Está aqui

Mãos livres

Para combater a crise, os Estados Unidos optaram pela via imperial de emitir dinheiro, o que em última instância descarregará o seu custo sobre as costas do resto do mundo. Quer dizer: os Estados Unidos voltarão a actuar, como nos anos 80, sem pensar em nada mais que no seu próprio interesse estratégico e seja qual for o custo que isso implique para os demais.

Por Juan Torres López, do blog do autor

A declaração final da reunião do G-20 ampliado em Washington não deixava muitas dúvidas. Os países mais poderosos do planeta manifestavam implicitamente a sua impotência, ao ser incapazes de anunciar medidas imediatas para fazer frente à crise financeira. Como pus em relevo num comentário sobre a declaração (Muitos princípios reiterados, muito pouca vontade de mudança) a única coisa que resultava clara da leitura do comunicado final era que as grandes potências se autorizavam umas às outras a saltar por cima das limitações orçamentais que se tinham auto-imposto desde há vários anos.

Em virtude disso, os diferentes países começaram a anunciar planos milionários de intervenção urgente com o objectivo de enfrentar a recessão, ou mesmo a depressão, que alguns deles já começam a sentir.

O Presidente do Governo espanhol fê-lo logo em seguida, mais tarde foram os Estados Unidos a anunciar uma injecção de 800.000 milhões de dólares, e a Comissão Europeia acaba de propor outra de 200.000 milhões de euros. Este recurso é inevitável mas, mesmo quando se recorre a ele já em última instância, não se vai conseguir que seja plenamente bem sucedido.

A novidade do plano dos Estados Unidos é que se financia utilizando directamente a máquina de fazer dinheiro, ou seja, sem recorrer à dívida, como no plano anterior. Isto é algo que os Estados Unidos podem fazer sem demasiados problemas, graças ao facto de a sua moeda continuar a ser utilizada na maior parte das trocas a nível internacional, mas sem dúvida vai debilitá-la ainda mais no futuro imediato. Em linhas gerais, portanto, o plano trará mais problemas do que aqueles que possa resolver. E isso, além do mais, sem que se trate de um plano com garantias suficientes de conseguir o que se propõe, pois não haverá forma de conseguir garantir que a injecção desses recursos se repercuta por um incremento efectivo da actividade, dado que se aplica a uma economia envolvida por uma espécie de sistema financeiro esponja, que absorve tudo e não deixa sair nada.

O plano europeu, por seu lado, volta a mostrar a debilidade da União, uma vez mais incapaz de encontrar uma resposta comum que vá mais longe do que dizer aos diversos países: que cada um actue por sua conta. Em suma, consiste em dizer aos países membros que, ante a situação que se avizinha, têm mãos livres para utilizar os recursos orçamentais que cada um possa mobilizar por sua conta. É pelo menos algo que permitirá pôr em marcha medidas paliativas, mas que pode deixar abertos flancos muito perigosos pelas periferias.

Em ambos os casos, como também no espanhol, logo que venha a concretizar-se a actuação governamental, tratar-se-á de uma ajuda muito importante à actividade económica, embora incompleta, porque deixa por resolver duas grandes questões. A primeira, o problema financeiro que continua a estar na base da crise. De momento, não se sabe muito do que vai ser posto em marcha neste campo dos já de si limitados acordos de Washington, não obstante a situação estar longe de ser resolvida. Já foi necessário intervir no Citigroup, e de modo nenhum pode descartar-se que se agrave a situação de outras entidades financeiras, posto que o processo de descapitalização gerado pela irresponsabilidade bancária dos últimos anos nem parou nem está resolvido.

A Europa parece demasiado confiante que o problema financeiro é um problema originalmente gerado nos Estados Unidos e que só o sofre na sua carne como efeito indirecto. Mas temo que isso possa ser muito arriscado se se toma em consideração que também aqui há grandes doses de risco acumulado e ameaças sérias, por muito dissimuladas que estejam no espaço opaco em que se movem as finanças europeias.

Alguns analistas assinalam sintomas de debilidade mais graves que o desejável na Inglaterra e na Espanha e, por isso, seria muito conveniente que a União Europeia se adiantasse e iniciasse quanto antes o caminho da nova regulação financeira, estabelecendo metas e tomando medidas desde o início, e não quando os problemas rebentarem.

A segunda limitação destes planos é que, embora congreguem a mobilização de recursos multimilionários, praticamente não discriminam nem oferecem uma gama de incentivos suficientes para ir modificando um modelo produtivo que se manifestou igualmente problemático.

Os Estados Unidos optaram pela via imperial de emitir dinheiro, o que em última instância descarregará o seu custo sobre as costas do resto do mundo. Quer dizer, pela via imperial que um dia impôs Paul Volcker à frente da Reserva Federal, precisamente, aquele que voltou a ser chamado por Obama para presidir uma comissão de peritos para a reactivação económica. Uma decisão que é um autentico aviso à navegação e que traz consigo uma mensagem muito significativa e nada casual: os Estados Unidos voltarão a actuar, como nos anos oitenta com Volcker, sem pensar em nada mais que no seu próprio interesse estratégico e seja qual for o custo que isso implique para os demais.

Ora bem: sem resolver os problemas de base que originaram a crise, o caudal enorme de recursos que se está a injectar poderá minorar em alguma medida os seus efeitos mais dramáticos, mas não vai poder evitar que a crise se estenda. É patético observar como os governos, que já puderam comprovar o escasso efeito das injecções de liquidez dos bancos centrais, tentam agora fazer o mesmo com recursos orçamentais, sem abordar as causas, sem modificar o sistema bancário, sem mudar de horizontes. Sem transformar nada.

A banca internacional converteu a economia mundial num saco sem fundo e por isso será inútil resolver os seus problemas simplesmente deitando-lhe dinheiro dentro. Há que começar a remendar quanto antes.

Tradução de José Pedro Fernandes

(...)

Resto dossier

Crise Económica Mundial

Enquanto se generaliza a recessão nos Estados Unidos, na Europa e no Japão, a crise financeira assume a sua verdadeira dimensão enquanto crise económica mundial. O Esquerda.net encerrou o dossier Crise Financeira Internacional (que pode ser consultado aqui) e abre agora um novo dossier Crise Económica Mundial, com novos textos e actualização permanente. Consulte-o frequentemente.

Capitalistas Loucos

Por trás do debate sobre como refazer a política financeira norte-americana, estará o debate sobre de quem é a culpa. É crucial expor a história de forma correcta, escreve um economista Prémio Nobel, identificando cinco erros chave - sob as administrações Reagan, Clinton e Bush II - e uma desilusão nacional.

Interconexão entre as crises, entrevista com Eric Toussaint

"É preciso realizar uma ruptura radical", diz Eric Toussaint, ao comentar as soluções para resolver as crises mundiais, em entrevista exclusiva à IHU On-Line , publicada a 9 de Dezembro. Para ele, "é preciso romper com o capitalismo", mas de imediato, explica, é preciso tomar uma série de medidas urgentes para enfrentar as crises financeira, económica, alimentar e climática.

Financeiros ou simplesmente vigaristas?

Querem-nos fazer acreditar que o caso de Madoff é isolado, mas não é. A fraude deste é particular, devido à sua imensa envergadura. Mas o que acaba de se descobrir é a versão extrema da fraude financeira dos nossos dias, a vigarice palpável e elementar. E o facto de os banqueiros mais poderosos do planeta terem caído nela mostra que não se trata de um acidente, mas a consequência da generalização de uma estratégia orientada para tirar rendimento de onde quer que seja.

Corrupção: Não há expulsões do paraíso fiscal

A última tentativa internacional para combater os paraísos fiscais foi um fracasso. Cerca de 200 especialistas em finanças internacionais reuniram-se no mês passado em Monte Carlo para estudar regras mais duras contra a evasão fiscal. Esta cidade fica no principado do Mónaco, sul da França, um dos mais famosos paraísos fiscais da Europa.

Stiglitz: Preservar as instituições financeiras não é um fim em si

Muito pouco está a fazer-se para apoiar os bancos que fazem realmente o que se espera que façam - emprestar dinheiro e autorizar crédito, diz o prémio Nobel da economia Joseph Stiglitz neste artigo publicado no diário britânico Guardian. Para o economista norte-americano, os termos do plano de salvação de Bernanke-Paulson foram desvantajosos para quem paga impostos, e contudo, apesar da sua dimensão, muito pouco foi conseguido para estimular a concessão de crédito.

Os horrores da “estagdeflação”

A economia dos EUA e mundial corre o risco de uma severa "estagdeflação", uma combinação mortífera de estagnação/recessão económica e deflação. Uma recessão mundial severa resultará em pressões deflacionárias. A queda na procura resultará em inflação mais baixa, à medida que as empresas cortem preços para reduzir os seus estoques excedentes.

Fundos soberanos: quando os Estados investem na finança

Um fundo de investimento soberano para defender a indústria francesa: eis um dos projectos-base de Nicolas Sarkozy que ganha corpo com o anúncio, na quinta-feira 20 Novembro, da afectação de um "fundo de investimento nacional". É o exemplo mais recente de uma tendência mundial: cada vez mais Estados investem na finança internacional.

A ciência económica vai nua

É das escolas de economia e gestão de todo mundo, sobretudo dos Estados Unidos, que tem saído uma boa parte dos operadores dos mercados financeiros e gestores de topo que lentamente acumularam decisões insustentáveis culminando na actual crise. Esta crise é também por isso um colapso teórico, uma falência de um modo de ver.

Mãos livres

Para combater a crise, os Estados Unidos optaram pela via imperial de emitir dinheiro, o que em última instância descarregará o seu custo sobre as costas do resto do mundo. Quer dizer: os Estados Unidos voltarão a actuar, como nos anos 80, sem pensar em nada mais que no seu próprio interesse estratégico e seja qual for o custo que isso implique para os demais.

Os desacreditados

Depois da queda da Bolsa, a queda dos intelectuais: entre as vítimas colaterais do naufrágio financeiro contam-se o punhado de economistas que espalham a boa-nova na comunicação social. Liberalização, desregulamentação, privatização: o seu credo resume-se em três palavras. Quando até um relógio parado acerta na hora duas vezes ao dia, estes "especialistas" exibiram uma constância no erro. Analisar as suas propostas contribui para evitar que sejam subitamente apagadas, como aconteceu com as dos banqueiros.

A crise, até onde?

Os peritos estão de guarda contra a recessão mais forte desde o pós-guerra no países desenvolvidos. Falência de empresas e a degradação das economias familiares (e particularmente aqueles demasiado pobres) fragilizam as instituições financeiras.

Bensaid: "Passámos a fase dos slogans simpáticos dos fóruns sociais"

De passagem pelo Brasil, o filósofo e cientista político francês concedeu uma entrevista exclusiva à Carta Maior, na qual analisa a crise financeira, comenta as situações dos EUA e da Europa e aponta os desafios para a esquerda construir uma alternativa ao modelo actual.

Michel Husson: "Não acredito na derrocada do capitalismo"

Crise do capitalismo, abrandamento dos países emergentes, intensificação das divergências no seio da zona euro, novo «Bretton Woods»: Michel Husson, economista no Institut de recherches économiques et sociales, membro da Attac, analisa o grande sismo económico em curso.

Crise: Salário contra dividendos

Só há uma solução: pôr fim ao retrocesso salarial. modificar a distribuição das riquezas: menos dividendos, mais salários e investimentos sociais. A margem de manobra é considerável, já que os dividendos distribuídos pelas sociedades não-financeiras representam, hoje, 12% de sua massa salarial, contra 4%, em 1982.

O horizonte a médio prazo da economia mundial

Quando vivemos uma conjuntura tão convulsiva como a actual, é quiçá mais arriscado que nunca tecer cabalas sobre a evolução a médio prazo da economia mundial. Ainda que também seja verdadeiro que nestes momentos de perturbação é seguramente quando melhor se podem adivinhar os espaços de tensão que a afectam.

“Na terra dos Ricos”…

O mundo que conhecíamos entrou em Crise. Qual a origem, afinal, da crise que ameaça levar à falência as maiores, mais ricas, e mais estáveis economias do mundo?

Observações sobre o desastre económico

Para um leitor de Karl Marx, os delineamentos e desdobramentos da actual crise bancária e financeira são como uma ilustração exemplar e quase didáctica da sua explicação do capitalismo.

Interligação das Crises, por Eric Toussaint

A explosão das crises alimentar, económica e financeira em 2007-2008 mostra o quão interligadas estão as economias do planeta. Para resolver estas crises é necessário arrancar o mal pela raiz.

No hemisfério Sul, quantas divisões?

A crise financeira que vai mobilizar mais de mil biliões de fundos públicos de um lado e de outro do Atlântico para tentar "salvar" um sistema bancário que, sem eles, corre o risco de levar consigo tudo o resto, é apenas um caso que só diz respeito a dispositivos financeiros? Não, infelizmente.

Garantimos o sistema, e quem nos garante a nós?

O mundo que conhecíamos entrou em Crise. Temos motivos para preocupação? Claro que sim, mas quais? O que é que os cidadãos comuns, que pouco percebem de Credit default Swaps ou de produtos estruturados, podem esperar desta derrocada financeira?