Está aqui

Serviços de informação britânicos espiaram o G20

O jornal britânico “The Guardian” revela esta segunda-feira que altos dirigentes governamentais e funcionários estrangeiros, que participaram nas reuniões do G20 de 2009 em Londres, tiveram os seus computadores monitorizados e os telefonemas intercetados, por ordem direta do círculo próximo do Governo britânico.

Altos dirigentes políticos e funcionários, que participaram nas duas reuniões do G20 de 2009 em Londres, tiveram os seus computadores monitorizados e os seus telefonemas intercetados, por ordem direta do governo britânico, anfitrião do encontro.

De acordo com os documentos, a que o jornal inglês “The Guardian” teve acesso, alguns delegados foram convidados a usar a Internet, em cibercafés montados pelos serviços secretos britânicos, para terem acesso às suas contas de email.

A denúncia surge num momento em que o Reino Unido recebe o G8, na Irlanda do Norte, sendo bastante provável que, esta bomba, venha a provocar algumas tensões entre o governo inglês e os diversos representantes nacionais, que pretenderão ver esclarecida a razão pela qual foram espiados pelos serviços secretos britânicos.

A divulgação levanta novas questões sobre os limites da vigilância e da espionagem por parte da Government Communications Headquarters e a sua organização irmã norte-americana, a Agência de Segurança Nacional (NSA), cujo acesso aos registos telefónicos e dados de Internet tem sido defendida como necessária na luta contra o terrorismo e a criminalidade organizada.

No entanto, este argumento não tem cabimento para uma reunião do G20, pelo que se deduz, que a espionagem tenha sido organizada com o fim mais mundano, o de reunir informação para adquirir vantagem, sobre as outras nações, nas reuniões e nas negociações.

Entre os alvos estão incluídos aliados britânicos de longa data, como a África do Sul e a Turquia.

Existiram sempre vários rumores sobre este tipo de espionagem nas conferências internacionais, mas era praticamente impossível prová-los. Desta vez, as provas estão em documentos – classificados como secretos – que foram tornados públicos pelo denunciante da NSA Edward Snowden. Estes revelam que durante o encontro do G20, em abril e setembro de 2009, os serviços britânicos usaram ferramentas “inovadoras com capacidade de inteligência” para intercetar as comunicações das delegações estrangeiras, o que incluiu:

- Uso de cibercafés para intercetar emails e monitorizar os computadores dos delegados;

- Quebrar a segurança dos BlackBerrys dos delegados para ter acesso às sms, emails e telefonemas;

- Fornecimento de 45 analistas com um resumo round-the-clock ao vivo de quem estava telefonando que na cimeira;

- Um grupo de 45 analistas que faziam relatórios minuto-a-minuto sobre quem telefonava a quem e sobre que assunto;

- Ter sobre vigilância o ministro das Finanças turco e mais quinze membros do seu partido;

- Receber relatórios de um agente da NSA, que intercetava os telefonemas do líder russo, Dmitry Medvedev, sempre que estes passassem por um satélite de Moscovo;

Os documentos sugerem que a operação terá sido estudada no alto circulo do governo inglês, do então primeiro-ministro trabalhista Gordon Brown, e que os serviços de informação passaram briefings, sobre as delegações estrangeiras, a vários ministros britânicos.

O Guardian avança ainda que esta forma de atuar, dos diversos serviços de informação britânicos, tem sido prática em várias conferências internacionais

Comentários (1)

Resto dossier

O Planeta sob vigilância

As revelações de Edward Snowden tornaram pública a existência de programas secretos que permitem ao governo dos EUA vigiar milhões de cidadãos. Programas como o PRISM abrem à NSA e ao FBI o acesso aos servidores de empresas como Microsoft, Yahoo, Gogle, Facebook4, PalTalk, AOL, Skype, YouTube e Apple. Outros programas, como o Farview, dão acesso às comunicações de outros países. Dossier coordenado por Luis Leiria.

Ignacio Ramonet: “Somos todos vigiados”

O que é a mega-rede global de espionagem montada pelos EUA. Como os cidadãos são monitorizados. Por que a denúncia de Edward Snowden é um facto histórico. 

Quem é Edward Snowden

Especialista em tecnologia Edward Snowden, de 29 anos, trocou uma vida confortável no Hawai e um salário de 200 mil dólares por ano por uma vida de fugitivo. Mas ficou tranquilo com a sua consciência. “Não posso permitir que o governo dos Estados Unidos destrua a privacidade e a liberdade com essa máquina de vigilância que está a construir", disse

Edward Snowden: “Não quero viver num mundo em que tudo o que digo e faço é gravado”

Edward Snowden, a fonte das revelações sobre os ficheiros da National Security Agency (NSA) dos EUA que o The Guardian publicou, explica porque levou a cabo a maior fuga de informação de um organismo de informações desde há uma geração, e o que pensa fazer em seguida. Entrevista de Glenn Greenwald e Ewen Macaskill.

25 verdades sobre o caso Evo Morales/Edward Snowden

Caso mostra que União Europeia é um engodo político e diplomático, sempre subserviente às exigências de Washington. Por Salim Lamrani.

“Snowden fez algo que não o beneficia em nada. Apenas beneficia o público”

Entrevistado pela Democracy Now!, o jornalista Glenn Greenwald explica como as fugas de informação sobre a NSA (National Security Agency), feitas por Edward Snowden, ajudaram a expor um “sistema de vigilância massiva" feito ilegalmente, e fala ainda da privatização das agências de segurança, através de empresas como a Booz Allen Hamilton, para a qual o especialista trabalhava.

Snowden Gate: Americanos espiam UE e vários países europeus

Os serviços secretos dos Estados Unidos espiaram a missão da União Europeia em Nova York e 38 embaixadas, entre elas as de França, Itália e Grécia e dos países do Médio Oriente, segundo documentos entregues pelo ex-colaborador da CIA Edward Snowden ao diário britânico The Guardian.

Bytes de terror: Edward Snowden e a Arquitetura da Opressão

A denúncia histórica de Snowden revelou o que ele chama de “arquitetura da opressão” – uma série de programas de vigilância ultra-secretos que ultrapassam em larga escala aquilo que até hoje se conheceu publicamente.

Serviços de informação britânicos espiaram o G20

O jornal britânico “The Guardian” revela esta segunda-feira que altos dirigentes governamentais e funcionários estrangeiros, que participaram nas reuniões do G20 de 2009 em Londres, tiveram os seus computadores monitorizados e os telefonemas intercetados, por ordem direta do círculo próximo do governo britânico.