Está aqui

Os desacreditados

Depois da queda da Bolsa, a queda dos intelectuais: entre as vítimas colaterais do naufrágio financeiro contam-se o punhado de economistas que espalham a boa-nova na comunicação social. Liberalização, desregulamentação, privatização: o seu credo resume-se em três palavras. Quando até um relógio parado acerta na hora duas vezes ao dia, estes "especialistas" exibiram uma constância no erro. Analisar as suas propostas contribui para evitar que sejam subitamente apagadas, como aconteceu com as dos banqueiros.

Por Frédéric Lordon, Le Monde Diplomatique

Se se tratasse de uma atracção de uma feira popular, para chamar intelectuais, chamar-lhe-íamos "galeria fotográfica giratória" - e, para atrair os mais pequenos, "o carrossel dos tolos". Na televisão, na rádio, na imprensa, quem é que comenta o afundamento do capitalismo financeiro? Os mesmos de sempre, claro! Todos eles, peritos, editorialistas, políticos, matraquearam-nos, durante duas décadas, com as suas loas a um sistema que se esboroa. E continuam por aí, fiéis ao seu posto, e a sua alegre arrogância não dá sinais de se esbater. Dividem-se entre os que, sem o menor escrúpulo, viraram a casaca e os que, um pouco desorientados pelo choque, tentam, apesar de tudo, manter como podem a sua linha e defender o indefensável no meio de ruínas.

Entre eles, Nicolas Baverez está visivelmente perturbado e busca o seu caminho entre os escombros. O efeito de sopro deve ter sido violento, porque as suas posições estão muito amachucadas: «A globalização conserva aspectos positivos»[em], mantém ele contra ventos e marés, fazendo lembrar George Marchais. No entanto, confessa com um suspiro, é o próprio «capitalismo globalizado que entrou crise»[1], e «a auto-regulação dos mercados é um mito»[em]. Isso não o impede de afirmar o seguinte: «O liberalismo é o remédio para a crise»[2]. E, no entanto, o que é o liberalismo senão a forma de organização económica que se deduz do postulado da auto-regulação dos mercados? Talvez assim seja, mas Baverez decide que não recuará nem mais um milímetro e que será preciso viver com as complexidades do seu pensamento: «O liberalismo não é portanto a causa da crise», embora por interposta auto-regulação ele seja o problema... para o qual é, no entanto, «a solução»[3] - quem conseguir compreender que o faça.

Outros estão menos atrapalhados e declaram com mais à-vontade que, se os tempos mudaram, eles também estão a fazer o mesmo: «Esta bolha ideológica, a religião do mercado todo-poderoso, tem grandes semelhanças com a ideologia do comunismo (...) O rolo compressor da ideologia liberal arrasou tudo à sua passagem. Um grande número de directores de empresas, de universitários, de editorialistas e de responsáveis políticos só reconheciam a soberania do mercado»[em].

Quem se tenha, qual Bela Adormecida, deixado dormir antes do Verão para acordar e ler estas linhas hoje, pensaria sem dúvida estar perante mais um desses arruaceiros habituais da ATTAC ou então do L'Humanité. No entanto, é Favilla, o editorialista mascarado de Les Échos, que liberta por fim toda a cólera contida durante tantos anos. Porque ainda não está suficientemente difundido, mas o jornal está em luta: demasiadas injustiças, demasiadas censuras, demasiadas imposturas intelectuais. Chegou-se mesmo a abafar a verdade: «Todas as vozes dissonantes, mesmo que timidamente sociais-democratas, defendendo as virtudes de um mínimo de regulação pública, passavam por foragidos do Parque Jurássico. E eis que a verdade irrompe. A auto-regulação do mercado é um mito ideológico». Prolongando as tendências presentes, podemos desde já antecipar: "É preciso que isto rebente!" será o título de um próximo editorial de um Favilla sem grilhetas.

Decididamente, a Branca de Neve teria dificuldade em reconhecer os seus anões. Laurent Joffrin, que ainda há poucos meses atrás ajudava Bertrand Delanoë a elevar o seu grito de amor pelo liberalismo e fustigava «a esquerda anacrónica»[4], aquela que não compreende as virtudes do mercado, comeu a maçã proibida - na realidade a mesma que Favilla: «Desde há mais de uma década que os talibans do divino mercado financeiro rejeitam todos os avisos, desprezam todos os críticos e recusam todas as tentativas de regulação»[em]. Ficámos no tempo em que os talibans convergiam com os críticos da globalização. Será possível que os primeiros tenham mudado de campo de forma tão brutal e há tanto tempo, sem que nos tenhamos apercebido?

PROFETAS DIPLOMADOS

Em defesa destes pobres editorialistas, pode dizer-se que eles pouco mais fizeram do que repetir o que lhe segredaram durante anos os seus repetitivos peritos. Acontece que desse lado a hecatombe é impressionante. Elie Cohen empenhou-se em evitar a horrenda aberração da intervenção pública e apoiou a privatização de tudo o que havia para privatizar e que agora é necessário nacionalizar - imaginamos a sua reacção se tivesse sido confrontado com a ideia há dois meses. Como parece distante a época em que ainda incentivava os socialistas a abandonarem o «discurso de extrema-esquerda fundado na negação da realidade»[5] e em que lamentava que eles se «tivessem tornado alterglobalistas por medo de uma globalização que eles não entendem e na qual apenas vêem os movimentos das multinacionais atafulhadas de lucros, as derivas da finança desabrida e as iniquidades de uma regulação ao serviço dos poderosos».

Não há uma palavra deste apelo que não impressione pela sua lucidez porque, como todos sabem, não só o Partido Socialista é um ninho de alterglobalistas, como, além do mais, é preciso não compreender nada da globalização para fazer um tal retrato que a realidade desmente todos os dias. É verdade que, em matéria de "realidade", Cohen é um perito: «Em algumas semanas o mercado reformar-se-á e os negócios continuarão como dantes», escrevia ele a 17 de Agosto de 2007[em], antes de oferecer a sua filosofia (quase) definitiva das crises financeiras. «Temos de nos habituar à ideia de que elas não constituem cataclismos, mas sim métodos de regulação de uma economia mundial que não conseguimos verdadeiramente enquadrar pelas leis ou pelas políticas.»[6]

Algumas pessoas mal intencionadas poderão sem dúvida sugerir que Cohen não é um economista académico típico e, dado o tempo que passa na ribalta, questionar se ele está em condições de dar algum contributo para uma ciência que não seja a da sua própria notoriedade. Sem ir ao fundo desta espinhosa questão, digamos desde já que há qualquer coisa de muito injusto nesta insinuação: os economistas com melhores pergaminhos fazem a mesma figura no campo que nos interessa. David Thesmar e Augustin Landier foram solenes no Verão de 2007: com o título profético «A megacrise não terá lugar»[em], o melhor jovem economista de França (Prémio 2007 do Círculo dos Economistas, que sabe reconhecer os seus) e o seu acólito são solenes: «Sejamos claros: [a correcção] será limitada e sobretudo não terá efeitos na economia real». É um facto que isto é suficientemente claro e que a conclusão também o é: «O perigo de uma explosão financeira, e portanto a necessidade de regulação, não é assim tão grande como se pensa».

No entanto, os profetas ainda são melhores que os clarividentes. «No seu relatório, encomendado pelo Eliseu, o economista já alertava para os perigos da especulação financeira». É com esta homenagem às capacidades extralúcidas de Jacques Attali e do seu famoso relatório que se iniciam as duas páginas assinadas por Renaud Dély e oferecidas (por descuido?) pela revista Marianne a um dos produtos multimédia mais célebres de França. Será que Dély leu uma única linha do relatório que agora elogia? A questão coloca-se porque, é preciso afirmá-lo, o Relatório Attali não só não tem o mais pequeno apontamento sério sobre os perigos da desregulamentação financeira, como não passa de uma ode aos prodígios dos mercados de capitais - e uma exortação a que se confie neles ainda mais.

Na página 7 indica-se o modelo bem sucedido que a França deve imitar: é o Reino Unido, que «se empenhou duradouramente na valorização da sua indústria financeira» - não será esta uma ideia que, pela sua excelência, podemos classificar como pertencente à categoria do profético? Temos assim «revoluções a não perder», como aquela dos «sectores promissores» (p. 54); entre os quais temos «a finança» (id.). É por isso que «fazer de Paris uma praça financeira fundamental» é o «objectivo» que vai das propostas 96 à 104.

Decisão 97: «Harmonizar as regulamentações financeiras e bolsistas com as que são aplicáveis no Reino Unido para não prejudicar os actores europeus face aos seus concorrentes internacionais». Decisão 101: «Multiplicar as iniciativas comuns entre as instituições do ensino superior e as instituições financeiras para o financiamento de cátedras dedicadas à investigação na área da modelização financeira», porque se a universidade é deixada aos cortes dos orçamentos públicos isso não será bom para a formação das futuras elites da classe parasitária. Para o fim fica o melhor, a decisão 103: «Modificar a composição das comissões dos colégios de reguladores por forma a que os campeões da finança se possam exprimir e influenciar a posição do Alto Comité de Investimento».

Nesta altura sonhamos entrevistar o entrevistador: «A 10 de Outubro de 2008, como interpreta a expressão "campeões da finança" e, mais ainda, a ideia de lhes confiar a regulação dos mercados? Acha que o autor deste género de propostas, formuladas depois de mais de seis meses de crise financeira aberta[7], entra na categoria dos profetas ou na dos pedantes? Pensa persistir neste tipo de jornalismo ou vislumbra uma reconversão ao microcrédito?»

Será sem dúvida necessário dar a Dély um pouco de tempo para amadurecer a sua resposta e também para degustar o fim do relatório, que não é menos saboroso do que o início, uma vez que a decisão 305 acaba por confessar tudo, ao sugerir a «reorientação maciça do regime fiscal dos seguros de vida e do plano de poupança em acções para a poupança de longo prazo investida em acções (a juntar com fundos de pensões)».

E aqui estamos. Não sabemos se Jacques Attali previu a crise de outra forma que não sob a forma de uma alucinação retrospectiva, mas, pelo menos em Janeiro de 2008, aconselhou a canalização de toda a poupança dos franceses para os mercados financeiros - será que são os mesmos mercados a propósito dos quais se refere, na televisão, a um "tsunami"?

O Relatório Attali apela assim abertamente à passagem à capitalização - «o reforço da poupança reforma individual ou colectiva é assim necessário» (p. 213) -, no preciso momento em que as famílias norte-americanas, devido à crise, vêem as suas poupanças esfumarem-se, e no momento em que a situação de extrema aflição em que se encontram já as forçou a recorrerem às suas contas-reforma. Que magnífico sentido da história forçar a capitalização num período em que não tardaremos a ver aparecer os primeiros velhos miseráveis nos passeios das cidades norte-americanas!

E como a mensagem deste relatório é a de submeter toda a sociedade francesa à lógica da finança, que demonstra espectacularmente as suas virtudes, não esqueceremos de mencionar a decisão 22 que visa reforçar o papel das fundações privadas no financiamento das universidades com a correspondente retirada dos financiamentos públicos. Mas como funcionam na prática estas fundações? Elas investem os seus capitais nos mercados e vivem dos juros. No contexto de afundamento de todos os sectores da finança que o profeta antecipou há muito tempo, supõe-se que as universidades americanas se preparam para alguns anos a pão e água. Não será este um modelo que é absolutamente necessário imitar?

Quem se preocupa com tudo isto? Os cata-ventos rodam violentamente sem qualquer obstáculo. Com raríssimas excepções, todas as pessoas listadas por Favilla no seu editorial bizarramente esclarecido como «directores de empresas, universitários, editorialistas, responsáveis políticos» organizaram os seus debates entre eles sem que qualquer contraditório sério se imiscua. Seria preciso ser ingénuo para, nestas condições, ficar espantado por não existir no sistema a menor força de memória, nem mesmo um começo de regulação da decência, a mais pequena possibilidade de sanção para estas contradições formidáveis, nem o ridículo para tão gigantescas palhaçadas, já que todos estão convencidos e todos escolhem logicamente absolver-se colectivamente.

No entanto, e contraditoriamente, depois de tudo isto que a lucidez impõe de qualquer forma, é necessário ter temperança para não se ficar atordoado com um estado de coisas tão degradado que persistem em chamar, com uma ironia sem dúvida involuntária, "a democracia", e para resistir ao violento impulso de lhes exigir o que a dignidade lhes imporia se tivessem dois dedos de testa: tirem umas férias. E, talvez até, desapareçam.

[em] Marianne, Paris, 4-10 de Outubro de 2008.

[1] Ibid.

[em] Le Monde, 15 de Outubro de 2008.

[2] Ibid.

[3] Ibid.

[em] Les Échos, 7 de Outubro de 2008.

[4] Laurent Joffrin, La Gauche Bécassine, Robert Laffont, Paris, 2007.

[em] Libération, Paris, 24 de Setembro de 2008.

[5] Lettre ouverte aux socialistes, L'Hebdo des socialistes, Paris, 12 de Setembro de 2007.

[em] Le Monde, 17 de Agosto de 2007.

[6] Nouvelobs.com, 13 de Agosto de 2007.

[em] Les Échos, 27 de Julho de 2007.

[7] A crise é visível a partir de Abril de 2007 e o Relatório Attali é publicado em Janeiro de 2008.

Novembro de 2008

Tradução de Informação Alternativa

(...)

Resto dossier

Crise Económica Mundial

Enquanto se generaliza a recessão nos Estados Unidos, na Europa e no Japão, a crise financeira assume a sua verdadeira dimensão enquanto crise económica mundial. O Esquerda.net encerrou o dossier Crise Financeira Internacional (que pode ser consultado aqui) e abre agora um novo dossier Crise Económica Mundial, com novos textos e actualização permanente. Consulte-o frequentemente.

Capitalistas Loucos

Por trás do debate sobre como refazer a política financeira norte-americana, estará o debate sobre de quem é a culpa. É crucial expor a história de forma correcta, escreve um economista Prémio Nobel, identificando cinco erros chave - sob as administrações Reagan, Clinton e Bush II - e uma desilusão nacional.

Interconexão entre as crises, entrevista com Eric Toussaint

"É preciso realizar uma ruptura radical", diz Eric Toussaint, ao comentar as soluções para resolver as crises mundiais, em entrevista exclusiva à IHU On-Line , publicada a 9 de Dezembro. Para ele, "é preciso romper com o capitalismo", mas de imediato, explica, é preciso tomar uma série de medidas urgentes para enfrentar as crises financeira, económica, alimentar e climática.

Financeiros ou simplesmente vigaristas?

Querem-nos fazer acreditar que o caso de Madoff é isolado, mas não é. A fraude deste é particular, devido à sua imensa envergadura. Mas o que acaba de se descobrir é a versão extrema da fraude financeira dos nossos dias, a vigarice palpável e elementar. E o facto de os banqueiros mais poderosos do planeta terem caído nela mostra que não se trata de um acidente, mas a consequência da generalização de uma estratégia orientada para tirar rendimento de onde quer que seja.

Corrupção: Não há expulsões do paraíso fiscal

A última tentativa internacional para combater os paraísos fiscais foi um fracasso. Cerca de 200 especialistas em finanças internacionais reuniram-se no mês passado em Monte Carlo para estudar regras mais duras contra a evasão fiscal. Esta cidade fica no principado do Mónaco, sul da França, um dos mais famosos paraísos fiscais da Europa.

Stiglitz: Preservar as instituições financeiras não é um fim em si

Muito pouco está a fazer-se para apoiar os bancos que fazem realmente o que se espera que façam - emprestar dinheiro e autorizar crédito, diz o prémio Nobel da economia Joseph Stiglitz neste artigo publicado no diário britânico Guardian. Para o economista norte-americano, os termos do plano de salvação de Bernanke-Paulson foram desvantajosos para quem paga impostos, e contudo, apesar da sua dimensão, muito pouco foi conseguido para estimular a concessão de crédito.

Os horrores da “estagdeflação”

A economia dos EUA e mundial corre o risco de uma severa "estagdeflação", uma combinação mortífera de estagnação/recessão económica e deflação. Uma recessão mundial severa resultará em pressões deflacionárias. A queda na procura resultará em inflação mais baixa, à medida que as empresas cortem preços para reduzir os seus estoques excedentes.

Fundos soberanos: quando os Estados investem na finança

Um fundo de investimento soberano para defender a indústria francesa: eis um dos projectos-base de Nicolas Sarkozy que ganha corpo com o anúncio, na quinta-feira 20 Novembro, da afectação de um "fundo de investimento nacional". É o exemplo mais recente de uma tendência mundial: cada vez mais Estados investem na finança internacional.

A ciência económica vai nua

É das escolas de economia e gestão de todo mundo, sobretudo dos Estados Unidos, que tem saído uma boa parte dos operadores dos mercados financeiros e gestores de topo que lentamente acumularam decisões insustentáveis culminando na actual crise. Esta crise é também por isso um colapso teórico, uma falência de um modo de ver.

Mãos livres

Para combater a crise, os Estados Unidos optaram pela via imperial de emitir dinheiro, o que em última instância descarregará o seu custo sobre as costas do resto do mundo. Quer dizer: os Estados Unidos voltarão a actuar, como nos anos 80, sem pensar em nada mais que no seu próprio interesse estratégico e seja qual for o custo que isso implique para os demais.

Os desacreditados

Depois da queda da Bolsa, a queda dos intelectuais: entre as vítimas colaterais do naufrágio financeiro contam-se o punhado de economistas que espalham a boa-nova na comunicação social. Liberalização, desregulamentação, privatização: o seu credo resume-se em três palavras. Quando até um relógio parado acerta na hora duas vezes ao dia, estes "especialistas" exibiram uma constância no erro. Analisar as suas propostas contribui para evitar que sejam subitamente apagadas, como aconteceu com as dos banqueiros.

A crise, até onde?

Os peritos estão de guarda contra a recessão mais forte desde o pós-guerra no países desenvolvidos. Falência de empresas e a degradação das economias familiares (e particularmente aqueles demasiado pobres) fragilizam as instituições financeiras.

Bensaid: "Passámos a fase dos slogans simpáticos dos fóruns sociais"

De passagem pelo Brasil, o filósofo e cientista político francês concedeu uma entrevista exclusiva à Carta Maior, na qual analisa a crise financeira, comenta as situações dos EUA e da Europa e aponta os desafios para a esquerda construir uma alternativa ao modelo actual.

Michel Husson: "Não acredito na derrocada do capitalismo"

Crise do capitalismo, abrandamento dos países emergentes, intensificação das divergências no seio da zona euro, novo «Bretton Woods»: Michel Husson, economista no Institut de recherches économiques et sociales, membro da Attac, analisa o grande sismo económico em curso.

Crise: Salário contra dividendos

Só há uma solução: pôr fim ao retrocesso salarial. modificar a distribuição das riquezas: menos dividendos, mais salários e investimentos sociais. A margem de manobra é considerável, já que os dividendos distribuídos pelas sociedades não-financeiras representam, hoje, 12% de sua massa salarial, contra 4%, em 1982.

O horizonte a médio prazo da economia mundial

Quando vivemos uma conjuntura tão convulsiva como a actual, é quiçá mais arriscado que nunca tecer cabalas sobre a evolução a médio prazo da economia mundial. Ainda que também seja verdadeiro que nestes momentos de perturbação é seguramente quando melhor se podem adivinhar os espaços de tensão que a afectam.

“Na terra dos Ricos”…

O mundo que conhecíamos entrou em Crise. Qual a origem, afinal, da crise que ameaça levar à falência as maiores, mais ricas, e mais estáveis economias do mundo?

Observações sobre o desastre económico

Para um leitor de Karl Marx, os delineamentos e desdobramentos da actual crise bancária e financeira são como uma ilustração exemplar e quase didáctica da sua explicação do capitalismo.

Interligação das Crises, por Eric Toussaint

A explosão das crises alimentar, económica e financeira em 2007-2008 mostra o quão interligadas estão as economias do planeta. Para resolver estas crises é necessário arrancar o mal pela raiz.

No hemisfério Sul, quantas divisões?

A crise financeira que vai mobilizar mais de mil biliões de fundos públicos de um lado e de outro do Atlântico para tentar "salvar" um sistema bancário que, sem eles, corre o risco de levar consigo tudo o resto, é apenas um caso que só diz respeito a dispositivos financeiros? Não, infelizmente.

Garantimos o sistema, e quem nos garante a nós?

O mundo que conhecíamos entrou em Crise. Temos motivos para preocupação? Claro que sim, mas quais? O que é que os cidadãos comuns, que pouco percebem de Credit default Swaps ou de produtos estruturados, podem esperar desta derrocada financeira?