Está aqui

FSE'2010: Europa, crise e participação

O Forum Social Europeu decorre na Turquia e recebeu na sexta-feira a conferência "Europa, Crise e Participação das/os trabalhadoras/es". Por Cristina Andrade e Rui Maia, em Istambul.
Conferência organizada por activistas sindicais no Fórum Social Europeu. Foto Rui Maia

Num momento em que se assiste a um declarado ataque do capital sobre o trabalho, os direitos das/os trabalhadoras/es e as perspectivas de luta que se perfilam foram um dos temas mais abordados nesta muito participada conferência, organizada pela European Trade Union Confederation (ETUC) e também por movimentos sindicais turcos, designadamente a DICK e a KAK-IS.

Das intervenções emana a reprovação da realidade a que temos vindo a assitir que consiste em fazer com que sejam as/os trabalhadoras/es a pagar pela crise, não só através dos cortes salariais, como também pelas constantes ameaças de desemprego, pelo sistemático ataque aos direitos sociais e também pela crescente precarização, seja através do trabalho não declarado ou das empresas de trabalho temporário. Reforçando esta ideia, Joël Decaillon, secretário geral da ETUC, referiu que não há democracia sem trabalho e sem protecção social das/os trabalhadoras/es.

No que concerne especificamente à realidade turca, Salim Uslu, do KAK-IS, reportou as dificuldades colocadas à sindicalização, causadas pela própria legislação do país, que restringe a liberdade sindical. Por seu turno, Suleyman Celebi, presidente da confederação de sindicatos DISK, evocou as muitas pessoas que faleceram para que se conquistassem os direitos laborais existentes e que tão atacados estão a ser. Um das muitas conquistas efectuadas remete para o direito a um contrato de trabalho e ao despedimento perante motivos válidos. No entanto, na Turquia, um país com mais de cinco milhões e meio de desempregadas/os, a legislação desprotege as/os trabalhadoras/es a ponto de, por exemplo, ser possível a uma qualquer entidade patronal, com menos de 35 funcionárias/os, despedi-las/os liminarmente, sem qualquer motivo que o justifique.

Perante esta realidade de ganância e ataque deliberado às/aos trabalhadoras/es, a necessidade de organização das lutas torna-se premente. Assim, a grande manifestação europeia, a decorrer no dia 29 de Setembro, perfila-se como um dos próximos grandes momentos combativos nesta luta contra a usura do capital.
 

política: 
FSE 2010
(...)

Resto dossier

Fórum Social Europeu 2010

A sociedade civil europeia mobilizada contra o capitalismo neoliberal concentrou-se de 1 a 4 de Julho em Istambul, no VI Fórum Social Europeu. Do encontro saiu o apelo para uma grande mobilização europeia, em Setembro, contra as políticas da austeridade e a regressão social.

Istambul: Fórum Social Europeu começa dia 1 de Julho

A sociedade civil europeia mobilizada contra o capitalismo neoliberal concentra-se de 1 a 4 de Julho em Istambul, na reunião magna de resposta à crise centrada nos direitos humanos, na defesa do emprego, dos salários e pensões, e na luta organizada e solidária.
 

Reflexão de um veterano dos Fóruns Sociais

Giovanni Allegretti é um sociólogo italiano residente em Portugal. No depoimento que prestou reflecte sobre o estado actual dos Fóruns Sociais.

Mobilização contra a violência de género em Istambul

A Marcha Mundial das Mulheres organizou, em Istambul, uma manifestação contra a violência de género e diversos workshops sobre o tema, que antecederam o início dos trabalhos do Fórum Social Europeu.

Marcha Mundial de Mulheres no FSE

Centenas de mulheres de mais de 20 países marcharam nas ruas de Istambul, onde se realiza o Fórum Social Europeu. Almerinda Bento, da UMAR, explica o objectivo desta marcha.

O FSE e o movimento anti-guerra

Em Istambul, activistas anti-guerra reuniram-se no Forum Social Europeu para partilhar experiências e planear a resposta global à nova ofensiva da NATO.

FSE'2010: Europa, crise e participação

O Forum Social Europeu decorre na Turquia e recebeu na sexta-feira a conferência "Europa, Crise e Participação das/os trabalhadoras/es". Por Cristina Andrade e Rui Maia, em Istambul.

Que futuro para o Fórum Social Europeu?

Em Istambul, ao longo do Fórum Social Europeu (FSE) o próprio fórum, a sua organização e o seu futuro é discutido em vários painéis. Uma destas discussões reuniu duzentos activistas.

FSE 2010: A água é um bem público comum

Em Istambul, os movimentos sociais reiteraram o compromisso da luta pela preservação da água na esfera pública dos bens não privatizáveis.

Por Mamadou Ba

Educação em movimento no Fórum Social

Em Istambul, o Fórum Social Europeu quis, e conseguiu, ir à discussão e à disputa de um espaço político sobre educação.

Por João Mineiro.

No cuts, less growth?

O movimento ecologista reuniu-se no Fórum Social Europeu para reflectir sobre o Pós-Copenhaga, debatendo linhas de acção e reivindicações concretas.

FSE 2010: Assembleia final sobre trabalho

Mais de cem de pessoas estiveram presentes na assembleia final sobre trabalho, decorrida neste Sábado no âmbito do Fórum Social Europeu, em Istambul. Por Cristina Andrade e Rui Maia, em Istambul.

"Falta unir as forças de resistência"

Marisa Matias fez um balanço sintético dos resultados do Fórum Social Europeu durante a manifestação que encerrou os trabalhos em Istambul: "não faltam propostas e alternativas à esquerda, o que falta é a capacidade de unir as forças de resistência e as formas de luta social”.

FSE'2010: “Trabalhar juntos contra a crise”

Só a mobilização e a resistência conjunta dos povos europeus pode travar o ataque neoliberal do FMI, dos governos e das instituições europeias - este foi o mote que encerrou o Fórum Social Europeu de 2010. Por Joana Mortágua.