Está aqui

Privatização dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo

Os Estaleiros Navais de Viana do Castelo, fazendo parte da EMPORDEF, a holding das indústrias de defesa portuguesas, encontram-se no pacote de privatizações previsto no PEC do Governo Sócrates.

Neste dossier procuramos conhecer a história dos estaleiros que foram nacionalizados depois do 25 de Abril e a opinião dos actuais trabalhadores que se encontram receosos pelos seus postos de trabalho, segundo nos disse Manuel Cadilha. Os seus receios justificam-se pelos exemplos dramáticos do e da Setenave, actual Lisnave. Os despedimentos e a precariedade fazem parte da política de Privatizar recursos estratégicos, segundo explica Gustavo Toshiaki.

Este dossier foi organizado por Sofia Roque.

(...)

Resto dossier

Privatização dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo

Neste dossier procuramos conhecer a história dos estaleiros que foram nacionalizados depois do 25 de Abril e a opinião dos actuais trabalhadores que se encontram receosos pelos seus postos de trabalho, segundo nos disse Manuel Cadilha.

A desmantelação do Arsenal do Alfeite

Durante décadas palco de lutas laborais e movimentos de resistência anti-capitalista, o Arsenal do Alfeite esteve novamente em luta em 2008, talvez a mais dura luta da sua história, pois em causa estava a sua sobrevivência.

A proposta de privatização dos estaleiros não é nova

“Sabemos que a privatização da empresa trará problemas acrescidos para quem nela trabalha. Temos a certeza absoluta e isso preocupa-nos”. Entrevista a Manuel Cadilha, à data, coordenador da Comissão de Trabalhadores dos ENVC.

Breve cronologia histórica dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo

Os ENVC foram fundados em 1944 e em 75 foram nacionalizados. Hoje incluem-se no conjunto das empresas administradas pela holding das indústrias de defesa portuguesa, EMPORDEF. A laboração nos estaleiros foi sempre diversificada, oscilando periodicamente entre a construção militar e civil, assegurando sempre a reparação naval.

Privatizar recursos estratégicos

Travestidas no discurso de defesa do interesse público, as transferências de parte das prestações para o sector privado, nas chamadas parcerias público-privadas e outras formas de sub-contratação privada, configuram a mão pesada que promove a lógica do mercado no seio dos serviços públicos.

O caso da Lisnave

“A privatização dos estaleiros de Viana vem no seguimento do que foi feito na Setenave e já sabemos qual é o fim”. Entrevista a Cipriano Pisco, trabalhador na antiga Setenave (durante 32 anos), agora na Lisnave.