Está aqui

"Offshore leaks" também desvendou fraude fiscal global

Um consórcio de jornalistas de investigação de vários países teve acesso a 2,5 milhões de documentos que revelam os nomes dos beneficiários das empresas sedeadas em paraísos fiscais. Era então, em 2013, a maior fuga de informação de sempre do lado oculto do sistema financeiro, que esconde mais de 25 biliões de euros.

Os ficheiros reunidos pelo International Consortium of Investigative Journalists (ICIJ) identificam donos de offshores em 10 locais, incluindo as Ilhas Virgens Britânicas, Caimão, Cook e Singapura. Até ao momento, ainda não foram revelados dados relativos ao offshore da Madeira ou a beneficiários portugueses. Mas a lista de donos de empresas offshore inclui desde bilionários indonésios, executivos russos, dentistas norte-americanos, empresários gregos, traficantes de armas e uma empresa que supostamente é a testa de ferro para o programa de desenvolvimento nuclear do Irão, revela o Guardian, um dos jornais que se associou à investigação, a par do Le Monde, BBC e outros 35 órgãos de comunicação social em todo o mundo.

A investigação começou em resultado de uma outra a um escândalo envolvendo offshores e fraudes empresariais na austrália. O ICIJ recebeu na caixa de correio uma encomenda muito especial: um disco rígido com 260 Gigabytes de informação detalhada de 122 mil empresas sedeadas em offshores, 12 mil agentes intermediários e 130 mil registos sobre os beneficiários, proprietários e gestores destas empresas e fundos sedeados em paraísos fiscais. Os endereços destas pessoas apontam para 170 países de origem dos investimentos escondidos nos offshores.

A Ásia ocupa um lugar de destaque na proveniência dos beneficiários, com a maior parte das entidades a apresentar residência na China, Taiwan e Hong Kong. Logo a seguir vem a Rússia e outras antigas repúblicas soviéticas. "Isto ajuda a explicar porque é que a segunda maior fonte de investimento estrangeiro na China são as Ilhas Virgens Britânicas", diz o ICIJ, acrescentando que o mesmo se passa com o investimento na Rússia a partir do Chipre.

A investigação beneficiou da oferta de licenças do software australiano NUIX para analisar os dados e facilitar a pesquisa desta montanha de documentos. Para se ter uma ideia do volume de dados, estes "offshore leaks" seriam 160 vezes o tamanho dos documentos das embaixadas norte-americanas, divulgados pelo Wikileaks na operação conhecida por "Cablegate".

Os nomes que estão a dar que falar

Os nomes divulgados neste "offshore leaks" apontam para ligações à política e aos negócios de vários países. Um deles foi o tesoureiro da campanha presidencial de François Holande, Jean-Jacques Augier, que usou uma offshore nas Ilhas Caimão para fazer negócios na China, em parceria com um alto dirigente político chinês. Hollande perdeu recentemente o ministro do Orçamento, que começou por negar ter aberto uma conta na Suíça, o que se veio a provar falso. 

O presidente do Azerbeijão, Ilham Aliyev, surge acompanhado por vários familiares na propriedade de quatro companhias sedeadas nas Ilhas Virgens Britânicas. O primeiro-ministro georgiano Bidzina Ivanishvili, considerado o homem mais rico do país, também dirigia uma empresa offshore neste território. Políticos influentes da Mongólia, uma ex-primeira dama da Tailândia, a filha do ex-ditador filipino Ferdinando Marcos, que hoje é governadora regional, os filhos do ex-presidente colombiano Alvaro Uribe ou vários membros da família real do Kuwait também aparecem na lista de nomes sonantes, a par de milionários oriundos de muitos países.

O caso grego: offshores passam ao lado do fisco 

Das 107 offshores com beneficiários gregos aqui analisadas, apenas quatro foram registadas junto das autoridades fiscais do país, revela ainda o ICIJ. De magnatas do setor naval a famílias de classe média, todos procuram escapar aos olhos do fisco, que viu as suas receitas com a taxação destas companhias cair 90% entre 2010 e 2012. 

"As companhias offshore são usadas pelos proprietários de habitações para fugir ao fisco, pelos empresários para esconder os lucros e pelos políticos para o seu enriquecimento ilícito", disse ao ICIJ o ex-responsável pelo combate à criminalidade financeira na Grécia. George Kanellopoulos diz que em 1998 a sua equipa tinha identificado 2400 companhias registadas em paraísos fiscais, porque até essa altura os offshores só eram conhecidos por meia dúzia de escritórios de advogados que montavam o esquema de fuga ao fisco.

A investigação do ICIJ trouxe novamente a lume as ligações dos offshores às empresas envolvidas nos contratos de equipamento militar, um ano depois da prisão do antigo ministro da Defesa por receber subornos através de offshores no escândalo dos submarinos. Os administradores da MAN Ferrostaal, a empresa que subornou Akis Tsochatzopoulos, confessaram ao tribunal alemão ter também destinado luvas a responsáveis políticos em Portugal, mas ninguém foi acusado e muito menos preso no nosso país.

Os negócios obscuros de compra e venda de obrigações das grandes empresas gregas passaram também pelas Ilhas Virgens Britânicas. A investigação aponta o dono da cadeia de distribuição Jumbo SA, Apostolos Vakakis, como o homem por detrás da offshore Karpathia, que fez cerca de 30 milhões em mais valias com obrigações da sua própria empresa.

política: 
Offshore Leaks
(...)

Resto dossier

“Panama Papers”, no rasto da fuga ao fisco

A maior fuga de informação de sempre dos offshores volta a confirmar a prática generalizada de fuga ao fisco por parte da elite mundial. Os governos fecham os olhos à perda de receita fiscal e chegam até a organizá-la, como vimos no Luxleaks ou na fuga das empresas para a Holanda.

Dossier organizado por Luís Branco

"Panama Papers" no esquerda.net

Leia aqui todos os artigos publicados no esquerda.net sobre a mais recente fuga de informação da empresa Mossack Fonseca, no Panamá. O impacto a nível internacional, os nomes portugueses envolvidos, as reações políticas e muitomais.

"Quem procura um offshore quer fugir às leis que regem a vida de todos os outros"

Intervenção de Mariana Mortágua no debate de urgência sobre o escândalo financeiro dos "Panama Papers".

Offshores em São Bento: como votaram os partidos

Nos debates na Assembleia da República, o PS, PSD e CDS sempre contribuiram para inviabilizar as propostas do Bloco e PCP contra os offshores. O argumento em defesa do atual estado de coisas mantém-se inalterado: seria preciso que todos os países se juntassem para se poder acabar com estes centros de fraude financeira.

Panama Papers: o mais certo é ficar tudo na mesma

Terminar com a criação de empresas anónimas? Perturbar o planeamento fiscal, ou seja, a fuga ao pagamento de impostos de cada país? Controlar a circulação de capitais, o princípio de toda a tentação? Combater o crime económico? Não pense nisso. Não acontecerá num país nem acontecerá à escala internacional, enquanto o mundo não der uma volta. Por Francisco Louçã

Madeira: Bloco acusa PSD e CDS de quererem impedir investigação no Centro de Negócios

Roberto Almada intervém na sequência das notícias que dão conta das ligações do Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM) ao escândalo "Panama papers", afirmando "não ser indiferente que o dinheiro que fica na Madeira seja proveniente de empresas com atividade clara e legítima ou se, eventualmente, esse dinheiro é proveniente de empresas com ligação ao submundo opaco e pouco claro do crime organizado".

Portugal perde 2,3 milhões por dia para offshores

Segundo números do Banco de Portugal, em 2015, Portugal perdeu mais de 864 milhões de euros para paraísos fiscais. Investigação “Panama papers” revela que 244 empresas portuguesas estão envolvidas em escândalo de corrupção mundial e que o Grupo dono da PT Portugal recorreu a serviços de offshore.

Ranking do sigilo financeiro 2015

Quais os países que mais protegem o sigilo financeiro e as atividades financeiras offshore? Veja aqui o ranking de 2015, publicado pela Tax Justice Network.

Marisa e o Luxleaks: “Há interesses que controlam as instituições europeias”

Em fevereiro de 2015, Marisa Matias viu chumbada a proposta de criação de uma Comissão de Inquérito do Parlamento Europeu ao escândalo Luxleaks, que envolve o governo luxemburguês então liderado pelo atual presidente da Comissão Europeia.

"Offshore leaks" também desvendou fraude fiscal global

Um consórcio de jornalistas de investigação de vários países teve acesso a 2,5 milhões de documentos que revelam os nomes dos beneficiários das empresas sedeadas em paraísos fiscais. Era então, em 2013, a maior fuga de informação de sempre do lado oculto do sistema financeiro, que esconde mais de 25 biliões de euros.

Holanda: um cínico paraíso fiscal

O mesmo ministro holandês, Jeroen Dijsselbloem que pressionou Espanha e Grécia a adotarem as medidas de austeridade tem transformado a Holanda num grande paraíso fiscal. Por Vicenç Navarro/Other News.

Milionários desviaram mais de 17 biliões para paraísos fiscais

A Tax Justice Network revelou em 2012 que as fortunas escondidas nos paraísos fiscais equivaliam à soma das economias do Japão e dos EUA. Se os milionários dos países endividados pagassem impostos sobre essa riqueza, os seus Estados seriam credores e não devedores. A riqueza escondida é mesmo muito maior do que se pensava.

Os paraísos fiscais beneficiam as elites ricas do mundo

Nesta entrevista Nicholas Shaxson, autor de um livro indispensável para entender as finanças offshore, afirma que os paraísos fiscais “isentam os ricos e as grandes empresas das restrições, dos riscos e das obrigações que a democracia exige de cada um de nós” e salienta que “a Grã-Bretanha está no centro de uma rede de paraísos fiscais que abastece a City de Londres de capital e lhe fornece um gigantesco volume de negócios”.

Os grandes bancos organizam a evasão fiscal de forma massiva à escala internacional

Novo exemplo de “Demasiado grandes para serem condenados”: a evasão e a fraude fiscais internacionais organizadas pelo principal banco suíço UBS. Por Éric Toussaint

Dossier "Offshores: o mundo obscuro dos paraísos fiscais" (2009)

Em 2009, na sequência da crise financeira e dos escândalos de fraude bancária em Portugal, o esquerda.net publicou um dossier sobre os paraísos fiscais, as suas origens e o seu papel na criminalidade financeira global. Aceda aqui a esse dossier.