Está aqui

No cuts, less growth?

O movimento ecologista reuniu-se no Fórum Social Europeu para reflectir sobre o Pós-Copenhaga, debatendo linhas de acção e reivindicações concretas.

As instituições que, nas últimas décadas, têm definido políticas para o problema das emissões de gases com efeito de estufa - a UNFCCC ou os G's - têm como principal objectivo assegurar a posição privilegiada dos países industrializados, seguindo à risca toda a cartilha neo-liberal, e colorindo o capitalismo de verde. Em Copenhaga, as tensões entre o Norte e o Sul foram evidentes, como nunca tinham sido noutras cimeiras.

Se Copenhaga foi encarado como um fracasso pelas grandes potências, a verdade é que permitiu colocar de novo na mesa certos pontos fundamentais que, a haver um "Quioto2", teriam sido deixadas de fora. É o caso do mercado de carbono e da dívida ecológica, por exemplo.

Assim, para o movimento ecologista, abre-se uma porta para procurar ganhar maior influência política e social naquilo que é a discussão sobre a justiça climática, mobilizando cada vez mais cidadãos para a luta por outros modelos de sociedade mais justos, social e economicamente, e que respeitem o equilíbrio do sistema terrestre.

Uma das reivindicações mais fortes do movimento ecologista global é o pagamento da dívida ecológica contraída ao longo de centenas de anos pelos países do Norte, cuja prosperidade assentou no roubo dos recursos naturais dos países do Sul. É por esse mesmo motivo que está agendado um Dia de Acção Global pela justiça climática para dia 12 de Outubro, o "Dia de Colombo".

No entanto, o pagamento da dívida ecológica resolveria apenas em parte o problema, já que muitas das "potências emergentes" repetem o modelo de desenvolvimento ocidental baseado no crescimento material, na industrialização intensiva e num consumismo desenfreado, que já provou ser um modelo falhado. Na Europa é uma reivindicação com menor aceitação, pelo que para o movimento ecologista europeu é fundamental definir linhas de acção próprias. A redução do nosso impacte no sistema terrestre só é possível invertendo a tendência de crescimento material ocidental das ultimas décadas – nos países industrializados e nas potências emergentes – promovendo a transição do paradigma de desenvolvimento com crescimento infinito para modelos baseados na qualidade de vida, na democracia e no respeito pelos direitos sociais.

Crise ambiental e crise económica são apenas duas faces da mesma moeda. É urgente, por isso, encontrar novos caminhos, também na Europa, que reúnam as reivindicações de todos aqueles que lutam por maior justiça social, económica e ambiental. A crise económica traz dificuldades acrescidas ao discurso do “decrescimento sustentável”: "No cuts, more growth" é o slogan do apelo à mobilização dos trabalhadores europeus para greves gerais no final de Setembro.

Que transição ecológica devemos promover no Norte que seja socialmente justa? Como conjugar a luta ecologista com a luta laboral? Como defender o decrescimento quando o desemprego aumenta?

No FSE discutiu-se a necessidade urgente de diálogo com o movimento sindical, unindo as vozes em reivindicações como a reconversão da indústria para a produção de bens úteis e sustentáveis (por exemplo no que diz respeito à indústria automóvel), promovendo a mudança sem criar desemprego ou a criação de emprego sustentável - no Reino Unido foi lançada a campanha “1million climate jobs” com o slogan “Emission cuts, not job cuts”. E, porque como Frederic Jameson dizia “É mais fácil imaginar o fim do mundo que o fim do capitalismo”, discutiu-se também a importância de projectos que têm surgido pelo mundo fora onde se concretiza na prática a transição social, como é o caso das “Transition Towns”.

Por isso, o dia 29 de Setembro será também um dia de mobilização do movimento ecologista Europeu, para “impor políticas alternativas, que nos permitam satisfazer as necessidades sociais e ambientais” (Declaração final do FSE 2010).

Sobre o/a autor(a)

Dirigente do Bloco de Esquerda. Mestranda em engenharia da energia e do ambiente.
política: 
FSE 2010
(...)

Resto dossier

Fórum Social Europeu 2010

A sociedade civil europeia mobilizada contra o capitalismo neoliberal concentrou-se de 1 a 4 de Julho em Istambul, no VI Fórum Social Europeu. Do encontro saiu o apelo para uma grande mobilização europeia, em Setembro, contra as políticas da austeridade e a regressão social.

Istambul: Fórum Social Europeu começa dia 1 de Julho

A sociedade civil europeia mobilizada contra o capitalismo neoliberal concentra-se de 1 a 4 de Julho em Istambul, na reunião magna de resposta à crise centrada nos direitos humanos, na defesa do emprego, dos salários e pensões, e na luta organizada e solidária.
 

Reflexão de um veterano dos Fóruns Sociais

Giovanni Allegretti é um sociólogo italiano residente em Portugal. No depoimento que prestou reflecte sobre o estado actual dos Fóruns Sociais.

Mobilização contra a violência de género em Istambul

A Marcha Mundial das Mulheres organizou, em Istambul, uma manifestação contra a violência de género e diversos workshops sobre o tema, que antecederam o início dos trabalhos do Fórum Social Europeu.

Marcha Mundial de Mulheres no FSE

Centenas de mulheres de mais de 20 países marcharam nas ruas de Istambul, onde se realiza o Fórum Social Europeu. Almerinda Bento, da UMAR, explica o objectivo desta marcha.

O FSE e o movimento anti-guerra

Em Istambul, activistas anti-guerra reuniram-se no Forum Social Europeu para partilhar experiências e planear a resposta global à nova ofensiva da NATO.

FSE'2010: Europa, crise e participação

O Forum Social Europeu decorre na Turquia e recebeu na sexta-feira a conferência "Europa, Crise e Participação das/os trabalhadoras/es". Por Cristina Andrade e Rui Maia, em Istambul.

Que futuro para o Fórum Social Europeu?

Em Istambul, ao longo do Fórum Social Europeu (FSE) o próprio fórum, a sua organização e o seu futuro é discutido em vários painéis. Uma destas discussões reuniu duzentos activistas.

FSE 2010: A água é um bem público comum

Em Istambul, os movimentos sociais reiteraram o compromisso da luta pela preservação da água na esfera pública dos bens não privatizáveis.

Por Mamadou Ba

Educação em movimento no Fórum Social

Em Istambul, o Fórum Social Europeu quis, e conseguiu, ir à discussão e à disputa de um espaço político sobre educação.

Por João Mineiro.

No cuts, less growth?

O movimento ecologista reuniu-se no Fórum Social Europeu para reflectir sobre o Pós-Copenhaga, debatendo linhas de acção e reivindicações concretas.

FSE 2010: Assembleia final sobre trabalho

Mais de cem de pessoas estiveram presentes na assembleia final sobre trabalho, decorrida neste Sábado no âmbito do Fórum Social Europeu, em Istambul. Por Cristina Andrade e Rui Maia, em Istambul.

"Falta unir as forças de resistência"

Marisa Matias fez um balanço sintético dos resultados do Fórum Social Europeu durante a manifestação que encerrou os trabalhos em Istambul: "não faltam propostas e alternativas à esquerda, o que falta é a capacidade de unir as forças de resistência e as formas de luta social”.

FSE'2010: “Trabalhar juntos contra a crise”

Só a mobilização e a resistência conjunta dos povos europeus pode travar o ataque neoliberal do FMI, dos governos e das instituições europeias - este foi o mote que encerrou o Fórum Social Europeu de 2010. Por Joana Mortágua.