Está aqui

Glovo e Uber eats ou os ladrões dos tempos modernos

O capitalismo sempre quis colonizar o nosso tempo. A apropriação de cada um dos nossos minutos, marcados por esse instrumento violento chamado relógio, é uma arma poderosa para ditar e comandar a organização da vida pessoal, social e familiar.
Charles Chaplin no filme "Tempos Modernos".
Charles Chaplin no filme "Tempos Modernos".

A flexibilização do tempo de trabalho, através de formas de organização especialmente penosas para os trabalhadores, como o trabalho por turnos, o banco de horas ou adaptabilidade e a criação de novas modalidades contratuais (contrato de muito curta duração, intermitente, temporário) são expressão da adaptação da legislação laboral ao mercado e uma resposta às suas necessidades. Entretanto, corre-se atrás do prejuízo tentando mitigar os efeitos da lei do mercado, por via da proteção laboral, apelando-se à compatibilidade com direitos fundamentais protegidos constitucionalmente, enquanto se inventam novas formas de alcançar o objetivo de servir os interesses patronais com medidas espúrias e falsamente bem-intencionadas como um período experimental alargado para desempregados de longa duração com maior dificuldade de integração no mercado de trabalho. É este, aliás, o estado da arte, na discussão do novo pacote laboral em Portugal.

Surgem, diariamente, novos mecanismos de apropriação do tempo de trabalho e as tecnologias servem esse propósito. Enquanto se aumentam horários de trabalho por via de uma desconexão inexistente, com telemóveis que tocam a toda a hora, com e-mails que têm que ser lidos em qualquer lugar, com uma urgência empertigada que mata o direito ao descanso e ao lazer, dão-nos UBEReats e Glovo. Entregam-nos as compras em casa, dão-nos os medicamentos à boca, trazidos por um trabalhador explorado que pedala com uma bicicleta, para cima e para baixo, para ganhar um dinheirinho extra.

E convivemos, alegremente, com esta tranquilidade da vida moderna, que nos faz chegar uma pizza a casa, depois de um dia com horas a mais a trabalhar, sem pagamento de trabalho suplementar e sem descanso compensatório, que isso de cumprir a legislação laboral é para incautos e a internet é o paliativo.

Recordemos os "Tempos modernos", em que Charlie Chaplin nos mostrava o operário, alimentado por uma máquina frenética, de tempo contado, fustigado por uma linha de montagem infernal que lhe garantia tiques, em resultado de mimetização de tarefas a uma velocidade alucinante, que não se compadecia com pausas, a atirá-lo para acidentes de trabalho e doenças profissionais. É sempre o tempo que nos querem. E quem é dono dele é dono de tudo.

Na curta-metragem "Hola, buenas noches!", um distribuidor de comida ao domicílio, que presta funções através de uma aplicação móvel, fala-nos das suas condições de trabalho enquanto pedala durante 12 horas. E é difícil não as achar indecorosas.

Tempos modernos estes em que convivemos, com entusiasmo obsceno, com novas formas de exploração laboral à distância de um clique, a troco da usurpação do nosso tempo, esse tempo que é cada vez menos nosso.

 

Artigo publicado no “Jornal de Negócios” em 10 de janeiro de 2019

 

Sobre o/a autor(a)

Jurista
(...)

Resto dossier

Ciclista de um serviço de entregas.

Precariedade uber alles: a ameaça da uberização do trabalho

A uberização é a precariedade acima de todos, o desfazer dos vínculos contratuais e a anulação dos direitos dos trabalhadores. Analisamos o novo modelo de organização do trabalho imposto a quem é empregado nas plataformas de serviços online para transporte individual ou distribuição de bens e serviços. Dossier organizado por Carlos Carujo.

Grupo de trabalhadores de distribuição de plataformas online em protesto.

A Uberização e os desafios laborais e sociais

Ao contrário de outros países, o debate sobre a Uber em Portugal não deu a mesma atenção no plano legal aos problemas de emprego e condições de trabalho, centrando-se sobretudo na questão da concorrência desleal. Artigo da socióloga Maria da Paz Campos Lima.

Taxista em protesto.

Uber, a regulamentação vai de carrinho?

Táxis contra Uber. Ideologicamente mostrada como escolha entre antiguidade onerosa e burocrática e leveza contemporânea barata, a guerra comercial do transporte individual de passageiros é também disputa política sobre regulamentação, liberalização e municipalização e direitos dos trabalhadores.

Dados de tráfego de São Francisco.

A uberização e a cidade: os dados estão lançados

As aplicações para smartphone há muito que sabem o valor dos dados que recolhem quando o negócio é a privacidade. As aplicações das plataformas online de transporte ou de entregas, como a Uber, têm uma moeda de troca própria: os dados de mobilidade. E estão a fazer valê-la na relação com as cidades.

Condutores em protesto.

Trabalho baseado em plataformas digitais: a caminho de um novo sindicalismo?

O crowdworking usa uma plataforma para ligar organizações ou indivíduos a outros em troca de pagamento. Um recente projeto europeu de investigação quer analisar estratégias de sindicatos ou movimentos alternativos que representem “crowdworkers” Artigo de António Brandão Moniz e Nuno Boavida.

Shame on Uber, manifestação em São Paulo. Foto dos autores FM/MAGO.

Uber: assim começam as greves do futuro

Precários fizeram a 8 de maio o primeiro protesto global contra o poder “invisível” das empresas-aplicação. Em São Paulo, dois investigadores fizeram dezenas de entrevistas e apostam: surgem novas formas de resistência no meia da ultra-exploração. Por Felipe Moda e Marco António Oliveira/Outras Palavras.

Entender quem é o proletário da era digital e sua inserção no mundo do trabalho é o tema de investigação do sociólogo Ricardo Antunes em seu novo livro

O proletário digital na era da reestruturação permanente do capital

Nesta entrevista a IHU, o sociólogo brasileiro Ricardo Antunes fala sobre o proletário da era digital e da sua inserção no mundo do trabalho, tema do seu novo livro “O Privilégio da Servidão. O Novo Proletariado de Serviços na Era Digital”.

A uberização do trabalho é pior para elas

Uberização no feminino. Um retrato de como este fenómeno é vivido pelas mulheres. São testemunhos brasileiros mas que soarão familiares em muitas zonas do globo. Texto de Julia Dolce da Agência Pública.

A uberização do trabalho não é inevitável

Não será hora de trilhar o caminho para pôr fim às relações de subordinação próprias do contrato de trabalho, reforçando os direitos sociais? Artigo de Danièle Linhart no Le Monde Diplomatique.

Charles Chaplin no filme "Tempos Modernos".

Glovo e Uber eats ou os ladrões dos tempos modernos

O capitalismo sempre quis colonizar o nosso tempo. A apropriação de cada um dos nossos minutos, marcados por esse instrumento violento chamado relógio, é uma arma poderosa para ditar e comandar a organização da vida pessoal, social e familiar.

Ciclista de um serviço de entregas.

Tudo se uberiza?

A uberização atinge até os setores mais surpreendentes. Sem contratos ou direitos, o uberproletariado fica mais vulnerável à exploração. Como mostrou cruelmente a onda de calor em França. Felizmente, a resistência organiza-se. Essa não é uberizável.