Está aqui

Convenção do Bloco com mira apontada às ameaças de Bruxelas

A X Convenção do Bloco foi a primeira realizada num contexto político em que o Bloco integra a maioria parlamentar que afastou a direita do poder. As principais críticas foram dirigidas a Bruxelas e às ameaças de sanções a Portugal.
X Convenção do Bloco
X Convenção do Bloco. Foto Paulete Matos.

Dois anos após a Convenção que dividiu o partido ao meio, registando-se um empate na votação para a direção entre duas moções e uma vitória por escassa margem da moção liderada por Catarina Martins e João Semedo, a X Convenção de junho de 2016 surgiu com as principais correntes novamente unidas na mesma moção, propondo Catarina Martins para coordenadora do partido.

Os excelentes resultados eleitorais das legislativas e presidenciais – os melhores da história do Bloco – e a solução política que permitiu pôr fim ao governo do PSD e do CDS fizeram parte do balanço político do anterior mandato. Dias antes do início da X Convenção, os britânicos votaram a favor do Brexit, aprofundando ainda mais a crise política da União Europeia. O tema não passou ao lado do debate bloquista, que voltou a defender a urgência da restruturação da dívida e respondeu à ameaça de sanções a Portugal com a possibilidade de Portugal seguir também o caminho do referendo para decidir se quer continuar a aplicar as regras que estrangulam a economia e o futuro do país.

À X Convenção apresentaram-se quatro moções, que como habitualmente discutiram as suas diferenças e propostas em sessões por todo o país e num debate transmitido pelo esquerda.net. Na eleição para delegadas e delegados, a moção A elegeu 523, a moção R 60, a moção B 33 e as plataformas locais 23.

No debate em Convenção, Pedro Filipe Soares fez o discurso de apresentação da moção A , que propôs juntar “maioria social em Portugal que se levante contra Bruxelas” e recuse as chantagens da Comissão Europeia. Pela moção R, Catarina Príncipe criticou a moção A por pretender “acabar com a experiência de direção coletiva, afunilando as decisões” em poucas pessoas e defendeu para as próximas autárquicas a formação de “alianças que saiam da aritmética simples dos partidos já existentes” e se estendam aos movimentos locais. João Madeira, da moção B defendeu que se vá mais longe na execução do acordo com o PS e criticou alguns aspetos do funcionamento interno do partido, exigindo mudanças no sistema de votação e a criação de mais espaços de participação.

A Convenção aprovou a moção de orientação política A – “A força da esperança. O Bloco à conquista da maioria” – com 444 votos. A moção R – “Crescer pela raiz. A radicalidade de reinventar a política” – obteve 58 votos e a moção B – “Mais Bloco” – 32 votos, tendo havido uma abstenção. Na eleição para a nova mesa nacional, foram eleitas por 64 pessoas da moção A, 7 da B e 9 da R. Catarina Martins foi eleita coordenadora do Bloco de Esquerda.

No discurso de encerramento, Catarina Martins afirmou que a imposição de sanções por parte da Comissão Europeia corresponde a uma “declaração de guerra a Portugal”  e que a prioridade do governo deve ser a sua recusa. A recém-eleita coordenadora do Bloco adiantou ainda algumas das prioridades do partido nas negociações para o Orçamento do Estado para 2017, com prioridade ao apoio aos pensionistas, com o aumento de pensões e o descongelamento do Indexante de Apoios Sociais para aumentar as prestações sociais.

“Diziam-nos que seria impossível um governo que não cortasse pensões. Como viram, não é. Diziam-nos que era impossível a um governo recuperar os salários. Não é. Não nos venham agora dizer que é impossível um governo que reestruture a dívida para evitar o aumento dos impostos ou que é impossível um governo que consiga responder pela criação de emprego”, afirmou Catarina Martins.

(...)

Resto dossier

Os temas de 2016

Neste ano em que todos os perigos se adensaram no mundo e em que a Europa falhou no principal, Portugal conseguiu provar que a política de austeridade não é inevitável e deu esperança na luta pela mudança social em defesa dos mais pobres e do trabalho. Veja aqui uma seleção de alguns temas que marcaram o ano de 2016 em Portugal e no mundo.

Um ano de acordo à esquerda

O ano ficou marcado pela reversão de medidas do anterior governo PSD/CDS e pela recuperação de rendimentos. O acordo que viabiliza o atual executivo do PS veio provar que era possível outro caminho. É preciso ir ainda mais longe, nomeadamente no combate à precariedade, e não aceitar recuos na defesa dos direitos.

Donald Trump na série Simpsons

Donald Trump, de farsa a ameaça global

A eleição de Donald Trump para Presidente dos EUA é um elemento central no movimento de extrema-direita internacional.

Urso polar num iceberg a derreter.

2016, o ano mais quente de sempre que já não é notícia

Dos 17 anos mais quentes desde que há registos, só um não pertenceu ao século XXI. Alterações climáticas são a constante mais evidente num tempo de instabilidade fortemente associada à crescente degradação material do planeta. Por João Camargo.

Presidenciais: a eleição de Marcelo e o resultado histórico de Marisa

Com a maior abstenção de sempre em eleições sem recandidaturas presidenciais, a vitória de Marcelo acabou por se traduzir na pior votação do atual Presidente, comparando com os seus antecessores. Com mais de 10% dos votos, Marisa Matias conseguiu superar o melhor resultado da área do Bloco e tornou-se a mulher mais votada de sempre para a Presidência.

 

X Convenção do Bloco

Convenção do Bloco com mira apontada às ameaças de Bruxelas

A X Convenção do Bloco foi a primeira realizada num contexto político em que o Bloco integra a maioria parlamentar que afastou a direita do poder. As principais críticas foram dirigidas a Bruxelas e às ameaças de sanções a Portugal.

As principais vítimas desta deriva punitiva são os países do sul, vergados a políticas de austeridade extremas que provocaram uma regressão social devastadora.

Sanções: O rolo compressor da chantagem política

Quando a Comissão Europeia (CE) “aprovou” o Orçamento do Estado de Portugal para 2017, embora com avisos de que iria manter uma vigilância apertada sobre o mesmo, já tinha deixado um historial de ameaças sobre imposições de sanções que acabaram por se tornar num dos assunto do ano.

Golpe e contragolpe na Turquia

A madrugada de 15 de julho ficou marcada pela tentativa de golpe militar na Turquia. Mas as tropas fieis ao presidente Erdogan conseguiram travar o golpe. Em seguida, Erdogan declarou o estado de emergência e deu início a uma caça às bruxas que ainda decorre, com o objetivo de consolidar o poder absoluto no país.

11 dos 17 ativistas angolanos que foram julgados.

Repressão em Angola

Os 17 jovens ativistas angolanos foram acusados de “atos preparatórios de rebelião e associação de malfeitores” e condenados a penas entre os dois e os oito anos, apesar de depois terem recebido uma amnistia. Eduardo dos Santos foi reeleito presidente do MPLA por 99.6% dos votos e prepara sucessão.

 Estima-se que quatro milhões de sírios tenham fugido do país. Foto Obvius

Os refugiados e os interesses que os aprisionam

O ano que agora termina continuou a ser marcado pela crise dos refugiados, vítimas de um complexo de jogo de interesses que continuou a desprezar os Direitos Humanos daqueles que fogem do terrorismo e da guerra.

Durão Barroso

Durão Barroso contratado pela Goldman Sachs

As aventuras e desventuras de Durão não se esgotaram na Comissão Europeia. Menos de dois anos depois de terminar o seu mandato foi contratado pelo banco de investimento mais agressivo do Mundo, com quem já tinha uma longa parceria.

Logotipos da Monsanto e da Bayer.

Bayer compra Monsanto

Farmacêutica comprou multinacional produtora de sementes geneticamente modificadas e de pesticidas, entre os quais o glifosato. Grupo resultante será o maior do ramo e representará um desastre para a nutrição global.

A seleção portuguesa soube interpretar o realismo tático definido por Fernando Santos. Foto Fragmentos

Euro 2016: Os méritos de um campeão improvável

Apesar de ter vários jogadores de craveira internacional, Portugal acabou por ser um campeão europeu improvável, sobretudo se tivermos em linha de conta que jogou a final contra a França, país organizador do Europeu. Por Pedro Ferreira.

Manifestações em São Paulo contra Michel Temer. Foto de Sebastiao Moreira/EPA/Lusa

Brasil: 2016 marcou o fim da hegemonia do PT

O ano marcado pelo afastamento de Dilma Rousseff e pelo fim dos governos hegemonizados pelo PT termina com mais incógnitas que certezas. Por Luis Leiria, no Rio de Janeiro.