Está aqui

Educação em movimento no Fórum Social

Em Istambul, o Fórum Social Europeu quis, e conseguiu, ir à discussão e à disputa de um espaço político sobre educação. Por João Mineiro.

Esse espaço foi não só ganho à custa de uma intensa teorização e problematização das questões concretas do ensino e das ofensivas neoliberais ao espaço escolar (sob as suas diversas vertentes), como conseguiu também perspectivar formas concretas de luta europeia que respondam à urgência desse combate.
 


Foram dezenas as delegações de países que marcaram presença nos seminários e workshops sobre educação, que culminaram numa grande assembleia de conclusões e perspectivas de luta sobre o ensino. Professores, estudantes de várias organizações europeias e investigadores da área, pensaram, discutiram e encontraram consensos e proposas concretas. De toda a Europa, organizações, sindicatos e movimentos contestaram directa e frontalmente as repercussões directas da crise do capitalismo no sistema educativo. Exigiram, claramente, uma mudança à esquerda porque a verdade é que a grande conclusão da assembleia sobre educação foi a de que o capitalismo não responde, como nunca respondeu, à crise da educação, e não só não responde como ainda a agrava. Foi portanto claro para os movimento sociais europeus que a crise educativa é inerente à crise do sistema neoliberal, e que a necessidade de mudança de paradigma é uma absoluta realidade.
 


Entre as várias ofensivas ao sistema educativo, o FSE tentou discutir aquelas que mais força conseguem ter nas escolas e nas universidades, para que um dia europeu de luta pelo ensino seja um verdadeiro sucesso. Entre elas o FSE destaca a privatização do espaço escolar, a incrementação dos "valores de mercado" no sistema avaliativo dos estudantes e os ataques quer ao financiamento das instituições, quer dos direitos de estudantes e professores. Por outro lado, sublinhou-se a urgência da rejeição do ensino como um negócio, a democracia no ensino, o resgate do espaço escolar. 



Partindo dessa convergência, a assembleia de educação do Fórum Social Europeu decidiu que iria apoiar o dia 29 de Setembro como um grande dia de luta europeia sobre o ensino. Que o iria fazer, mobilizando organizações, sindicatos e estudantes numa  convergência absoluta (provavelmente sem precedentes) em torno de um dos maiores ataques dos últimos anos ao ensino. 
 


Mas o Fórum não só apelou à mobilização para o dia 29 como afirmou que quer criar um movimento de luta consequente. Esse movimento passará quer por um Fórum  de Educação Europeu, a realizar em Espanha, como pretende criar espaços de discussão e luta regular na Europa pré e pós 29 de Setembro, pré e pós Fórum de Educação Europeu. 



Também aqui o FSE prova que é possível unidade, consequência e muito movimento na luta contra o sistema neoliberal que usa e abusa do sistema educativo e que condena plenamente às orientações do mercado. No Fórum Social Europeu a educação esteve realmente em movimento!
 

política: 
FSE 2010
(...)

Resto dossier

Fórum Social Europeu 2010

A sociedade civil europeia mobilizada contra o capitalismo neoliberal concentrou-se de 1 a 4 de Julho em Istambul, no VI Fórum Social Europeu. Do encontro saiu o apelo para uma grande mobilização europeia, em Setembro, contra as políticas da austeridade e a regressão social.

Istambul: Fórum Social Europeu começa dia 1 de Julho

A sociedade civil europeia mobilizada contra o capitalismo neoliberal concentra-se de 1 a 4 de Julho em Istambul, na reunião magna de resposta à crise centrada nos direitos humanos, na defesa do emprego, dos salários e pensões, e na luta organizada e solidária.
 

Reflexão de um veterano dos Fóruns Sociais

Giovanni Allegretti é um sociólogo italiano residente em Portugal. No depoimento que prestou reflecte sobre o estado actual dos Fóruns Sociais.

Mobilização contra a violência de género em Istambul

A Marcha Mundial das Mulheres organizou, em Istambul, uma manifestação contra a violência de género e diversos workshops sobre o tema, que antecederam o início dos trabalhos do Fórum Social Europeu.

Marcha Mundial de Mulheres no FSE

Centenas de mulheres de mais de 20 países marcharam nas ruas de Istambul, onde se realiza o Fórum Social Europeu. Almerinda Bento, da UMAR, explica o objectivo desta marcha.

O FSE e o movimento anti-guerra

Em Istambul, activistas anti-guerra reuniram-se no Forum Social Europeu para partilhar experiências e planear a resposta global à nova ofensiva da NATO.

FSE'2010: Europa, crise e participação

O Forum Social Europeu decorre na Turquia e recebeu na sexta-feira a conferência "Europa, Crise e Participação das/os trabalhadoras/es". Por Cristina Andrade e Rui Maia, em Istambul.

Que futuro para o Fórum Social Europeu?

Em Istambul, ao longo do Fórum Social Europeu (FSE) o próprio fórum, a sua organização e o seu futuro é discutido em vários painéis. Uma destas discussões reuniu duzentos activistas.

FSE 2010: A água é um bem público comum

Em Istambul, os movimentos sociais reiteraram o compromisso da luta pela preservação da água na esfera pública dos bens não privatizáveis.

Por Mamadou Ba

Educação em movimento no Fórum Social

Em Istambul, o Fórum Social Europeu quis, e conseguiu, ir à discussão e à disputa de um espaço político sobre educação.

Por João Mineiro.

No cuts, less growth?

O movimento ecologista reuniu-se no Fórum Social Europeu para reflectir sobre o Pós-Copenhaga, debatendo linhas de acção e reivindicações concretas.

FSE 2010: Assembleia final sobre trabalho

Mais de cem de pessoas estiveram presentes na assembleia final sobre trabalho, decorrida neste Sábado no âmbito do Fórum Social Europeu, em Istambul. Por Cristina Andrade e Rui Maia, em Istambul.

"Falta unir as forças de resistência"

Marisa Matias fez um balanço sintético dos resultados do Fórum Social Europeu durante a manifestação que encerrou os trabalhos em Istambul: "não faltam propostas e alternativas à esquerda, o que falta é a capacidade de unir as forças de resistência e as formas de luta social”.

FSE'2010: “Trabalhar juntos contra a crise”

Só a mobilização e a resistência conjunta dos povos europeus pode travar o ataque neoliberal do FMI, dos governos e das instituições europeias - este foi o mote que encerrou o Fórum Social Europeu de 2010. Por Joana Mortágua.