Está aqui

A Comuna e a Primeira Internacional

Antes da Comuna, os líderes franceses da AIT eram perseguidos mas as secções da organização contavam com milhares de membros. Durante a insurreição, os seus membros vão desempenhar um papel importante na obra social realizada pela Comuna. Por Yves Lenoir.
Congresso de Genebra da AIT.
Congresso de Genebra da AIT.

A decisão de criar uma Associação Internacional dos Trabalhadores, chamada mais tarde Primeira Internacional, foi tomada em Londres, a 28 de setembro de 1864, num congresso operário europeu. A AIT atribui-se o objetivo de unir os proletários de todos os países na luta pela sua emancipação, para lá das divisões artificiais criadas pelos Estados.

A ideia de uma tal organização começou a ganhar forma depois dos acontecimentos revolucionários de 1848. A oportunidade para avançar nesta via foi dada pela Exposição Universal de Londres em 1862 à qual assistiram 83 operários parisienses que, nesta ocasião, criaram laços com os seus homólogos ingleses já bem organizados sindicalmente nos Trade Unions.

O Discurso Inaugural da Internacional, redigido por Karl Marx, especificava que “a emancipação dos trabalhadores deve ser obra dos próprios trabalhadores” e declarava agir “pela emancipação definitiva da classe trabalhadora, ou seja pela abolição definitiva do trabalho assalariado”.

Um Conselho Geral, eleito em cada congresso anual, estava encarregue de coordenar a atividade das secções nacionais ou locais de AIT. Estava sediado em Londres.

A história da Internacional em França distingue-se em dois períodos: uma fase “mutualista” ou “proudhoniana”, de 1865 ao primeiro semestre de 1868, seguida de uma fase “coletivista” ou “sindicalista”.

O período mutualista

Os mutualistas proudhonianos eram contrários ao trabalho das mulheres e hostis à greve. Consideravam que as associações mutualistas e as cooperativas eram suficientes para combater o capitalismo. Os coletivistas pronunciavam-se pela luta de classes como o melhor meio de combater o capitalismo e como motor da emancipação dos trabalhadores.

Em França, em janeiro de 1865, é criado um gabinete parisiense da Internacional que se instala na rua des Gravilliers, no IIIº arrondissement. Os seus correspondentes junto do Conselho Geral de Londres são os mutualistas Henri Tolain e Édouard Fribourg que tinham participado no congresso fundador de Londres em 1864. Eugène Varlin, operário encadernador e Benoît Malon, tintureiro, aderem à Internacional desde a sua implantação em Paris.

Em França, de 1865 a 1867, são fundadas secções da Internacional em quatro dezenas de localidades. Estas implantações eram em numerosas regiões à volta de centros importantes: Paris, Caen, Rouen, Lyon, Marselha. O mais das vezes são grupos que contam apenas com algumas dezenas de aderentes. Os primeiros aderentes pertencem ao meio das cooperativas. Em Paris é esse o caso com Camélinat e os trabalhadores das fundições de bronze e com Varlin e os tintureiros.

Em setembro de 1865, ocorreu uma conferência da Internacional em Londres. Eugène Varlin participa. De regresso a Paris, é eleito secretário correspondente, ao lado de Tolain e Fribourg.

O primeiro congresso da Internacional acontece em Genebra de três a oito de setembro de 1866. vota moções a favor da jornada de trabalho de oito horas e da proteção da mulheres e crianças. Os delegados parisienses são os mutualistas Tolain e Fribourg e os coletivistas Varlin, Camélinat e Malon. Varlin fica em minoria no seio da delegação francesa ao pronunciar-se pela melhoria das condições de trabalho das mulheres e não pela sua manutenção no lar.

Em finais de 1867, os quinze membros do secretariado parisiense, entre os quais Tolain, são presos e perseguidos pelo poder imperial por “constituição interdita de associações de mais de vinte pessoas”.

Demitem-se do secretariado. Uma nova comissão parisiense é implementada com Eugène Varlin e Benoît Malon, designados como correspondentes junto do Conselho Geral de Londres. Os novos responsáveis são favoráveis à ultrapassagem do mutualismo e à defesa do coletivismo e do sindicalismo. É o começo do segundo período da Internacional em França.

O período coletivista ou sindicalista

O segundo congresso da Internacional desenrola-se em Lausanne de dois a sete de setembro de 1867. A moção final estipula que “a emancipação social dos trabalhadores é inseparável da sua emancipação política”.

Na década de 1860, numerosas greves tiveram lugar nos principais centros industriais. A lei de 25 de julho de 1864 torna-as menos difíceis porque suprime o delito de coligação. Contudo, a repressão é brutal. Em 1869, treze mineiros são mortos pelo exército em Ricamarie no Loire e catorze em Aubin no Aveyron. Nestes conflitos, a Internacional está presente e ativa. Apoia as reivindicações dos grevistas e organiza a solidariedade financeira. Esta é desenvolvida em Paris, Rouen, Lyon, Marselha e nos arredores destas cidades.

No que diz respeito a Paris, citemos as greves dos encadernadores no Verão de 1864, animados por Eugène Varlin e Nathalie Le Mel, dos trabalhadores das fundições de bronze, em fevereiro e março de 1867, com Camélinat e Theisz, dos cordeeiros, dos curtidores de peles, dos alfaiates...

Estas greves muito duras necessitam da criação de verdadeiras câmaras sindicais e de caixas de solidariedade para ajudar materialmente os operários grevistas. A greve dos encadernadores em 1864 tinha conseguido obter a redução da duração da jornada de trabalho e a abolição do trabalho noturno. Eugène Varlin e Nathalie Le Mel criaram, em 1866, a Sociedade Civil de Poupança e Crédito Mútuo dos Operários Encadernadores de Paris, uma verdadeira câmara sindical que aderiu à Internacional. No Primeiro de Maio de 1866, os encadernadores implementaram um Caixa de Solidariedade e de Luta Interprofissional, a “Caixa dos Centavos”, que ajudava financeiramente os grevistas.

Para ripostar à subida das lutas operárias, o poder tenta, em maio de 1868, um segundo processo contra a secção parisiense da Internacional. Varlin assegura a defesa dos internacionalistas. O tribunal ordena a dissolução da associação e condena os seus dirigentes a três meses de prisão. Por isso, os responsáveis parisienses não poderão participar no 3º Congresso da Internacional em 1868 em Bruxelas, marcado pela predominância das ideias sindicalistas e coletivistas. Estas opção são confirmadas em 1869 no Congresso de Basileia. Nesse mesmo ano, a Aliança Internacional da Democracia Socialista de Bakounine adere à Internacional. Em França, influenciará principalmente as secções de Lyon e Marselha.

Em 1869 e 1870, as numerosas associações operárias transformam-se em sociedades de resistência que já se podem chamar sindicatos, mesmo que o termo seja interdito pelas leis bonapartistas. Um grande número destas associações adere à Internacional como por exemplo os ovalistes (operários da seda) de Lyon.

Sob a égide da Internacional, a 14 de novembro de 1869, uma Federação Parisiense das sociedades operárias é criada. Fica sediada na rua de La Corderie em instalações da Internacional. Em 1870, agrupa 56 sociedade e 40.000 membros.

A 22 de junho de 1870, um terceiro processo é levantado contra a secção parisiense. Malon e três outros réus são condenados a um ano de prisão. Varlin escapa à prisão e exila-se na Bélgica. No momento da queda do Império Francês, em 1870, a situação da Internacional em França é paradoxal. Atingiu um máximo de aderentes, estimados como sendo à volta de 100.000, mas a sua ação está travada pela prisão ou exílio dos seus dirigentes mais emblemáticos.

A 12 de julho de 1870, face às ameaças de guerra, as secções parisienses da Internacional dirigem-se aos seus “irmãos da Alemanha” para lhes dizer que “as nossas divisões apenas levariam a triunfo completo do despotismo nas duas margens do Reno.” Não são escutados e a guerra franco-prussiana, desejada por Bismarck e Napoleão III, eclode.

Os internacionalistas, entre os quais os principais dirigentes que saem da prisão ou voltam do exílio, vão envolver-se, a partir de quatro de setembro de 1870, nas lutas por uma República democrática e social e pela defesa de Paris que fica cercada.

Muitos deles participam na Guarda Nacional e muitos dos seus responsáveis são eleitos oficiais dos seus batalhões. A partir de cinco de setembro, desconfiam do governo dito de Defesa Nacional sediado na Câmara Municipal, o que os leva a implementar e animar nos arrondissements Comités de Vigilância Republicana que se federam no Comité Central Republicano dos vinte arrondissements que fica sediado na rua de la Corderie nas instalações da International.

A sete de janeiro de 1871, no seu célebre “cartaz vermelho”, o Comité dos vinte arrondissements denuncia a incapacidade do govern e lança o apelo: “Lugar ao povo, lugar à Comuna!”

A Internacional e a obra social da Comuna de Paris

Nas eleições legislativas de fevereiro de 1871, dois candidatos da Internacional são eleitos, Malon e Tolain. O primeiro demite-se depois do 18 de março para se consagrar à Comuna; o segundo alinhar-se-á do lado de Versalhes.

A insurreição de 18 de março e as eleições que se seguem fazem nascer a Comuna.

Em 88 eleitos para a assembleia da Comuna, 25 são operários e 38 membros da Internacional. Desempenharão um papel preponderante à frente de serviços públicos como Camélinat responsável pela moeda, Theisz nos correios, Léo Fränkel que anima a Comissão de Trabalho e que se torna desta forma na verdade, apesar de não no nome, o primeiro ministro do Trabalho.

Os membros da Internacional estão presentes e ativos na Guarda Nacional, nos clubes, nos comités da União das Mulheres, nas câmaras sindicais. Deve-se a estes dedicados militantes a obra social considerável da Comuna e as primícias de um direito do Trabalho que não existia anteriormente.

Os internacionalistas pagaram um pesado tributo à repressão. Numerosos pereceram nas barricadas e face aos pelotões de execução como Eugène Varlin massacrado em Montmartre, a 28 de maio de 1871. Sofreram as agrurar da deportação para a Nova Caledónia como Nathalie Le Mel. Muitos exilaram-se para escapar à repressão como Malon, Theisz, Fränkel, condenados à morte à revelia, Camélinat à deportação…

Esta terrível repressão acabou com a ação da Internacional em França. A reação vitoriosa compreendeu o papel emancipatório da Internacional. Com a lei de 14 de março de 1872 coloca-a fora da lei.

No plano internacional, a Internacional gere dificilmente as diferentes tendências do socialismo que a compõem desde 1869. As suas divisões e a queda da Comuna contribuem para provocar o seu fim em 1876.

Em França, antes e durante a Comuna, realizou uma obra de emancipação humana e social considerável que abriu caminho às lutas emancipatórias do século XX. A modernidade dos seus ideais ainda hoje nos interpela.


Yves Lenoir era membro da Associação dos Amigos e Amigas da Comuna de Paris, militante comunista e jornalista.

Texto publicado no site da Associação dos Amigos e Amigas da Comuna de Paris. Traduzido por Carlos Carujo para o Esquerda.net.

(...)

Neste dossier:

Comuna de Paris, os 72 dias que mudaram o mundo

Os 150 anos da Comuna de Paris são o pretexto para analisar a primeira experiência de autogoverno operário, os debates que suscitou, as esperanças que alimentou e a forma como continua a ser uma inspiração. Dossier organizado por Carlos Carujo.

A chamada Geração de 70 foi influenciada pela Comuna de Paris.

A Receção da Comuna de Paris de 1871 em Portugal

A insurreição parisiense teve enorme impacto numa certa elite intelectual jovem que se afirmaria nas letras e na política. Do outro lado, a imprensa monárquica, conservadora e clerical abominou-a, vulgarizando as figuras como um bando de revoltosos que queriam acabar com a ordem. Por Tiago Rego Ramalho.

Ilustração sobre a resistência à apropriação dos canhões de Montmartre por Thiers, o momento que despoletou a revolta que originou a Comuna. Foto de Wikimedia Commons.

A alternativa possível da Comuna de Paris

Paris demonstrou que era necessário perseguir o objetivo de construir uma sociedade radicalmente diferente da capitalista. Ainda que “o tempo das cerejas” nunca tenha chegado para os seus protagonistas, a Comuna encarnou a ideia abstrata e a transformação concreta ao mesmo tempo. Por Marcello Musto.

Barricada no cruzamento das avenidas Voltaire e Richard-Lenoir. Biblioteca histórica da Cidade de Paris/Wikimedia Commons.

A cronologia da Comuna de Paris

Data a data, uma compilação dos principais acontecimentos desde a guerra franco-prussiana, à vitória da Comuna até ao seu rescaldo.

Banco de França. Imagem da instituição.

A Comuna de Paris, a banca e a dívida

Um governo popular não pode ficar paralisado diante do mundo financeiro, deve tomar medidas radicais em relação ao banco central, bancos privados e dívidas. Se não o fizer, está condenado ao fracasso. Por Eric Toussaint.

Ilustração sobre a Comuna de Paris. Fonte: Site da Gauche Anticapitaliste.

A Comuna de Paris e os debates que suscitou

Marx, Trotsky, Lenine foram alguns dos que pensaram sobre a Comuna de Paris. Mas esta primeira tentativa de emancipação social dos oprimidos permanece de uma espantosa atualidade e merece alimentar a reflexão das novas gerações. Por Michael Löwy.

Pormenor da capa de Communal Luxury: The Political Imaginary of the Paris Commune de  Kristin Ross.

Comuna de Paris: rebelde, polémica e atual

No seu livro Communal Luxury: The Political Imaginary of the Paris Commune, Kristin Ross sugere que esta revolta antecipou visões contemporâneas sobre Arte e Ecologia e que as diferenças entre marxistas e anarquistas eram menores que se pensa.

Ilustração de foto de Eugene Pottier, membro da Comuna e autor de várias músicas sobre ela.

«Ela não morreu»: as canções e a Comuna de Paris

Uma pequena viagem pelas canções da Comuna de Paris, para ler e para ouvir, permite compreender aspetos diferentes dos acontecimentos, entender a ressonância e a originalidade histórica da Comuna, a sua coragem e a sua atualidade. Por Pedro Rodrigues.

Mulheres na barricada da Place Blanche na Semana Sangrenta. Litografia do Museu de Carnavalet/Imagem Wikimedia Commons.

Mulheres na Comuna: “eram mais monstruosas porque sendo mulheres transgrediam tudo”

Estiveram no despoletar do movimento e até ao final nas últimas barricadas mas têm sido invisibilizadas. Os seus nomes esquecidos e os seus contributos menorizados. E no seio do movimento operário da época enfrentavam hostilidade de muitos grupos. Entrevista à historiadora Mathilde Larrère.

Louise Michel.

Memórias da Comuna

Figura lendária da Comuna de Paris, Louise Michel traz-nos, neste excerto, quadros desgarrados das barricadas: de insensatez, de crueldade, de cobardia. Mas também e sobretudo da coragem dos “federados”.

La paye des moissonneurs, Léon-Augustin Lhermitte, 1882.

A Comuna fala aos camponeses: Irmão, enganam-te!

A Comuna não foi só Paris mas todas as outras experiências comunais foram rapidamente derrotadas. Os operários da capital não pararam de tentar contactar com o resto do país. Este texto, tornado panfleto, que apelava à solidariedade dos camponeses, é disso exemplo.

Congresso de Genebra da AIT.

A Comuna e a Primeira Internacional

Antes da Comuna, os líderes franceses da AIT eram perseguidos mas as secções da organização contavam com milhares de membros. Durante a insurreição, os seus membros vão desempenhar um papel importante na obra social realizada pela Comuna. Por Yves Lenoir.

Muro dos Federados. Foto: Rama/Wikimedia Commons.

150 anos depois, a batalha em França é pela memória da Comuna

As comemorações dos 150 anos foram polémicas reavivando a batalha pela memória. Monumentos como o Sacré-Coeur, construído para expiar os “ pecados dos federados” também não a deixam esquecer. E movimentos sociais como os coletes amarelos levantam questões sobre se serão herdeiros da Comuna.