Está aqui

Artur Mas, o “messias” sem povo

Caiu a máscara do da CiU, por mais que se disfarce de independentista. Apareceu como é: a cabeça visível de um partido conservador, fiel ao mundo empresarial e que sempre defendeu o atual marco constitucional. Por Esther Vivas, Público.es
Artur Mas: parece que não escutou muito bem o povo.

Artur Mas apresentava-se nestas eleições como o “messias”, o “salvador” do povo catalão. O seu lema de campanha deixava isso claro: “A vontade de um povo”, com ele à frente. Mas parece que não escutou muito bem o povo. O povo que não quer cortes, nem despejos, nem manipulação mediática, nem políticos corruptos… Falhou a bússola a Artur Mas, o grande estadista. E assim ficou, com 30,61% dos votos e 50 deputados. Muito distante dos 68 deputados da tão alardeada maioria absoluta.

Caiu a máscara do presidente Artur Mas, por mais que se disfarce de independentista. Diante de muitos, apareceu como é: a cabeça visível de um partido conservador, fiel ao mundo empresarial e que sempre defendeu o atual marco constitucional. Muito poucos acreditam já nas suas mentiras. O resultado destas eleições não deixa lugar a dúvidas, o magro resultado da CiU, apesar de pôr toda a máquina político-mediática ao seu serviço, e o bom resultado de forças como a ERC, a ICV-EUiA e a CUP-AE, deixaram-no claro. Uma parte muito significativa do povo catalão quer decidir o seu futuro, mas também quer um futuro sem cortes, sem despejos, sem despedimentos e sem corrupção. Agora está para se ver se a ERC estará à altura das circunstâncias e porá ao mesmo nível a defesa dos direitos nacionais e dos direitos sociais, ou se continuará na rota da subalternidade à CiU, caminho que já seguiu docilmente na parte final da recém terminada legislatura.

Entretanto, o PSC continua em queda livre. Não tanto quanto se esperava, mas em queda. Se em 1999 obteve 38,2% dos votos, hoje só conta com um 14,46%, situando-se como a terceira força do arco parlamentar catalão. Bye bye PSC, como antes deram adeus ao PASOK na Grécia, e ao PSOE no Estado espanhol, eis a outra mensagem da jornada. A social-democracia converteu-se há anos ao social-liberalismo, aplica rigorosamente a política ditada pelo poder financeiro e deixou desabrigadas as suas bases sociais. Um Partit dels Socialistes Catalans que apoia cortes, e que mal reconhece o direito a decidir do povo da Catalunha. E diante de um palco político-eleitoral centrado, por interesse da CiU, na questão nacional, e num contexto de auge das forças soberanistas, o outro lado da balança vê-se, também, reforçado. Daí o sucesso de Ciutadans, que triplica a sua representação, e que enquanto por um lado exalta a “Mãe Pátria” como “grande e livre”, pelo outro denuncia oportunista e demagogicamente a má praxis política, a sua subordinação à banca e aos cortes económicos e sociais… ligando-se a amplas camadas sociais órfãs de um referencial de esquerda. Um sucesso que resulta do falhanço de ligar a luta pelo direito a decidir com a luta pelos direitos sociais, com a crise e a precariedade. Uma tarefa estratégica para a esquerda catalã ontem, hoje e manhã.

A ida às urnas em massa foi outro destaque da jornada. E assim é. Quase 70% de participação, a mais alta em eleições para o Parlamento catalão. Que mostra o regresso do interesse social e cidadão por intervir nas questões políticas. Num momento em que se popularizam consignas do 15M como “isto não é uma crise, é uma fraude” e onde cada vez são mais as pessoas que apostam por outra saída para a crise, a indignação começa a ser visível, de um modo ou de outro, nas urnas.

A CUP-AE demonstrou que sim é possível. Que a partir de um trabalho municipalista consolidado, com um programa de rutura com o sistema, candidatos vinculados às lutas sociais e ligando com o mal-estar social indignado que ocupa praças, moradias vazias, bancos e supermercados… é possível romper o cerco parlamentar e preencher um espaço existente mas até agora vazio. A entrada da CUP-AE no Parlamento deve-se a ter obtido apoios que vão para além da esquerda independentista, e que inclui a esquerda anticapitalista e muitos ativistas sociais. E põe de manifesto que tão importante quanto construir alternativas quotidianas e manifestar-se na rua é, também, necessário apostar em opções políticas que disputem a hegemonia aos mesmos de sempre.

Hoje os que se revoltam, se indignam e desobedecem podem estar contentes. Artur Mas já não soma; pelo contrário, subtrai. Mais é menos. O seu novo governo vai durar pouco. E uma nova voz abre espaço no teatro da realpolitik. Que comece o espetáculo.

Artigo em Público, 27/11/2012.

Sobre o/a autor(a)

Ativista e investigadora em movimentos sociais e políticas agrícolas e alimentares. Licenciada em jornalismo e mestre em sociologia.
(...)

Resto dossier

Catalunha a caminho da independência?

A Catalunha pode vir a separar-se do Estado espanhol? A pergunta tem toda a atualidade, depois de 2 milhões de pessoas se terem manifestado em Barcelona a 11 de setembro, sob a bandeira da independência e quando as sondagens indicam um crescimento em flecha dos que defendem o estado independente, que são já maioria. Neste dossier, organizado por Luis Leiria, procuramos apresentar um panorama da questão.

Cronologia recente da Catalunha

Em julho de 2006, apenas 14,9% dos catalães eram a favor de um Estado independente. Mas seis anos depois, já são 44,3% os que querem que a Catalunha seja independente. Veja alguns dos acontecimentos que provocaram esta mudança.

Principais partidos catalães

Conheça os principais atores da cena política catalã, um pouco da sua história e os resultados que obtiveram nas últimas eleições para o Parlamento catalão.

Que acontece na Catalunha?

O sistema do Estado autonómico espanhol é uma armadilha que se estabelece sobre a base de prometer direitos que depois não são concedidos, diz o historiador catalão Josep Fontana, que se declara favorável à independência da Catalunha sob certas condições. Entrevista realizada por Enric González

Que aconteceu nas eleições catalãs?

Falta uma coligação ampla de esquerda que explicite um discurso de classe diante do establishment financeiro, económico, político e mediático catalão, o maior responsável pelo subdesenvolvimento social da Catalunha. Para que essa coligação se faça será necessária uma profunda transformação dos partidos existentes, estimulados pelo aparecimento do movimento radical CUP. Por Vicenç Navarro, Público.es

Artur Mas, o “messias” sem povo

Caiu a máscara do da CiU, por mais que se disfarce de independentista. Apareceu como é: a cabeça visível de um partido conservador, fiel ao mundo empresarial e que sempre defendeu o atual marco constitucional. Por Esther Vivas, Público.es

Pelo direito da Catalunha a decidir o futuro e a independência

A extraordinária mobilização vivida em Barcelona por ocasião da “Diada” confirmou a enorme ascensão do sentimento independentista entre a população catalã. Nem sequer a opção federalista aparece já como uma alternativa credível, enquanto. Por Jaime Pastor

A Cataluña vai-se embora... para a Europa

Os catalães apontam para a maré genericamente independentista e especificamente soberanista. O dilema visto por um basco. Por Ramón Zallo, Viento Sur

Quim Arrufat: "Não somos nacionalistas conservadores, somos independentistas de classe"

Para um dos novos deputados das Candidaturas de Unidade Popular (CUP), a soberania catalã tem de ser uma ferramenta de transformação social para as classes populares, e portanto deverá ter conceção política totalmente integradora, multicultural.

Oriol Junqueras: "É viável referendar a independência em 2014"

Em entrevista ao esquerda.net, o líder da Esquerda Republicana Catalã (ERC) afirma que o problema dos cortes orçamentais não será resolvido enquanto a Catalunha não dispuser de todos os recursos gerados na região, “que a cada ano são levados pelo Estado espanhol”.

Estamos perante o fim da articulação da Catalunha e de Euskadi na atual Constituição

Para Joan Herrera, líder da Iniciativa pela Catalunha Verdes - Esquerda Unida e Alternativa, a esquerda tem de ser capaz de propor uma alternativa à CiU a partir da denúncia do austericídio e da defesa do direito a decidir. Por Gustavo Buster, Ernest Urtasun e Antoni Domènech, Sin Permiso.