Está aqui

Candidaturas cidadãs podem governar em sete importantes cidades

Um traço marcante nas eleições municipais de 24M em Espanha foi a emergência e a força que ganharam as candidaturas cidadãs. Poderão vir a governar as cidades de Madrid, Barcelona, Saragoça, Corunha, Oviedo, Cádis e Santiago de Compostela. O bipartidarismo (PP+PSOE), que tem sido absolutamente dominante em quase todos os municípios do Estado espanhol, atinge o seu ponto mais baixo.
Ada Colau e "Barcelona en Comú" venceram as eleições na capital catalã e ela poderá ser a presidente da câmara de Barcelona

Apesar de se manter como a força política mais votada nas eleições municipais de Espanha, o PP perdeu 2,4 milhões de votos e retorna a um resultado que obtivera há 24 anos, em 1991. O PP obteve 6,05 milhões de votos, não tinha menos de 7,3 milhões desde 1995 e em 2011 tinha alcançado um recorde com 8,5 milhões de votos.

Por sua vez, o PSOE subiu em relação às eleições europeias do ano passado, mas perde 700 mil votos em relação a 2011. O bipartidarismo (PP+PSOE) criado após a chamada transição (o fim da ditadura franquista) e que tem sido esmagador nos últimos 37 anos, à exceção da Catalunha e do País Basco, atingiu o seu ponto mais fraco de sempre, pouco mais de metade da votação em eleições municipais (52%).

O aspeto mais importante destas eleições municipais foi o facto de terem emergido candidaturas cidadãs que, em geral, obtiveram bons resultados e ficaram à frente em sete importantes cidades do Estado espanhol: Madrid (a capital e a maior cidade de Espanha, em população); Barcelona (segunda maior cidade), Zaragoza (quinta maior), A Coruña (17ª), Oviedo (21), Cádiz (54ª maior cidade) e Santiago de Compostela (67). Para estes resultados foi importante o apoio do Podemos, que não concorreu às eleições municipais.

De salientar ainda que a Izquierda Unida teve resultados positivos em vários municípios onde concorreu, ficando à frente em Zamora, e o Bloco Nacionalista Galego ficou em primeiro lugar em Pontevedra.

O PP pode deixar de ter a governação das dez maiores cidades de Espanha e de metade das capitais de província.

Abaixo os quadros das eleições de vereadores de 14 importantes cidades de Espanha, comparados com as eleições de 2011: as dez maiores em população (Madrid, Barcelona, Valência, Saragoça, Málaga, Múrcia, Palma de Maiorca, Las Palmas e Bilbau) e quatro outras cidades importantes, onde as candidaturas cidadãs foram as mais votadas (Corunha, Oviedo, Cádis e Santiago de Compostela. Os quadros foram extraídos de publico.es

Madrid


Barcelona


Valencia


Sevilla


Zaragoza


Malaga


Murcia


Palma de Mallorca


Las Palmas de Gran Canaria


Bilbao


A Coruña


Oviedo


Cádiz


Santiago de Compostela


(...)

Resto dossier

Mudança política em Espanha

Espanha atravessa uma profunda mudança política. Os Indignados e as múltiplas ações de protesto contra as políticas de austeridade chegaram à vida política, com o fim do bipartidarismo e a emergência de novas forças políticas e da cidadania ativa. As eleições municipais e autonómicas de 24 de maio mostraram o caminho dessa mudança.
Dossier organizado por Carlos Santos

Candidaturas cidadãs podem governar em sete importantes cidades

Um traço marcante nas eleições municipais de 24M em Espanha foi a emergência e a força que ganharam as candidaturas cidadãs. Poderão vir a governar as cidades de Madrid, Barcelona, Saragoça, Corunha, Oviedo, Cádis e Santiago de Compostela. O bipartidarismo (PP+PSOE), que tem sido absolutamente dominante em quase todos os municípios do Estado espanhol, atinge o seu ponto mais baixo.

Podemos é o terceiro partido nos parlamentos autonómicos

As eleições autonómicas de 24 de maio (24M) concretizaram o fim do bipartidarismo em Espanha. PP e PSOE perderam, em conjunto 160 deputados e mais 2,7 milhões de votos. O Podemos afirma-se como terceiro partido, com representação parlamentar em todas as autonomias onde houve eleições.

Estado espanhol: No 24-M começou a mudança

As urnas emanam uma mensagem inequívoca: fora o PP de todas as instituições, mas o Podemos e as CUP devem ser garantes do aprofundamento da mudança, até conseguir a rutura democrática e evitar que o PSOE articule uma regeneração cosmética dos velhos andaimes. Por Manuel Garí, Viento Sur.

Quem é Manuela Carmena e o que quer para Madrid

A candidata à Câmara de Madrid pela lista “Ahora Madrid”, Manuela Carmena é uma ex-juíza de 71 anos. O seu plano de governo inclui cinco medidas urgentes para os primeiros 100 dias: paralisar os despejos e a privatização de serviços públicos, garantir água e luz a todas as pessoas, garantir os serviços de saúde e desenvolver um plano urgente de emprego. Por Andrés Gil de eldiario.es

Chegou a primavera: reflexões de uma jornada histórica, por Pablo Iglesias

Acabou-se o inverno e chega uma primavera que nos levará a novembro. O terreno é-nos propício e à presença institucional somamos a experiência de combate. Toca a sair das trincheiras; restam poucos meses para a mudança. Artigo de Pablo Iglesias, secretário-geral do Podemos.

Barcelona, epicentro da mudança

Esse “sim, podemos” que durante meses ecoou nas praças e ruas após uma inesquecível Primavera Indignada de 2011 chega agora como um terramoto às instituições, algo inimaginável então. A vitória de Barcelona em Comum em Barcelona, com Ada Colau à frente, fez saltar pelos ares o tabuleiro político.

BNG conquista Pontevedra com resultado histórico

Nacionalistas galegos infligem pesada derrota aos conservadores do PP na cidade natal do primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy. BNG passa de 11 para 12 vereadores eleitos e o PP de 11 para 7.