Está aqui

Cinema Batalha, história e imagens

Neste artigo exploramos a história do Cinema Batalha desde os dias em que era um Salão High-Life até aos dias de hoje, com imagens históricas que vale a pena conhecer. 
“Cinema Batalha”, foi inaugurado em 3 de Junho de 1947, na Praça da Batalha na cidade do Porto, sendo constituído por dois auditórios, um com capacidade para 950 lugares sentados (plateia 346, tribuna 222, balcão 382) e o outro para 135 pessoas. Tem ainda dois bares e um restaurante com esplanada. 
 
 
O projecto deste cinema foi da responsabilidade do arquitecto Artur Andrade. Os outros intervenientes foram: os pintores Júlio Pomar, Augusto Gomes, António Sampaio e Altino, os escultores: Américo Braga e Arlindo Gonçalves.

Em 1906 era inaugurado na Boavista o “Salão High-Life”, transferindo-se dois meses depois para a Cordoaria, e era propriedade da firma “Neves & Pascaud”. Tratava-se de um edifício construído em madeira com telhado de  zinco.

Em  29 Fevereiro de 1908 é transferido para a Praça Batalha, com a designação de "Novo Salão High-Life", que seria seguido pelo primitivo “Cinema Batalha” em 1913. Mais tarde em 1944 é demolido este primeiro “Cinema Batalha” e em 30 Setembro do mesmo ano é apresentado um projeto na Câmara Municipal do Porto, da autoria do arquitecto Artur Andrade, para a construção do “Cinema Batalha”, assinando o termo de responsabilidade o engenheiro civil Bernardino de Barros Machado. As obras decorreram entre 1944 e 1947.

Novo Salão High-Life
Novo Salão High-Life

O pouco terreno disponível para a construção do cinema, a par do acentuado declive do mesmo, foram factores que dificultaram a elaboração do projecto do “Cinema Batalha”. A plateia resultou curta (19 filas) em consequência da implantação de um foyer, elemento indispensável de circulação pública neste tipo de edifícios.

Primitivo "Cinema Batalha" em 1913
Primitivo "Cinema Batalha" em 1913

Ainda o encurtamento da plateia permitiu a construção de uma tribuna que assenta sobre as duas paredes do foyer. O foyer e a tribuna funcionam como elementos de ligação entre os pavimentos.

O balcão, de maior lotação, apresentava projecção para o interior da sala e uma largura à retaguarda, facto que o tornavam a peça dominante do conjunto geral da sala. A lotação de espectadores ficou nos 1.082 lugares.

Local onde foi construído o “Cinema Batalha”
Local onde foi construído o “Cinema Batalha”

Ao seu lado encontrava-se  o “Águia D’Ouro”, na Praça da Batalha, Largo Stº Ildefonso, que iniciou a sua actividade como cinema em 1908. Em 1931 foram feitas obras de remodelação, ficando com uma nova fachada onde foi acrescentado um símbolo com o seu nome.

Cinema “Águia d’Ouro” e “Batalha” práticamente lado a lado, em 1931
Cinema “Águia d’Ouro” e “Batalha” práticamente lado a lado, em 1931

Em 1974, nasce a sala-estúdio “Sala Bébé” na cave, que foi ocupar um espaço outrora de cafetaria, e em Agosto do ano 2000, fecha o “Cinema Batalha”.

Depois de seis anos fechado, voltou a abrir ao público em Maio de 2006, por arrendamento ao “Gabinete Comércio Vivo”, uma parceria da Câmara do Porto e “Associação dos Comerciantes do Porto” com diversas valências bar, restaurante, sala de espectáculos com 935 lugares, e a “Sala Bebé” com pouco mais de 100 cadeiras.

De referir que só a “Sala Bébé” possuía cabine de projecção, equipada com um projector de 35 mm que datava da primeira metade do século XX. O “Gabinete Comércio Vivo” tinha sido criado para gerir os cinco milhões de euros disponibilizados pelo grupo Amorim para compensar os comerciantes pela inclusão de um shopping no Plano de Pormenor das Antas.

Cinema Batalha em 2006
Cinema Batalha em 2006

Em 31 de Dezembro de 2010, o “Gabinete Comércio Vivo” entregou as chaves aos proprietários, no último dia do contrato de gestão. Ficou fechado até ao Desobedoc 2016, que impulsionou agora a sua recuperação.                                          

(...)

Resto dossier

Desobedoc 2017 - Mostra de Cinema Insubmisso - 28 de abril a 1 de maio, no Porto

Pelo segundo ano no Cinema Batalha, o Desobedoc 2017 apresentará quarenta filmes, dos quais treze portugueses, que abordarão quatro temas: Direito à Cidade; tributo a Ken Loach; 100 anos da Revolução Russa; Trabalho e precariedade.

Programa de 29 de abril

O segundo dia da mostra terá em exibição Para um futuro livre de Petróleo (18h), Cathy Come Home (18h30), A Síndrome de Veneza (19h), Cerca de tu casa (21h30), Encardido (22h), uma Sessão de curtas pelas 23h seguido de Rat Film (23h30). 

Programa de 28 de abril

A mostra insubmissa tem início com um debate dedicado ao Cinema Batalha e visionamento de Douro Faina Fluvial, pelas 18h na Sala Batalha. Seguem-se a exibição de Ada for Mayor (22h), Nada a Temer (23h30) e Versus - A vida e os filmes de Ken Loach (24h). 

Tudo o que precisas de saber para ir ao Desobedoc 2017

O Desobedoc  - Mostra de Cinema Insubmisso decorre de 28 de abril a 1 de maio de 2017 na cidade do Porto no Cinema Batalha. A entrada é gratuita e os debates são abertos ao público.

Cinema Batalha, história e imagens

Neste artigo exploramos a história do Cinema Batalha desde os dias em que era um Salão High-Life até aos dias de hoje, com imagens históricas que vale a pena conhecer. 

A Invicta Filme

Jorge Campos contextualiza as origens da Invicta Filme, do trabalho que desenvolveu para criação de públicos para o cinema português até ao seu fecho em 1931. 

Paz dos Reis, o primeiro cineasta português

Homem de múltiplos interesses, Paz dos Reis, a par da sua actividade comercial num estabelecimento chamado Flora Portuense situado na Praça de D. Pedro, mais tarde designada Praça da Liberdade, foi um excelente fotógrafo premiado, por diversas vezes, em Portugal e no estrangeiro. Artigo de Jorge Campos. 

História do Cinema no Porto (1896-1974)

Introdução a um ciclo de artigos de Jorge Campos sobre a história do Cinema no Porto, entre 1896 e 1974.

O ciclo do Porto

Jorge Campos apresenta neste texto o panorama da indústria cinematográfica no Porto no início do século XX. 

O movimento Cineclubista

O movimento cineclubista ganhou peso a partir do final dos anos 50 e viria a estar ligado à luta política de resistência à ditadura.

Douro Faina Fluvial e as revistas de cinema

“Esta ante-estreia foi um escândalo. Perante a surpresa dos congressistas estrangeiros, os espectadores portugueses, na sua maioria, vaiaram ruidosamente o filme." 

Texto de Maria Manuel Rola

Cinema Batalha, via restosdecoleccao.blogspot.pt

A cidade ganhou o Batalha!

Mais um Desobedoc. Outra programação mas a mesma insubmissão no combate às forças do mercado que tudo precarizam: o emprego, o salário, a reforma, a habitação, os serviços públicos, o ambiente, as cidades, os direitos.  Texto de João Semedo