Está aqui

Crise na Ucrânia pode afetar distribuição de gás na Europa

Um terço do gás consumido no continente vem da Rússia, e grande parte passa por gasodutos ucranianos. Temor é de que Moscovo corte fornecimento, mas especialistas e políticos são céticos de que a situação chegue a esse extremo. Da Deutsche Welle
"Cerca de 60% da arrecadação do Estado provêm da venda de petróleo e gás. E grande parte desse montante é coberta pelas vendas na Europa. A suspensão desse abastecimento seria um tiro no próprio pé." Foto de Audrius Meskauskas

A crise ucraniana tem a ver não apenas com política, mas também com gás. A Rússia fornece um terço do gás consumido na Europa, e grande parte tem de passar pela Ucrânia antes de chegar ao destino final.

Na Alemanha, 40% do gás consumido vem da Rússia. Uma situação menos preocupante que nos países bálticos, por exemplo, que importam dos russos quase 100% do que precisam. A dependência ucraniana de Moscovo também é alta. Um agravamento da crise pode influenciar toda a distribuição de energia na Europa.

Não raro a Rússia usa a estatal Gazprom, maior produtora de gás natural do mundo, para fins políticos. E os ucranianos já sentiram isso na pele. Desde 2006, Moscovo interrompeu o abastecimento para o país vizinho duas vezes por conta de disputas sobre condições de transporte e preço. Além disso, já acusou Kiev de fazer intervenções nos gasodutos e de não pagar pelo gás supostamente desviado.

No dia 5 de março, a Gazprom anunciou a suspensão do desconto de 30% que havia prometido a Kiev e cobrou o pagamento da dívida dos ucranianos com a companhia energética – um duro revés para um país que enfrenta séria turbulência económica.

Stocks cheios

Claudia Kemfert, especialista em energia do instituto de pesquisas económicas alemão DIW, diz que os países da Europa ocidental têm stocks suficientes para garantir quatro meses de consumo caso a Rússia decida eventualmente fechar as torneiras. Devido ao inverno ameno, explica, o consumo tem sido relativamente baixo na região.

"Mas a longo prazo a Europa não está suficientemente preparada para obter um terço do gás que precisa através de outras fontes", alerta a especialista.

Segundo Jonas Grätz, do centro de estudos de segurança CSS, a UE não seria muito atingida com um eventual corte no fornecimento. "Alguns países, como Hungria e Bulgária, seriam muito mais afetados do que o oeste europeu, cujos stocks estão 60% cheios", afirma.

Caso o trajeto que passa pela Ucrânia seja bloqueado, o gás russo poderia ser enviado a outros países da Europa através do Mar Báltico e chegar diretamente à Alemanha. Outra opção é o gasoduto na Península de Iamal, que cruza Bielorrússia e Polónia antes de chegar ao território alemão.

Caso a Europa não receba mais gás da Rússia, os europeus poderão importar gás natural liquefeito do Oriente Médio, transportado em petroleiros. Uma grande dificuldade, porém, é o facto de os alemães não contarem com um terminal que possibilite o descarregamento. Se houver uma longa interrupção no abastecimento, os compradores poderiam instalar outros gasodutos de transporte a partir da Nigéria ou da Noruega.

A longo prazo, a Europa poderia ainda importar gás do Irão, caso o país mostre uma maior abertura. "O Irão tem uma posição geográfica relativamente boa, que possibilita a exportação, por exemplo, para o Paquistão e para a Índia", avalia Grätz.

Oficialmente, a Comissão Europeia e o governo alemão asseguram que o abastecimento de gás na União Europeia não está ameaçado diante do impasse na Crimeia. "No momento, não há motivo para preocupações", afirmou o comissário de assuntos energéticos da UE, Günther Oettinger, em Bruxelas.

Por conta do inverno ameno, ressaltou Oettinger, os reservatórios de gás estão mais cheios do que no ano passado. "Se não houver grandes mudanças na situação climática nas próximas semanas, até a Páscoa ainda teremos metade dos reservatórios cheios", disse o comissário.

O vice-chanceler federal e ministro da Economia alemão, Sigmar Gabriel, lembrou ainda que, até hoje, a Rússia tem se mostrado um "distribuidor absolutamente confiável" – pelo menos para a Europa Ocidental.

Negócio importante para Moscovo

Ao que tudo indica, a Rússia não vai deixar de fornecer gás para a Europa. "A Rússia é muito dependente do fornecimento de energia para a Europa", afirma Claudia Kemfert. "Cerca de 60% da arrecadação do Estado provêm da venda de petróleo e gás. E grande parte desse montante é coberta pelas vendas na Europa. A suspensão desse abastecimento seria um tiro no próprio pé."

Diante da dependência da Rússia dos mercados europeus, assinala Grätz, é preciso lidar de maneira diferente com o problema. Uma possibilidade seria unificar o discurso europeu diante da Gazprom e impor as regras do bloco à gigante russa. Afinal, sem o mercado europeu, a receita da companhia energética cairia substancialmente.

"E se os negócios da Gazprom não correrem bem, Putin também teria problemas, pois ele precisa dos lucros da empresa para os grandes projetos, como as Olimpíadas de Sochi ou mesmo a implementação de redes de distribuição de gás em regiões mais distantes, e para fazer uso da empresa em sua política externa", avalia o especialista.

A Rússia também está bastante ligada à UE noutras áreas comerciais. O país é atualmente o terceiro parceiro comercial mais importante do bloco europeu. Em 2012, os russos exportaram 215 mil milhões de euros para a Europa e dela importaram 123,4 mil milhões. A Alemanha é o terceiro parceiro comercial mais importante da Rússia, para onde exporta automóveis, máquinas e produtos químicos. Já os russos ocupam o 11º lugar na lista de parceiros comerciais mais importantes dos alemães, pouco atrás da Polónia.

(...)

Resto dossier

A Ucrânia esmagada pelas potências

Palco de um grande movimento popular, a Ucrânia vê-se agora ameaçada por um governo que integra a extrema-direita e quer impor a austeridade, pelo expansionismo da NATO, pela invasão russa à Crimeia, pela ameaça da divisão. Neste dossier organizado por Luis Leiria recolhemos artigos, entrevistas e informação.

Só a solidariedade salvará a Ucrânia da intervenção

A União socialista “Oposição de Esquerda” faz a sua avaliação da agressão russa na Crimeia e o papel destrutivo dos nacionalistas ucranianos. A intervenção dos exércitos russos foi possível devido à divisão na sociedade ucraniana. A sua unidade é impossível com os oligarcas e os chauvinistas no poder. Só a solidariedade poderá salvar a Ucrânia.

6 notas para compreender o que se passa na Crimeia, peça chave do conflito na Ucrânia

Depois do ocorrido durante a última semana em Kiev, o foco do conflito na Ucrânia translada-se à Crimeia. O que acontecer nesta região será determinante: pode a situação degenerar numa guerra civil? Putin intervirá militarmente? Continuará a Ucrânia a ser um país ou caminha para a secessão? Artigo de Alberto Sicília em Kiev, publicado no blogue Principia Marsupia.

Maidan e a revolução ucraniana

A esquerda não deve repetir a propaganda de Putin que diz que os fascistas ocuparam Maidan, defende Vasyl Cherepanin, dirigente do centro de investigação “Cultura Visual” de Kiev e editor da versão ucraniana da revista Krytika politiczna (Críticas Políticas). Entrevista realizada por Nicola Bullard e Christophe Aguiton.

Ucrânia: A Primavera dos Povos chegou já à Europa

A Primavera árabe chegou, no inverno de 2010, à vizinhança da Europa: nos países situados do outro lado do Mediterrâneo. Quatro anos depois, vemos que a Primavera dos Povos não é somente árabe. Também no inverno, irrompeu na Europa, ainda que, para falar verdade, apenas numa periferia exterior da União Europeia. Por Zbigniew Marcin Kowalewski

O fim de Ianukovich é um começo

O movimento que na Ucrânia derrubou o antigo presidente Viktor Ianukovich não se encaixa em certos estereótipos usados pelas pessoas na Europa Ocidental, incluindo os socialistas e as esquerdas. Tendo passado os últimos dias em Kiev, ofereço as seguintes respostas a perguntas que me põem frequentemente amigos da Europa Ocidental. Por Gabriel Levy, no blog People and Nature

O papel da direita e extrema-direita nos protestos e as perspetivas

Nesta segunda parte do artigo em que discute os acontecimentos de Kiev, que presenciou, Gabriel Levy aborda o papel dos populistas de direita e fascistas no movimento, os grupos de autodefesa, e as perspetivas. Por Gabriel Levy, no blog People and Nature

Anti-fascistas europeus, despertem! A peste castanha está de volta!

Que mais é preciso para que a esquerda europeia saia do seu atual torpor, toque o alarme, se mobilize urgentemente e tome o mais rapidamente possível a única iniciativa capaz de contrariar o tsunami fascista e fascistóide que se aproxima? Uma iniciativa que não pode senão visar a criação de um movimento anti-fascista europeu. Artigo de Yorgos Mitralias, publicado no CADTM.

Ucrânia: À medida que o debate sobe de tom, ambos os lados se enganam

É possível condenar a invasão de Vladimir Putin e acreditar que não há lugar para os fascistas no novo governo de Kiev. Artigo de Jonathan Freedland no jornal Guardian.

Quem faz parte do governo atual da Ucrânia?

A Rússia não fez segredo do seu desprezo pelos “terroristas e bandidos” que expulsaram Viktor Ianukovich do governo de Kiev. Mas quem são os novos governantes da Ucrânia? Por Harriet Salem The Guardian

Ucrânia: Três perguntas incómodas aos liberais ocidentais

Três perguntas incómodas aos liberais ocidentais sobre o direito de autodeterminação das minorias nacionais e um comentário sobre o papel da União Europeia. Por Yanis Varoufakis

Crise na Ucrânia pode afetar distribuição de gás na Europa

Um terço do gás consumido no continente vem da Rússia, e grande parte passa por gasodutos ucranianos. Temor é de que Moscovo corte fornecimento, mas especialistas e políticos são céticos de que a situação chegue a esse extremo. Da Deutsche Welle