Está aqui

Reações internacionais à morte de Hugo Chávez

A notícia da morte de Hugo Chávez correu mundo em poucos minutos. O esquerda.net transcreve, neste artigo, algumas das reacções face à morte do presidente venezuelano. Última atualização às 12h05 de 06/03.

“Como Presidente da Venezuela fez as suas contribuições para o desenvolvimento do país”, secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon.

“Solidarizo-me com o povo venezuelano, com os familiares e correligionários de Chávez, neste dia tão triste, mas tenho a confiança de que seu exemplo de amor à pátria e sua dedicação à causa dos menos favorecidos continuarão iluminando o futuro da Venezuela”, ex presidente do Brasil, Lula da Silva.

“Morreu um grande latino americano”; “Em muitas ocasiões, o governo brasileiro não concordou integralmente com o presidente Hugo Chávez, porém, hoje nós reconhecemos ser uma perda irreparável de um líder e sobretudo de um amigo do Brasil e do povo brasileiro”, Dilma Rousseff, presidente do Brasil.

“A UBES lamenta o anúncio de falecimento de Hugo Chávez, maior líder da América Latina q nos deixa um legado de defesa pela liberdade do povo”, União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES).

"Minha solidariedade a toda a família e aos seguidores do Presidente Hugo Chávez, defendemos a unidade dos venezuelanos neste momento", Henrique Capriles, principal opositor de Chávez.

"Meu irmão solidário, companheiro revolucionário latino-americano que lutou por sua pátria, pela pátria grande de Simón Bolívar, um companheiro que deu toda sua vida pela liberação do povo venezuelano, do povo latino-americano"; "As oligarquias e o império seguramente estão de festa quando os povos que lutam por sua liberdade sofrem", Evo Morales, presidente da Bolívia.

"A morte de quem foi um dos mais fortes e populares líderes latino-americanos, sem dúvida, produzirá um vazio na política, mas sobretudo no coração dos venezuelanos e venezuelanas. A Venezuela perde não apenas um presidente, mas um patriota, um homem de pensamento e ação transformadores, que governou para o seu povo e mudou a realidade de desigualdade e exclusão que sofria o povo venezuelano antes da sua chegada ao poder”, Mauricio Funes, presidente de El Salvador.

"Lamento o falecimento do presidente Hugo Chávez. Minhas mais sinceras condolências à sua família e ao povo venezuelano”, Enrique Peña Nieto, presidente do México.

"Adeus comandante e amigo Hugo Chávez. Minhas sinceras condolências à sua família e a todo o povo venezuelano", Ollanta Humala, presidente do Peru.

"Eu transmito, em nome do povo do Haiti, minhas sinceras condolências ao povo venezuelano pela morte do presidente Hugo Chávez", Michel Martelly, presidente do Haiti.

"Nossa solidariedade com o povo venezuelano. Fazemos votos para que prevaleça o sentimento de unidade nacional nestes momentos de dificuldade", Laura Chinchilla, presidente da Costa Rica.

"Meus sinceros pêsames ao povo e ao governo da Venezuela. Minhas condolências à família do presidente Hugo Chávez, que descanse em paz", Otto Pérez Molina, presidente da Guatemala.

"Desejamos expressar nossos pêsames ao povo venezuelano e à família Chávez pelo sensível falecimento do presidente Hugo Chávez", Ricardo Martinelli, presidente do Panamá.

"Nesse momento desafiador da morte do presidente Hugo Chávez, os Estados Unidos reafirmam o seu apoio ao povo venezuelano e o seu interesse em construir um relacionamento construtivo com o governo venezuelano"; "Quando a Venezuela começa um novo capítulo na sua história, os EUA permanecem comprometidos com políticas que promovam os princípios democráticos, o primado da lei, e o respeito aos direitos humanos", Barack Obama, presidente dos EUA.

"Um grande luto para a América. Um dos melhores partiu. Adeus, comandante. Com Néstor Kirchner você sempre guiará o povo à vitória!". Amado Boudou, Vice-presidente argentino.

"Eu fiquei triste ao saber da morte do presidente Hugo Chávez hoje. Como presidente da Venezuela por 14 anos ele deixou uma impressão permanente no país e como um todo". William Hague, ministro das Relações Exteriores britânico.

"Sentimos um profundo pesar. Sempre se sente a morte, mas quando de se trata de um militante de primeira linha, de alguém que uma vez defini como ‘o governante mais generoso que já conheci’, a dor tem outra dimensão". José Mujica, presidente do Uruguai.

"Os ideais revolucionários de Chávez não se apagarão, e viverá nos corações de nossos povos sendo exemplo da luta contra o imperialismo. Estamos seguros de que o povo venezuelano defenderá seus sucessos e suas conquistas, jamais se renderão diante das burguesias internacionais nem ao imperialismo" - Confederação Nacional de Nações Indígenas do Equador (Conaie).

"É um momento de grande dor para os venezuelanos e os acompanhamos, assim como todos os povos da região. Estamos certos de que os venezuelanos saberão unir-se em momentos tão difíceis como este e transitarão em paz e democracia rumo ao futuro" - José Miguel Insulza, presidente da Organização dos Estados Americanos (OEA).

 

“Em primeiro lugar, queremos expressar as nossas condolências à sua família e amigos e também ao povo venezuelano, que continuou a votar nele e a apoiá-lo. Este apoio popular é visível na luta contínua do povo no sentido de construir uma república Bolivariana da Venezuela, caracterizada pela justiça social, solidariedade e outra redistribuição da riqueza, do acesso à educação, saúde e cultura. Todas essas conquistas são apoiadas e apreciadas pelos venezuelanos que, apesar de todo o tipo de pressões, incluindo um golpe de Estado vindo do exterior, mas também a partir da oligarquia venezuelana, apoiou a Revolução Bolivariana e Hugo Chávez até o fim”, Partido da Esquerda Europeia.

“Um mártir por ter servido o seu povo e protegido os valores humanos e revolucionários”, Mahmoud Ahmadinejad, Presidente do Irão.

política: 
Hugo Chávez
(...)

Resto dossier

Hugo Chávez

A morte de Hugo Chávez afasta do cenário venezuelano e latino-americano um dos seus líderes mais influentes. O presidente da Venezuela foi um dos que impulsionou um vasto movimento que procurou libertar o continente da dependência do FMI e criar um modelo de desenvolvimento alternativo. Neste dossier, traçamos o perfil do líder bolivariano e abrimos a discussão sobre o futuro da Venezuela sem Chávez.

Chávez: nem herói, nem tirano

Foi um político do século XXI que chegou ao poder pelos votos e o manteve durante 14 anos graças ao apoio popular. E foi também o primeiro grande líder da etapa pós-neoliberal da América Latina, começando a explorar um caminho pelo qual depois avançariam outros países. Por José Natanson, Brecha

Morreu Hugo Chávez

Anúncio foi feito pelo vice-presidente Nicolás Maduro. Presidente venezuelano não resisitiu à quarta cirurgia ao cancro diagnosticado em 2011. Era um dos políticos mais influentes da América Latina das últimas décadas, que venceu todas as eleições a que se candidatou.

O porquê do ódio a Chávez

Ignacio Ramonet e Jean-Luc Mélenchon assinam este texto demolidor acerca da campanha mediática contra Hugo Chávez, escrito nas vésperas das presidenciais de outubro passado.

Reações internacionais à morte de Hugo Chávez

A notícia da morte de Hugo Chávez correu mundo em poucos minutos. O esquerda.net transcreve, neste artigo, algumas das reacções face à morte do presidente venezuelano. Última atualização às 12h05 de 06/03.

Perfil: "A política é apaixonante"

Chávez irrompeu na política com um golpe de estado fracassado, mas quando se candidatou nunca perdeu umas eleições. Ao fim de 14 anos de poder, a mortalidade infantil caiu pela metade, o analfabetismo foi erradicado, o número de professores multiplicado por cinco e a Venezuela foi o país sul-americano que alcançou (junto com o Equador), entre 1996 e 2010, a maior redução da taxa de pobreza.

Em mais de uma década no poder, Chávez usou o petróleo para financiar programas sociais contra a pobreza

Nos quase 14 anos como presidente da Venezuela, o tenente-coronel reformado Hugo Chávez construiu uma imagem associada ao bolivarianismo. Dono do lema “socialismo do século XXI”, ampliou o papel do Estado na economia com nacionalizações, controlo de preços e parcerias público-privadas. Reportagem da revista CartaCapital.

À Venezuela o que era de Chávez

Hugo Chávez quis Nicolás Maduro como sucessor. Mas nada garante que os outros nomes mais próximos aceitem a escolha sem ressentimentos. O que fará Diosdado Cabello, presidente da Assembléia Nacional? E Elias Jaua, chavista radical? E Francisco Arias Cárdenas, militar intelectualizado, influente entre os novos governadores? E o físico Adán Chávez, irmão mais velho e o principal mentor ideológico? Por Eric Nepomuceno, Carta Maior.

Bloco destaca papel de Chávez na luta “contra o imperialismo e contra o FMI”

A eurodeputada do Bloco de Esquerda Alda Sousa reagiu à morte do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, destacando a sua "luta muito importante contra o imperialismo e contra o FMI”. Em comunicado, o Partido de Esquerda Europeia lembrou que, "enquanto que na Europa a democracia está a falhar, na Venezuela a democracia participativa tornou-se num sinal de identidade".

Este era Hugo Chávez no Twitter

Desde que abriu sua conta na rede social, Hugo Chávez escreveu 1.824 tweets e conseguiu ser seguido por 4.139.513 pessoas. Por Adital

Venezuela: A revolução não será televisionada

Este documentário de Kim Bartley e Donnacha O'Briain seria sobre Hugo Chávez, mas acabou por recolher imagens únicas da reação ao golpe de abril de 2002, apoiado pelos media privados, empresários, militares oposicionistas e o governo dos EUA.