Está aqui

“Sadismo: É essa a política do Governo”

Durante o debate quinzenal com o primeiro-ministro, a coordenadora nacional do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, acusou Passos Coelho de ir agravar o empobrecimento do país com as medidas do próximo Orçamento de Estado, cortando nas pensões da CGA de quem trabalhou toda a vida.

“Assistimos ontem e hoje a um número de ilusionismo”, afirmou a dirigente bloquista durante o debate parlamentar sobre a 8ª e 9ª avaliações da troika.

“Sabemos agora que o primeiro ministro, em vez do termo austeridade, prefere o termo crescimento, ainda que as medidas sejam de austeridade, e sabemos também que, em vez do termo corte, o Governo prefere agora compressão, embora signifique exactamente a mesma coisa”, avançou a deputada do Bloco de Esquerda.

Lembrando que a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, afirmou esta quinta feira que o que vale para o Orçamento do Estado para 2014 é “exactamente o que está na carta de maio do primeiro ministro à troika”, Catarina Martins referiu que o executivo do PSD/CDS-PP prepara despedimentos e cortes nos salários na Função Pública e cortes nos serviços públicos.

“E ontem tivemos o prazer também de assistir a Paulo Portas, do partido contra o esbulho fiscal, a anunciar o aumento colossal de impostos do próximo orçamento com a manutenção da sobretaxa de 3,5% do IRS”, referiu a coordenadora nacional do Bloco de Esquerda. O representante do “ex partido dos reformados” anunciou também, segundo adiantou a deputada, que continua a contribuição extraordinária e que vai existir a convergência de pensões.

“O cisma grisalho só é cisma quando é para o setor privado. Quando é para o setor público, pelos vistos, não há grisalhos ou não há, pelo menos, linhas vermelhas”, frisou.

“O senhor primeiro ministro aposta tudo num país dividido. Mas não há dois países. Não há um país da Função Pública e um país do privado”, salientou a dirigente bloquista.

“Há um elefante no meio da sala. E esse elefante chama-se dívida. Uma dívida que é impagável. Todos os sacrifícios que foram impostos, todo o empobrecimento só fizeram, na realidade, aumentar a dívida”, avançou Catarina Martins. “Sadismo: é essa a política do Governo”, acusou.

Para a coordenadora nacional do Bloco de Esquerda, o debate foi “elucidativo”, já que “os pensionistas da Caixa Geral de Aposentações ficaram a saber que, além de terem a sobretaxa de IRS, além de terem a contribuição extraordinária de solidariedade, terão um corte acrescido pelo cálculo retroactivo da pensão em 2014, que é essa a intenção do Governo, e que, portanto, ao contrário do que foi dito ontem, há sim TSU dos pensionistas”.

“Dívida insustentável é a que este Governo gera com os sacrifícios”, adiantou ainda a deputada, que sublinhou que “o Governo não cumpre os compromissos com os cidadãos e não cumpre os compromissos internacionais que diz que quer cumprir”.

Catarina vs. Passos: "A linha vermelha das pensões será ultrapassada neste Orçamento"

Termos relacionados Política
(...)