu bastião político-espiritual. O facto da diferença ter sido pequena exige uma reconsideração do poder territorial histórico do peronismo na província – que em 2015 já tinha sido desafiado pelo Macrismo – e, sobretudo, nas suas áreas mais empobrecidas. Milei também varreu áreas do centro produtivo do país como Córdoba, Santa Fé e Mendoza, mas também venceu em quase todas as províncias argentinas. A grande questão é o que resta agora do seu programa mais radical, incluindo a dolarização da economia, que nunca terminou de explicar, ou o fecho do Banco Central.

A grande questão é o que resta agora do seu programa mais radical, incluindo a dolarização da economia, que nunca terminou de explicar, ou o fecho do Banco Central

5. Milei conseguiu reverter a seu favor a derrota no debate presidencial. Naquele dia, Massa o derrotou quase por nocaute. Era o homem que conhecia o Estado de dentro para fora, que sabia para que câmara olhar e que “não tinha nenhuma bala que o atingia” apesar de ser ministro da Economia com uma inflação anual superior a 140%. À sua frente estava Milei quase abatido, sem nenhuma habilidade como polemista – longe do seu carisma particular nos comícios eleitorais, nos quais aparecia com uma serra elétrica e pedia “dar um pontapé no cu dos políticos empobrecedores”. Mas a vitória de Massa, como se viu, foi uma vitória de Pirro. Além de aparecer como um ministro da Economia que apenas “fingia demência”, representava como ninguém o tipo de político hiperprofissionalizado rejeitado por grande parte do eleitorado. Na campanha, Massa incorporou uma espécie de frente de “casta”, com o apoio mais ou menos explícito de líderes da União Cívica Radical (UCR) e de setores moderados da centro-direita, como o cessante presidente da Câmara de Buenos Aires, Horacio Rodríguez. Milei finalmente conseguiu transformar a “trollagem” antiprogressista num projeto presidencial.

Após a sua vitória em 19 de novembro, uma multidão saiu espontaneamente às ruas, como se fosse uma vitória no futebol. O voto em Milei combinou o voto raivoso com um novo tipo de esperança, associado a um discurso com forte carga utópica e messiânica e a algumas proclamações reacionárias: Milei apresentou-se, comparando-se até com o próprio Moisés, como um libertador da Argentina do "estatismo" e da "decadência". Em apenas dois anos, ele deixou de ser uma espécie de Coringa, que convocava a rebelião em Gotham City, para se tornar um novo presidente inesperado. A estratégia de Milei foi um turbilhão, muitas vezes errático, desordenado, mas eficaz e aglutinador da agitação. “As pessoas pagaram com seu voto para entrar em um novo programa com Milei como protagonista”, escreveu o analista Mario Riorda num post do X.

Como é que esta utopia irá aterrar num programa governamental é a grande questão neste momento. Será algo mais que “macrismo 2.0”?

Como é que esta utopia irá aterrar num programa governamental é a grande questão neste momento. Será algo mais que “macrismo 2.0”? Já está previsto que o seu gabinete será uma assembleia entre milleistas e macristas, com papel central para Patricia Bullrich. Será também necessário perceber qual será o papel da vice-presidente Victoria Villarruel, uma advogada associada à direita radical, incluindo ex-militares da ditadura, e que é referida pela italiana Giorgia Meloni.

6. A progressiva “micromilitância” dos últimos dias – pessoas comuns intervindo nos transportes públicos e outros espaços de massa – não foi suficiente para inverter uma onda que foi mais poderosa do que o esperado. Esta micromilitância, que enfatizou o negacionismo de Milei - relativamente aos crimes da última ditadura, mas também às alterações climáticas - e às suas propostas contra a justiça social (que ele considera uma monstruosidade), procurou ser uma voz de alerta. Mas não explicaram por que o projeto de Massa poderia ser atraente, apenas que uma votação de barreira era necessária para evitar a perda de direitos. Muitas dessas micromilitâncias progressistas acabaram apelando para uma defesa do sistema político (consubstanciada pela proposta de Massa de “unidade nacional”), contra a qual o próprio Milei havia montado com seu discurso “contra as castas”. Por outro lado, em vez de destacar as qualidades do candidato peronista (nas quais muitas vezes não acreditavam), a micromilitância alertou para o perigo “fascista” do seu adversário. O próprio enfraquecimento do kirchnerismo fez com que estes discursos fossem muitas vezes inaudíveis ou percebidos como sermões para uma parte da população determinada a votar “no novo” – mesmo quando o novo poderia, de facto, ser um salto para o vazio. A isso se soma o facto de o mileísmo ter micromilitantes próprios, muitos deles digitais.

A progressiva “micromilitância” dos últimos dias – pessoas comuns intervindo nos transportes públicos e outros espaços de massa – não foi suficiente para inverter uma onda que foi mais poderosa do que o esperado

O resultado da eleição acabou por ser quase decalcado do de Jair Bolsonaro contra Fernando Haddad em 2018. O “medo” que a campanha de Massa instalou enfrentou o “cansaço” da campanha de Milei. O progressismo argentino enfrenta agora um equilíbrio destes anos; à necessidade da sua reinvenção num novo contexto político-cultural: uma potencial onda reacionária. "Estas eleições não representam apenas uma derrota do kirchnerismo, da Unión por la Patria ou do peronismo em geral. São acima de tudo uma derrota da esquerda. Uma derrota política, social e cultural da esquerda, dos seus valores, das suas tradições, dos direitos conquistados, da sua credibilidade”, escreveu o historiador Horacio Tarcus.

7. A vitória de Milei levará a uma mudança cultural no país em linha com a sua ideologia ultracapitalista? Poderá transformar o apoio eleitoral em poder institucional eficaz? Será que esta nova direita, produto da assembleia de libertários e macristas, conseguirá governar “normalmente”?

Se Milei surpreendeu a coligação de direita Juntos por el Cambio, ele, no entanto, dependeu de Macri e de Bullrich para obter os votos para a segunda volta. Milei ganhou a presidência; Macri ganhou poder político. Ele poderá fazer o ajuste radical que prometeu? Qual será a força da resistência – dos sindicatos e dos movimentos sociais – contra um governo que se situará muito à direita de Macri (2015-2019) e que promete terapia de choque? Será que Milei conseguirá construir uma base social para sustentar as suas reformas?

Depois das 22h de domingo, 19 de novembro, o presidente eleito recuperou o tom da barricada e feito histórico diante dos seus seguidores. Aí apresentou-se como o “primeiro presidente liberal-libertário da história da humanidade”, referiu-se ao liberalismo do século XIX e repetiu que no seu projeto não há lugar “para gente morna”. Os seus seguidores responderam cantando "Que se vayan todos, que no quede ni uno solo".

Artigo de Mariano Schuster e Pablo Stefanoni, publicado em Nueva Sociedad, a 19-11-2023. Tradução para português de IHU Unisinos. Adaptação para português de Portugal por Carlos Santos para esquerda.net

Termos relacionados: