Está aqui

Istambul: Fórum Social Europeu começa dia 1 de Julho

A sociedade civil europeia mobilizada contra o capitalismo neoliberal concentra-se de quinta-feira a domingo em Istambul no Fórum Social Europeu, reunião magna de resposta à crise centrada na pessoa humana, na defesa do emprego, dos salários e pensões e na luta organizada, solidária e coordenada a nível internacional por um novo modelo social, económico e ecológico.
A reunião de Istambul é dedicada às múltiplas incidências da crise actual sobre os direitos sociais e laborais através de toda a Europa numa perspectiva de procura de um modelo alternativo assente no reforço da democracia e na necessidade de construir uma nova ordem social e ecológica.

"Eles que paguem a crise deles!"

“Os trabalhadores europeus vivem os "piores tempos" desde a Segunda Guerra Mundial”

"A crise neoliberal é uma guerra contra os trabalhadores"

"Eles que paguem a crise deles", é a consigna principal desta grande iniciativa, que parte do princípio de que "outra Europa é necessária". Uma Europa que não seja dominada pelos interesses convergentes dos grandes centros de negócio, dos especuladores financeiros e dos governos neoliberais. Trata-se de discutir e organizar a coordenação da resistência internacional à "barbárie anti-social".

O Fórum Social Europeu (FSE) é um espaço aberto de debate aberto a pessoas, grupos e movimentos da sociedade civil unidos contra o neo-liberalismo e uma sociedade mundial dominada pelo capital e por qualquer forma de imperialismo. 

A reunião de Istambul é dedicada às múltiplas incidências da crise actual sobre os direitos sociais e laborais através de toda a Europa numa perspectiva de procura de um modelo alternativo assente no reforço da democracia e na necessidade de construir uma nova ordem social e ecológica.

"A crise do capitalismo neoliberal está a ser transformada numa verdadeira guerra contra o povo trabalhador", lê-se na convocatória para a reunião do Fórum que agora se inicia.

Os trabalhadores vivem os seus "piores tempos" desde a Segunda Guerra Mundial em termos de rendimentos do trabalho e de direitos sociais, sofrendo "cortes tremendos nos salários e pensões, desemprego sem precedentes e destruição total dos serviços públicos", acrescenta.

O apelo para Istambul, lançado em Fevereiro deste ano em Atenas, sublinha que a União Europeia, o FMI, os especuladores financeiros e os governos neoliberais europeus estão "a tentar fazer da Grécia o laboratório de um novo e bárbaro modelo anti-social que vão querer aplicar através de toda a Europa". Não se trata de "uma crise grega mas sim da crise do capitalismo neoliberal", razão pela qual aqueles que a criaram - os sectores dos grandes negócios, os especuladores e os governos neoliberais - "estão agora a tentar transferir a factura para os que por ela não são responsáveis: trabalhadores, desempregados, pensionistas, jovens, mulheres, imigrantes".

Daí o objectivo traçado de fazer deste sexto Fórum Social Europeu "um imenso laboratório para a coordenação internacional das nossas resistências e a promoção de um novo modelo social, económico e ecológico". 

A mobilização dos europeus, ainda segundo o apelo, deve ser no sentido de elevar à escala europeia as lutas pelas defesas do emprego, salário e pensões, acabar de vez com a especulação financeira, estabelecer uma moratória europeia aos pagamentos das dívidas públicas e provocar uma viragem para um modo de produção ecológico.

A Esquerda Unitária no Parlamento Europeu, aglutinada no Grupo GUE/NGL, estará presente com oito deputados no Fórum de Istambul, entre eles Marisa Matias e Rui Tavares, eleitos pelo Bloco de Esquerda. 

O GUE/NGL organizará dois workshops durante o Fórum: sobre o ano europeu para o combate à pobreza, na quinta-feira, 1 de Julho; sobre a acção política para a solidariedade global, na sexta-feira, 2 de Julho. Além disso, Marisa Matias fará uma intervenção no semimário dedicado às perspectivas da ecologia de esquerda e Rui Tavares intervirá no seminário "Afinal somos todos PIGS?". A delegação participará no sábado na manifestação através de Istambul, que será centrada na defesa da igualdade dos direitos das mulheres e contra a discriminação.

Uma delegação de activistas vindos de diversos movimentos sociais em Portugal, desde movimentos de precários a de defesa de direitos dos imigrantes e da luta anti-racista, também acompanhará e participará nos trabalhos do Fórum Social Europeu.

Temas dos seminários que decorrerão em Istambul:

Que futuro para o Forum Social Europeu e os movimentos sociais perante a crise global?; Perspectivas de uma ecologia de esquerda; "Depois da crise política e social grega devemos construir uma nova Europa?"; A questão do género na crise económica; Programas anti-crise dos movimentos sociais e de esquerda - uma análise comparativa no sentido de uma plataforma comum; O que a crise grega revelou para lá do Tratado de Lisboa; A resposta política à crise; "Afinal somos todos PIGS"?; A reforma neoliberal da educação superior; Economia e democracia - como a falta desta contribuiu para a crise e como o seu reforço pode promover a economia social; Análise da crise da indústria automóvel; Ligação entre a crise social e a ecologia.

Mais informações: www.fse-esf.orgwww.guengl.eu

Artigo publicado no site do Grupo Parlamentar Europeu do Bloco de Esquerda.

política: 
FSE 2010
(...)

Resto dossier

Fórum Social Europeu 2010

A sociedade civil europeia mobilizada contra o capitalismo neoliberal concentrou-se de 1 a 4 de Julho em Istambul, no VI Fórum Social Europeu. Do encontro saiu o apelo para uma grande mobilização europeia, em Setembro, contra as políticas da austeridade e a regressão social.

Istambul: Fórum Social Europeu começa dia 1 de Julho

A sociedade civil europeia mobilizada contra o capitalismo neoliberal concentra-se de 1 a 4 de Julho em Istambul, na reunião magna de resposta à crise centrada nos direitos humanos, na defesa do emprego, dos salários e pensões, e na luta organizada e solidária.
 

Reflexão de um veterano dos Fóruns Sociais

Giovanni Allegretti é um sociólogo italiano residente em Portugal. No depoimento que prestou reflecte sobre o estado actual dos Fóruns Sociais.

Mobilização contra a violência de género em Istambul

A Marcha Mundial das Mulheres organizou, em Istambul, uma manifestação contra a violência de género e diversos workshops sobre o tema, que antecederam o início dos trabalhos do Fórum Social Europeu.

Marcha Mundial de Mulheres no FSE

Centenas de mulheres de mais de 20 países marcharam nas ruas de Istambul, onde se realiza o Fórum Social Europeu. Almerinda Bento, da UMAR, explica o objectivo desta marcha.

O FSE e o movimento anti-guerra

Em Istambul, activistas anti-guerra reuniram-se no Forum Social Europeu para partilhar experiências e planear a resposta global à nova ofensiva da NATO.

FSE'2010: Europa, crise e participação

O Forum Social Europeu decorre na Turquia e recebeu na sexta-feira a conferência "Europa, Crise e Participação das/os trabalhadoras/es". Por Cristina Andrade e Rui Maia, em Istambul.

Que futuro para o Fórum Social Europeu?

Em Istambul, ao longo do Fórum Social Europeu (FSE) o próprio fórum, a sua organização e o seu futuro é discutido em vários painéis. Uma destas discussões reuniu duzentos activistas.

FSE 2010: A água é um bem público comum

Em Istambul, os movimentos sociais reiteraram o compromisso da luta pela preservação da água na esfera pública dos bens não privatizáveis.

Por Mamadou Ba

Educação em movimento no Fórum Social

Em Istambul, o Fórum Social Europeu quis, e conseguiu, ir à discussão e à disputa de um espaço político sobre educação.

Por João Mineiro.

No cuts, less growth?

O movimento ecologista reuniu-se no Fórum Social Europeu para reflectir sobre o Pós-Copenhaga, debatendo linhas de acção e reivindicações concretas.

FSE 2010: Assembleia final sobre trabalho

Mais de cem de pessoas estiveram presentes na assembleia final sobre trabalho, decorrida neste Sábado no âmbito do Fórum Social Europeu, em Istambul. Por Cristina Andrade e Rui Maia, em Istambul.

"Falta unir as forças de resistência"

Marisa Matias fez um balanço sintético dos resultados do Fórum Social Europeu durante a manifestação que encerrou os trabalhos em Istambul: "não faltam propostas e alternativas à esquerda, o que falta é a capacidade de unir as forças de resistência e as formas de luta social”.

FSE'2010: “Trabalhar juntos contra a crise”

Só a mobilização e a resistência conjunta dos povos europeus pode travar o ataque neoliberal do FMI, dos governos e das instituições europeias - este foi o mote que encerrou o Fórum Social Europeu de 2010. Por Joana Mortágua.