A guerra de Putin na Ucrânia: nas pegadas de Saddam Hussein

Há um paralelo impressionante entre o comportamento de Vladimir Putin na Ucrânia e o comportamento de Saddam Hussein no passado. Os dois homens recorreram à força, acompanhados de reivindicações notavelmente semelhantes, para alcançar ambições expansionistas. Por Gilbert Achcar.

25 de February 2022 - 15:57
PARTILHAR
Putin foto de Antonio Marín Segovia/Flickr.

Há um paralelo impressionante entre a invasão da Ucrânia por Vladimir Putin – como houve na Geórgia em 2008 e na Crimeia em 2014 – e as ações de Saddam Hussein em relação ao Irão, após a revolução de 1979, e ao Kuwait em 1990. Os dois homens recorreram à força, acompanhados de reivindicações notavelmente semelhantes, a fim de alcançar ambições expansionistas.

Saddam Hussein invadiu o território do Irão no outono de 1980, alegando que estava a tentar socorrer os residentes de língua árabe da província de Khuzestan, depois de encorajá-los a rebelarem-se contra o governo de Teerão e a declararem uma república independente do "Arabistão". Essa invasão foi o início de uma guerra de oito anos, cujo primeiro efeito foi permitir que o novo regime iraniano pusesse fim ao caos que se seguiu à revolução contra o governo do Xá e consolidasse as suas fileiras.

Com baixas de ambos os lados estimadas em um milhão de mortos, assim como devastação e destruição generalizada, os dois países voltaram à estaca zero no final da guerra.

Dez anos mais tarde, Saddam Hussein repetiu o seu comportamento imprudente, invadindo o Kuwait, argumentando que se tratava de uma província iraquiana fabricada pelos britânicos, renovando assim uma antiga reivindicação que tinha levado à tensão militar entre o governo de Abd al-Karim Qasim e as autoridades do Protetorado Britânico no Kuwait quando decidiram conceder a esta última a "independência" em 1961.

A segunda invasão de Saddam deu aos Estados Unidos uma oportunidade de projetar as suas forças na região do Golfo numa escala sem precedentes. Os Estados Unidos também bombardearam o Iraque "de volta à idade da pedra" – como o então Secretário de Estado James Baker III teria ameaçado o então Ministro das Relações Exteriores do Iraque, Tariq Aziz, pouco antes da guerra; e o mais importante, afirmou espetacularmente a sua supremacia como a única super-potência remanescente num mundo que havia entrado num momento unipolar após décadas de bipolaridade.

Se os árabes de Khuzestan têm direito à autodeterminação e à independência ou não, e se as reivindicações do Iraque sobre o Kuwait são legítimas ou não, não é a questão aqui. O aventureirismo imprudente de Saddam Hussein manifestou-se no seu erro de cálculo do equilíbrio de poder em ambos os casos.

Assim, o Iraque emergiu das duas guerras devastado e extremamente enfraquecido, ao passo que o ditador iraquiano só conseguiu fortalecer os seus adversários iranianos e norte-americanos. Ele acreditava que o caos que prevalecia no Irão em 1980 apenas pioraria por causa da invasão iraquiana, assim como pensava em 1990 que os Estados Unidos, que estavam militarmente paralisados desde sua saída do Vietname, não ousariam enfrentá-lo.

Saddam Hussein e Vladimir Putin

O mestre do Kremlin não esconde a sua nostalgia do império dos czares russos, culpando repetidamente os bolcheviques por terem aplicado o princípio da autodeterminação no desenho do mapa das Repúblicas Soviéticas.

Ele está particularmente e, de uma perspetiva russa, compreensivelmente interessado em impedir o alargamento da Nato às repúblicas que há trinta anos faziam parte da URSS e, portanto, sujeitas à tutela russa. Em 2008, para impedir a Geórgia de aderir à Nato, Putin (então dirigindo o espetáculo a partir da secretária de primeiro-ministro por detrás de Dmitry Medvedev) justificou a invasão do território citando o seu apoio à secessão das províncias da Abcásia e Ossétia do Sul, que ele encorajou a reivindicar a independência, como Saddam Hussein havia feito com o "Arabistão".

Em 2014, para impedir a adesão da Ucrânia à Nato, Putin invocou o seu desejo de reparar o que ele considerava um erro cometido pelos governantes da União Soviética quando invadiu a Crimeia e anexou-a formalmente à Rússia – como Saddam Hussein tinha sonhado fazer com o Kuwait.

Putin também interveio militarmente nesse mesmo ano nas províncias de Donetsk e Luhansk no leste da Ucrânia, depois de encorajar novamente os separatistas locais a declarar a independência. Nos casos georgiano e ucraniano, Putin estimou que os Estados Unidos estavam muito fracos para confrontá-lo: em 2008 estavam cada vez mais atolados no atoleiro iraquiano, e em 2014, tendo-se retirado do Iraque após um fracasso abismal, passavam por uma renovação parcial da paralisia militar que os afligia após a guerra do Vietname.

As circunstâncias em 2008 e 2014 e posteriormente pareciam validar o julgamento de Putin. As relações dentro da Nato chegaram ao fundo do poço quando Donald Trump venceu a presidência dos EUA em 2016, fazendo com que os aliados tradicionais de Washington perdessem a confiança no guarda-chuva de segurança dos EUA. Agora, aqueles que desejavam que Joe Biden apagasse o legado de Trump ficaram rapidamente desapontados.

De facto, depois da sua vergonhosa retirada do Afeganistão à medida que os talibãs avançavam, a credibilidade dos EUA atingiu o seu ponto mais baixo desde sua derrota no Vietname. Putin deve ter considerado que a situação se tornou, portanto, favorável para um novo passo.

Putin aumentou a sua pressão sobre a Ucrânia, com o pano de fundo de novos confrontos entre os separatistas e as forças governamentais ucranianas, e o envolvimento da Turquia, membro da Nato, na entrega de drones a Kiev. Se acrescentarmos a isto a crise global da cadeia de abastecimento que levou a um aumento acentuado dos preços do petróleo e do gás, principais fontes de receita do Estado russo, o quadro de oportunidade apropriada está completo.

Isso significa que os cálculos de Vladimir Putin são mais racionais que os de Saddam Hussein, independentemente das semelhanças entre as suas aventuras militares? Ou ele está a dar aos adversários da Rússia exatamente o que eles querem?

Para ter certeza, Joe Biden vai acolher a oportunidade de reparar a sua imagem, assim como Boris Johnson: após as suas profecias auto-realizadas, ambos os homens devem estar felizes por Putin estar a ajudá-los a desviar a atenção dos seus fracassos.

A aliança transatlântica também está agora revitalizada (lembre-se do comentário de Emmanuel Macron sobre a "morte cerebral" da Nato há cerca de dois anos e meio...). O comportamento de Putin pode até ter motivado os vizinhos da Rússia, Finlândia e Suécia, a aderir à Nato, após mais de setenta anos de neutralidade.

O que é ainda mais perigoso para a Rússia, contudo, é que ela enfrentará uma pressão económica ocidental consideravelmente maior, o que certamente a enfraquecerá muito mais do que Putin e a sua comitiva parecem acreditar. Na verdade, a Rússia está a envolver-se num típico exemplo de "super-extensão imperial" para lembrar a frase de Paul Kennedy. Está a agir militarmente muito além da sua capacidade económica, com um PIB inferior ao do Canadá, e até mesmo inferior ao da Coreia do Sul, equivalente a pouco mais de sete por cento do PIB dos EUA.

Os cálculos de Putin provaram ser corretos, mas só até este momento: agora ele assumiu, com as suas ações recentes, um risco mais aventureiro do que nunca.


Texto publicado originalmente no Al-Araby. Traduzido pela Insurgência. Editado para português de Portugal por Esquerda.net.

Termos relacionados: Ucrânia