Está aqui

Seria uma guerra “fria” a melhor notícia?

A história sugere que a geopolítica global raramente termina pacificamente. Dadas as circunstâncias, uma nova guerra fria – com as forças armadas em grande parte congeladas – pode ser uma boa notícia e isso é o mais deprimente possível. Por Michael Klare.
Foto de NATO North Atlantic Treaty Organization, Flickr.

A invasão da Ucrânia pela Rússia tem sido amplamente descrita como o início de uma nova guerra fria, muito parecida com a antiga, tanto no elenco de personagens quanto na natureza ideológica. “Na disputa entre democracia e autocracia, entre soberania e subjugação, não se engane – a liberdade prevalecerá”, afirmou o presidente Biden num discurso televisionado à nação no dia em que os tanques russos entraram na Ucrânia. Mas enquanto a Rússia e o Ocidente discordam em muitas questões de princípio, isto não é uma repetição da Guerra Fria. É uma luta muito geopolítica do século XXI por vantagem num tabuleiro de xadrez global altamente contestado. Se as comparações estão na ordem do dia, pensemos neste momento como mais parecido com a situação que a Europa enfrentou antes da Primeira Guerra Mundial do que após a Segunda Guerra Mundial.

A geopolítica – a luta implacável pelo controlo de terras estrangeiras, portos, cidades, minas, ferrovias, campos de petróleo e outras fontes de poder material e militar – tem governado o comportamento das grandes potências por séculos. Pense em Gibraltar, Pearl Harbor, nas minas de diamantes da África ou nos campos de petróleo do Médio Oriente. Aspirantes a potências mundiais, desde o Império Romano, sempre partiram do pressuposto de que adquirir o controlo sobre tantos lugares quanto possível – pela força, se necessário – era o caminho mais seguro para a grandeza.

Durante a Guerra Fria, era considerado grosseiro nos círculos governamentais expressar abertamente esses motivos descaradamente utilitários. Em vez disso, ambos os lados fabricaram altas explicações ideológicas para a sua intensa rivalidade. Ainda assim, as considerações geopolíticas muitas vezes prevaleceram. Nomeadamente, a Doutrina Truman, aquele exemplo inicial da ferocidade ideológica da Guerra Fria, foi criada para justificar os esforços de Washington para resistir às incursões soviéticas no Médio Oriente, então uma importante fonte de petróleo para a Europa (e de receita para as empresas petrolíferas americanas).

Hoje, apelos ideológicos ainda são empregados por altos funcionários para justificar movimentos militares predatórios, mas está a tornar-se cada vez mais difícil disfarçar a intenção geopolítica de tanto comportamento internacional. O ataque da Rússia à Ucrânia é o exemplo recente mais implacável e conspícuo, mas dificilmente o único. Há anos, Washington procura combater a ascensão da China reforçando a força militar dos EUA no Pacífico ocidental, provocando uma variedade de contra medidas de Pequim. Outras grandes potências, incluindo Índia e Turquia, também procuraram ampliar o seu alcance geopolítico. Não surpreendentemente, o risco de guerras num tabuleiro de xadrez global provavelmente aumentará, o que significa que entender a geopolítica contemporânea torna-se cada vez mais importante. Vamos começar com a Rússia e a sua demanda por vantagem militar.

Lutando por posição no espaço de batalha europeu

Sim, o presidente russo Vladimir Putin justificou a sua invasão em termos ideológicos alegando que a Ucrânia era um estado artificial injustamente separado da Rússia. Ele também denegriu o governo ucraniano como infiltrado por neonazis que ainda procuram desfazer a vitória da União Soviética na Segunda Guerra Mundial. Essas considerações parecem ter-se tornado mais difundidas na mente de Putin enquanto este reunia forças para um ataque à Ucrânia. No entanto, as mesmas devem ser vistas como um acumular de queixas sobrepostas a um conjunto muito hardcore de cálculos geopolíticos. Do ponto de vista de Putin, as origens do conflito ucraniano remontam aos anos imediatos do pós-Guerra Fria, quando a NATO, aproveitando a fraqueza da Rússia na época, se expandiu implacavelmente para o leste. Em 1999, três ex-estados aliados da União Soviética, Hungria, Polónia e República Checa, todos anteriormente membros do Pacto de Varsóvia (a versão de Moscovo da NATO), foram incorporados à aliança; em 2004, Bulgária, Roménia e Eslováquia foram adicionadas, juntamente com três ex-repúblicas reais da União Soviética (Estónia, Letónia e Lituânia). Para a NATO, esse alargamento assombroso moveu as suas próprias linhas de frente de defesa cada vez mais longe dos seus centros industriais ao longo das costas atlântica e mediterrânea. Enquanto isso, as linhas de frente da Rússia encolheram centenas de quilómetros mais perto das suas fronteiras, colocando o seu próprio coração em maior risco e gerando profunda ansiedade entre autoridades de alto escalão em Moscovo, que começaram a manifestar-se contra o que viam como um cerco de forças hostis.

“Penso que é óbvio que a expansão da NATO não tem qualquer relação com a modernização da própria Aliança ou com a garantia da segurança na Europa”, declarou Putin na Conferência de Segurança de Munique em 2007. “Pelo contrário, representa uma séria provocação que reduz o nível de confiança mútua. E temos o direito de perguntar: contra quem se destina essa expansão?”

Foi, no entanto, a decisão da NATO em 2008 de oferecer adesão à Geórgia e à Ucrânia, duas ex-repúblicas soviéticas, que inflamou completamente as ansiedades de segurança de Moscovo. Afinal, a Ucrânia compartilha uma fronteira de 600 milhas com a Rússia, com vista para uma grande faixa do seu coração industrial. Se a Ucrânia realmente se juntar à NATO, temiam os estrategas russos, o Ocidente poderia implantar armas poderosas, incluindo mísseis balísticos, bem na sua fronteira.

“O Ocidente explorou o território da Ucrânia como um futuro teatro, futuro campo de batalha, voltado contra a Rússia”, declarou Putin num discurso cuspidor de fogo em 21 de fevereiro, pouco antes de tanques russos cruzarem a fronteira ucraniana. “Se a Ucrânia se juntasse à NATO, isso serviria como uma ameaça direta à segurança da Rússia.”

Para Putin e os seus principais assessores de segurança, a invasão pretendia principalmente impedir tal possibilidade futura, ao mesmo tempo que afastava as linhas da frente da Rússia do seu próprio coração vulnerável e, assim, aumentava a sua vantagem estratégica no espaço de batalha europeu. Acontece que parecem ter subestimado a força de quem se lhes opôs - tanto a determinação dos ucranianos comuns de repelir os militares russos quanto a unidade do Ocidente na imposição de duras sanções económicas - e, portanto, provavelmente emergirão dos combates numa pior posição. Mas qualquer incursão geopolítica dessa magnitude acarreta riscos tão draconianos.

Mackinder, Mahan e Estratégia dos EUA

Washington também foi guiada por considerações geopolíticas de sangue frio ao longo do último século e, como a Rússia, muitas vezes enfrentou resistência como resultado. Como uma grande nação comercial com uma dependência significativa de acesso a mercados estrangeiros e matérias-primas, os EUA há muito procuram o controlo de ilhas estratégicas globalmente, incluindo Cuba, Havai e Filipinas, usando a força quando necessário para protegê-las. Essa demanda continua até hoje, com o governo Biden a tentar preservar ou expandir o acesso dos EUA a bases em Okinawa, Singapura e Austrália.

Nesses empreendimentos, os estrategas dos EUA foram influenciados por duas grandes correntes do pensamento geopolítico. Um, informado pelo geógrafo inglês Sir Halford Mackinder (1861-1947), sustentava que o continente eurasiano combinado possuía uma parcela tão grande da riqueza global, recursos e população que qualquer nação capaz de controlar esse espaço controlaria funcionalmente o mundo. Daí surgiu o argumento de que “estados insulares” como a Grã-Bretanha e, metaforicamente falando, os Estados Unidos, tinham que manter uma presença significativa nas margens da Eurásia, intervindo se necessário para impedir que qualquer poder eurasiano único ganhasse o controlo sobre todos os outros.

O oficial naval americano Alfred Thayer Mahan (1840-1914) também sustentou que, num mundo globalizado onde o acesso ao comércio internacional era essencial para a sobrevivência nacional, o “controlo dos mares” era ainda mais crítico do que o controlo das margens da Eurásia. Um estudante fervoroso da história naval britânica, Mahan, que serviu como presidente do Naval War College em Newport, Rhode Island, de 1886 a 1893, concluiu que, como a Grã-Bretanha, o seu país deve possuir uma marinha poderosa e uma série de bases no exterior para avançar o seu estatuto como uma potência comercial global proeminente.

A partir de 1900, os Estados Unidos seguiram ambas as estratégias geopolíticas, embora em lados opostos da Eurásia. No que diz respeito à Europa, os EUA adotaram amplamente a abordagem de Mackinder. Durante a Primeira Guerra Mundial, apesar das amplas dúvidas domésticas, o presidente Woodrow Wilson foi persuadido a intervir pelo argumento anglo-francês de que uma vitória alemã levaria a um único poder capaz de dominar o mundo e, assim, ameaçar interesses vitais americanos. A mesma linha de raciocínio levou o presidente Franklin Roosevelt a apoiar a entrada dos EUA na Segunda Guerra Mundial na Europa e os seus sucessores a enviar forças substanciais para impedir que a União Soviética (hoje Rússia) dominasse o continente. Esta, de facto, é a razão essencial da NATO para existir.

No teatro da Ásia-Pacífico, no entanto, os Estados Unidos seguiram amplamente a abordagem de Mahan, visando o controlo sobre as bases militares nas ilhas e mantendo a força naval mais poderosa da região. Quando, no entanto, os EUA entraram em guerra no continente asiático, como na Coreia e no Vietname, seguiu-se o desastre e a retirada final. Como resultado, a estratégia geopolítica de Washington no nosso tempo concentrou-se em manter bases militares insulares em toda a região e garantir que este país mantenha a sua esmagadora superioridade naval lá.

Competição de Grandes Potências no Século XXI

Neste século, a guerra global contra o terror (GWOT) pós-11 de setembro de Washington, cada vez mais preocupante, com as suas dispendiosas e fúteis invasões do Afeganistão e do Iraque, passou a ser vista por muitos estrategas em Washington como um desvio doloroso e equivocado de um foco de longa data na geopolítica global. Cresceu o medo de que isso estivesse a proporcionar à China e à Rússia oportunidades para avançar nas suas próprias ambições geopolíticas, enquanto os EUA estavam distraídos pelo terrorismo e pela insurgência. Em 2018, a liderança militar sénior dos Estados Unidos, chegando ao fim da sua paciência com a interminável guerra ao terror, proclamou uma nova doutrina estratégica de “competição de grandes potências” – um eufemismo perfeito para geopolítica.

“Nesta nova era de grande competição de poder, as nossas vantagens de combate sobre concorrentes estratégicos estão a ser desafiadas”, explicou o secretário de Defesa Mark Esper em 2019. À medida que o Pentágono reduz o GWOT, observou ele, “estamos a trabalhar para realocar forças e equipamentos para teatros prioritários que nos permitam competir melhor com a China e a Rússia”.

Isso, explicou ele, exigiria uma ação concertada em duas frentes: na Europa contra uma Rússia cada vez mais assertiva e bem armada, e na Ásia contra uma China cada vez mais poderosa. Lá, Esper procurou acumular, de forma acelerada, forças aéreas e navais, juntamente com uma cooperação militar cada vez mais estreita com Austrália, Japão, Coreia do Sul e – cada vez mais – Índia.

Na esteira da derrota deste país na Guerra do Afeganistão, tal perspetiva foi adotada pelo governo Biden que, pelo menos até a atual crise na Ucrânia, via a China, e não a Rússia, como a maior ameaça aos interesses geopolíticos dos Estados Unidos. Por causa da sua riqueza crescente, capacidade tecnológica aprimorada, e estrutura militar em melhoria contínua, a China sozinha era vista como capaz de desafiar o domínio americano no tabuleiro de xadrez geopolítico. “A China, em particular, tornou-se rapidamente mais assertiva”, afirmou a Casa Branca na sua Orientação Estratégica Interina de Segurança Nacional de março de 2021. “É o único concorrente potencialmente capaz de combinar seu poder económico, diplomático, militar e tecnológico para montar um desafio sustentado a um sistema internacional estável e aberto”.

No início de fevereiro, para fornecer orientação de alto nível para uma luta de “toda a nação” para combater a China, a Casa Branca emitiu uma nova “Estratégia Indo-Pacífico”, no momento em que a Rússia estava a mobilizar suas forças ao longo das fronteiras da Ucrânia. Descrevendo o Indo-Pacífico como o verdadeiro epicentro da atividade económica mundial, a estratégia exigia um esforço multifacetado para reforçar a posição estratégica dos Estados Unidos e – para usar uma palavra de outra época – conter a ascensão da China. Numa expressão clássica do pensamento geopolítico, afirmou:

“O nosso objetivo não é mudar [a China], mas moldar o ambiente estratégico em que ela opera, construindo um equilíbrio de influência no mundo que seja o máximo favorável aos Estados Unidos, nossos aliados e parceiros”.

Ao implementar esse plano, a equipa de segurança nacional de Biden vê as principais ilhas e passagens marítimas como vitais para a sua estratégia de conter a China. Os seus altos funcionários enfatizaram a importância de defender o que eles chamam de “primeira cadeia de ilhas” – incluindo Japão e Filipinas – que separa a China do Pacífico aberto. Bem no meio dessa cadeia está, é claro, Taiwan, reivindicada pela China como sua e agora vista em Washington (de maneira típica mahaniana) como essencial para a segurança dos EUA.

Nesse contexto, o Secretário Adjunto de Defesa para Assuntos Indo-Pacíficos, Ely Ratner, disse ao Comité de Relações Exteriores do Senado em dezembro:

“Gostaria de começar com uma visão geral de por que a segurança de Taiwan é tão importante para os Estados Unidos. Como sabe, Taiwan está localizada num nó crítico dentro da primeira cadeia de ilhas, ancorando uma rede de aliados e parceiros dos EUA que é fundamental para a segurança da região e fundamental para a defesa dos interesses vitais dos EUA no Indo-Pacífico”.

Do ponto de vista de Pequim, no entanto, tais esforços para conter a sua ascensão e impedir a sua afirmação de autoridade sobre Taiwan são intoleráveis. Os seus líderes insistiram repetidamente que a interferência dos EUA poderia cruzar uma “linha vermelha”, levando à guerra. “A questão de Taiwan é o maior barril de pólvora entre a China e os Estados Unidos”, disse recentemente Qin Gang, embaixador da China nos EUA. “Se as autoridades taiwanesas, encorajadas pelos Estados Unidos, continuarem no caminho da independência, provavelmente envolverá a China e os Estados Unidos, os dois grandes países, no conflito militar”.

Com aviões de guerra chineses a invadir regularmente o espaço aéreo reivindicado por Taiwan e navios de guerra dos EUA a patrulhar o Estreito de Taiwan, muitos observadores esperavam que Taiwan, e não a Ucrânia, fosse o local do primeiro grande engajamento militar decorrente da competição de grandes potências desta época. Alguns estão agora a sugerir, de forma bastante ameaçadora, que uma falha em responder efetivamente à agressão russa na Ucrânia poderia induzir os líderes chineses a iniciar uma invasão de Taiwan também.

Outros pontos de conflito

Infelizmente, a Ucrânia e Taiwan dificilmente são os únicos locais de discórdia no tabuleiro de xadrez global hoje. À medida que a competição entre grandes potências ganhou força, outros pontos de conflito em potencial surgiram devido à sua localização estratégica ou acesso a matérias-primas vitais, ou ambos. Entre eles:

- A área do Mar Báltico contendo as três repúblicas bálticas (e antigos SSRs), Estónia, Letónia e Lituânia, todos agora membros de uma NATO expandida. Vladimir Putin gostaria de despojá-las da sua adesão à NATO e mais uma vez colocá-las sob alguma forma de hegemonia russa.

- O Mar da China Meridional, que faz fronteira com a China, bem como Brunei, Indonésia, Malásia, Filipinas e Vietname. A China reivindicou quase toda essa extensão marítima e as ilhas dentro dela, ao mesmo tempo que emprega a força para impedir que outros reclamantes exerçam os seus direitos de desenvolvimento na área. Sob os presidentes Trump e Biden, os EUA prometeram ajuda na defesa desses reclamantes contra o “bullying” chinês.

- O Mar da China Oriental, as suas ilhas desabitadas reivindicadas pela China e pelo Japão. Ambos enviaram aviões de combate e navios para a área para defender os seus interesses. No final do ano passado, o secretário de Estado Antony Blinken assegurou ao ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão que Washington reconhece as suas reivindicações na ilha e apoiaria as suas forças se a China as atacasse.

- A fronteira entre a Índia e a China, que tem sido palco de confrontos periódicos entre os militares desses dois países. Os EUA expressaram simpatia pela posição da Índia, enquanto procuram laços militares cada vez mais estreitos com aquele país.

- Acredita-se que o Ártico, reivindicado em parte pelo Canadá, Gronelândia, Noruega, Rússia e Estados Unidos, abriga vastas reservas de petróleo, gás natural e minerais valiosos, alguns situados em áreas reivindicadas por dois ou mais desses países. Também é visto pela Rússia como um porto seguro para os seus submarinos de mísseis nucleares e pela China como uma rota potencial para o comércio entre a Ásia e a Europa.

Nos últimos anos, houve pequenos confrontos ou incidentes em todos esses locais e a sua frequência está a aumentar. Após a invasão russa da Ucrânia, as tensões só vão crescer globalmente, pelo que é preciso estar atento a esses pontos de conflito. A história sugere que a geopolítica global raramente termina pacificamente. Dadas as circunstâncias, uma nova guerra fria – com as forças armadas em grande parte congeladas – pode ser uma boa notícia e isso é o mais deprimente possível.

Artigo publicado em Tom Dispatch.
Tradução de Mariana Carneiro.

Sobre o/a autor(a)

Professor de Relações Internacionais.
(...)

Neste dossier:

NATO: A maior e mais letal máquina de guerra

A Cimeira da NATO está marcada para os próximos dias 29 e 30 de junho, em Madrid. A par da resposta à guerra na Ucrânia, discutir-se-á o alargamento da Aliança, a extensão do seu papel e da sua área de influência e intervenção, nomeadamente no que respeita ao Indo-Pacífico. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

Combater a NATO em tempos de cólera

A condenação inequívoca e consequente da agressão militar à Ucrânia inscreve-se no mesmo compromisso com a paz que nos leva a combater o branqueamento, alargamento e submissão nacional e europeia à NATO, mesmo em circunstâncias muito mais difíceis. Por José Gusmão.

NATO: de mal a pior

É urgente reconstruir um movimento global de paz que se oponha a todas as alianças militares e aos contínuos aumentos maciços nos orçamentos de defesa. Por Gilbert Achcar.

NATO, a caminho do Mar da China

A luta pela Paz é inseparável da luta pelo desarmamento e pelo desmantelamento de alianças militares agressivas. Sabemos que isso significa fazer recuar o imperialismo, ou seja, o poder de um ou mais países, poder militar, económico e político que domina terceiros países. Por Luís Fazenda.

As origens da guerra, o papel da NATO e os cenários futuros na Ucrânia

Nesta mesa-redonda com três conhecidos académicos da tradição marxista, Étienne Balibar, Silvia Federici e Michael Löwy, Marcello Musto questiona as posições da esquerda face à invasão da Ucrânia, o papel da NATO e as perspetivas de paz.

A NATO volta a focar-se no Indo-Pacífico

A agenda da NATO para 2030 é estender o seu “alcance global”. A prioridade é o Indo-Pacífico, que agora faz formalmente parte da agenda. O alvo principal é a China, enquanto o alvo secundário é a Rússia, que a NATO acredita estar em apuros, tratando-a como tal. Por Anuradha Chenoy.

NATO: a defesa coletiva como cobertura da hegemonia

Graças à invasão da Ucrânia e da guerra subsequente, a organização a que, há poucos meses, fora diagnosticada morte cerebral ganha um elan totalmente imprevisto e um espaço de radicalização do seu conceito estratégico que a cimeira de Madrid consagrará sem rebuço e sem reservas. Por José Manuel Pureza.

Seria uma guerra “fria” a melhor notícia?

A história sugere que a geopolítica global raramente termina pacificamente. Dadas as circunstâncias, uma nova guerra fria – com as forças armadas em grande parte congeladas – pode ser uma boa notícia e isso é o mais deprimente possível. Por Michael Klare.

A ascensão da NATO em África

A ansiedade com a expansão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) em direção à fronteira russa é uma das causas da atual guerra na Ucrânia. Mas esta não é a única tentativa de expansão da NATO. Por Vijay Prashad.

Terrorismo na Europa Ocidental: Uma Abordagem aos Exércitos Secretos da NATO

A existência desses exércitos clandestinos da NATO permaneceu um segredo bem guardado durante a Guerra Fria até 1990, quando a primeira filial da rede foi descoberta em Itália. Tinha o nome de código “Gladio”, a palavra latina para um espada curta de dois gumes. Por Daniele Ganser.