Está aqui

6 notas para compreender o que se passa na Crimeia, peça chave do conflito na Ucrânia

Depois do ocorrido durante a última semana em Kiev, o foco do conflito na Ucrânia translada-se à Crimeia. O que acontecer nesta região será determinante: pode a situação degenerar numa guerra civil? Putin intervirá militarmente? Continuará a Ucrânia a ser um país ou caminha para a secessão? Artigo de Alberto Sicília em Kiev, publicado no blogue Principia Marsupia.

1) Apesar de fazer parte da Ucrânia, a maioria dos cidadãos da Crimeia são de origem russa. Segundo o último censo nacional de 2001, a composição da população é a seguinte: russos 58%, ucranianos 32%, tártaros 10%.

2) Em Sebastopol, a cidade mais importante da Crimeia, a Rússia tem a base da sua frota do Mar Negro. Segundo o último acordo assinado com o governo ucraniano, a Rússia manteria esse porto até, pelo menos, 2042. “Rússia jamais, jamais, jamais abandonará Sebastopol” dizia há dois anos Igor Kasatonov, comandante da Frota Russa do Mar Negro. Por razões geoestratégicas, a Rússia não está disposta a perder a base de Sebastopol.

3) Dentro da Ucrânia, a Crimeia é uma região autónoma com a sua própria constituição. Nas últimas eleições presidenciais, a Crimeia votou maioritariamente por Yanoukovich, o presidente que teve de fugir há dias de Kiev.

4) Os tártaros constituíram, durante séculos, a maioria da população da Crimeia. Na Segunda Guerra Mundial, cerca de 20.000 tártaros colaboraram com o exército nazi (enquanto outros muitos milhares lutavam nas fileiras do exército soviético). Estaline acusou todo o povo tártaro de “colaboracionismo” e em maio de 1944 ordenou a sua deportação às estepes de Uzbequistão. Em 1947 já não existiam tártaros na Crimeia. Depois da queda da União Soviética, muitos tártaros têm regressado desde o Uzbequistão à Crimeia.

Gráfico: Evolução da população na Crimeia via BBE (Verde=tártaros, Vermelho=russos, Amarelo=ucranianos).

5) Crimeia, com a sua maioria tártara, fez parte da Rússia desde 1774. Em 1954, Nikita Kruchev transferiu Crimeia para a República Socialista Soviética da Ucrânia. A decisão resultou muito polémica em Moscovo: na sua carreira como político, Kruchev tinha ascendido através das fileiras do Partido Comunista Ucraniano.

6) Num inquérito realizado há dois anos na Rússia, 70% dos cidadãos russos consideraram a Crimeia como parte do seu país. Em comparação, só 30% considerou que a Chechénia é parte da Rússia. (Curiosamente, a Chechénia faz parte da Federação Russa, enquanto a Crimeia faz parte da Ucrânia).

Durante os últimos dias, a maioria russa da Crimeia tem saído à rua para protestar contra o governo recém instalado em Kiev, que consideram ilegítimo. Exigem um referendo onde possam decidir se a Crimeia: a) continua a fazer parte da Ucrânia, b) integra-se na Rússia ou c) declara a sua independência.

Contrariamente, as minorias ucraniana e tártara apoiam o novo governo de Kiev e exigem continuar integrados na Ucrânia.

 

Artigo publicado em http://www.principiamarsupia.com/2014/02/27/6-datos-para-entender-crimea-clave-del-conflicto-en-ucrania/

Tradução de Mariana Carneiro para o Esquerda.net

(...)

Resto dossier

A Ucrânia esmagada pelas potências

Palco de um grande movimento popular, a Ucrânia vê-se agora ameaçada por um governo que integra a extrema-direita e quer impor a austeridade, pelo expansionismo da NATO, pela invasão russa à Crimeia, pela ameaça da divisão. Neste dossier organizado por Luis Leiria recolhemos artigos, entrevistas e informação.

Só a solidariedade salvará a Ucrânia da intervenção

A União socialista “Oposição de Esquerda” faz a sua avaliação da agressão russa na Crimeia e o papel destrutivo dos nacionalistas ucranianos. A intervenção dos exércitos russos foi possível devido à divisão na sociedade ucraniana. A sua unidade é impossível com os oligarcas e os chauvinistas no poder. Só a solidariedade poderá salvar a Ucrânia.

6 notas para compreender o que se passa na Crimeia, peça chave do conflito na Ucrânia

Depois do ocorrido durante a última semana em Kiev, o foco do conflito na Ucrânia translada-se à Crimeia. O que acontecer nesta região será determinante: pode a situação degenerar numa guerra civil? Putin intervirá militarmente? Continuará a Ucrânia a ser um país ou caminha para a secessão? Artigo de Alberto Sicília em Kiev, publicado no blogue Principia Marsupia.

Maidan e a revolução ucraniana

A esquerda não deve repetir a propaganda de Putin que diz que os fascistas ocuparam Maidan, defende Vasyl Cherepanin, dirigente do centro de investigação “Cultura Visual” de Kiev e editor da versão ucraniana da revista Krytika politiczna (Críticas Políticas). Entrevista realizada por Nicola Bullard e Christophe Aguiton.

Ucrânia: A Primavera dos Povos chegou já à Europa

A Primavera árabe chegou, no inverno de 2010, à vizinhança da Europa: nos países situados do outro lado do Mediterrâneo. Quatro anos depois, vemos que a Primavera dos Povos não é somente árabe. Também no inverno, irrompeu na Europa, ainda que, para falar verdade, apenas numa periferia exterior da União Europeia. Por Zbigniew Marcin Kowalewski

O fim de Ianukovich é um começo

O movimento que na Ucrânia derrubou o antigo presidente Viktor Ianukovich não se encaixa em certos estereótipos usados pelas pessoas na Europa Ocidental, incluindo os socialistas e as esquerdas. Tendo passado os últimos dias em Kiev, ofereço as seguintes respostas a perguntas que me põem frequentemente amigos da Europa Ocidental. Por Gabriel Levy, no blog People and Nature

O papel da direita e extrema-direita nos protestos e as perspetivas

Nesta segunda parte do artigo em que discute os acontecimentos de Kiev, que presenciou, Gabriel Levy aborda o papel dos populistas de direita e fascistas no movimento, os grupos de autodefesa, e as perspetivas. Por Gabriel Levy, no blog People and Nature

Anti-fascistas europeus, despertem! A peste castanha está de volta!

Que mais é preciso para que a esquerda europeia saia do seu atual torpor, toque o alarme, se mobilize urgentemente e tome o mais rapidamente possível a única iniciativa capaz de contrariar o tsunami fascista e fascistóide que se aproxima? Uma iniciativa que não pode senão visar a criação de um movimento anti-fascista europeu. Artigo de Yorgos Mitralias, publicado no CADTM.

Ucrânia: À medida que o debate sobe de tom, ambos os lados se enganam

É possível condenar a invasão de Vladimir Putin e acreditar que não há lugar para os fascistas no novo governo de Kiev. Artigo de Jonathan Freedland no jornal Guardian.

Quem faz parte do governo atual da Ucrânia?

A Rússia não fez segredo do seu desprezo pelos “terroristas e bandidos” que expulsaram Viktor Ianukovich do governo de Kiev. Mas quem são os novos governantes da Ucrânia? Por Harriet Salem The Guardian

Ucrânia: Três perguntas incómodas aos liberais ocidentais

Três perguntas incómodas aos liberais ocidentais sobre o direito de autodeterminação das minorias nacionais e um comentário sobre o papel da União Europeia. Por Yanis Varoufakis

Crise na Ucrânia pode afetar distribuição de gás na Europa

Um terço do gás consumido no continente vem da Rússia, e grande parte passa por gasodutos ucranianos. Temor é de que Moscovo corte fornecimento, mas especialistas e políticos são céticos de que a situação chegue a esse extremo. Da Deutsche Welle