Está aqui

João Fraga de Oliveira

Inspector do trabalho aposentado. Escreve com a grafia anterior ao “Acordo Ortográfico”

Artigos do Autor(a)

28 de Janeiro, 2021 - 11:17h

O teletrabalho, de momento em Portugal legalmente obrigatório, pode ser um instrumento organizativo e de gestão. Contudo, pode também ser um factor de riscos profissionais e isso não pode deixar de ser também ponderado e reflectido. E agido.

22 de Dezembro, 2020 - 12:52h

Segundo foi divulgado pela comunicação social e por entidades oficiais, a morte de um cidadão ucraniano está associada a métodos de trabalho integrando ofensas corporais e psicológicas utilizados por trabalhadores (inspectores) do quadro de pessoal do SEF.

15 de Novembro, 2020 - 12:08h

Para um cidadão comum que nenhuma especial qualificação tem no domínio da saúde, que reflexão e tranquilidade (ou inquietação) pode suscitar tal frase: “a saúde é um direito”?

30 de Outubro, 2020 - 14:50h

Todos os dias ouvimos proclamar a “transição digital”. E, mais ou menos associado, o anúncio (ou pelo menos prenúncio) do "fim do trabalho".

24 de Julho, 2020 - 17:35h

A não resultarem das reuniões da Concertação Social, “conselhos” económicos e sociais sobre (outra) posição dos trabalhadores nas relações de trabalho, então, é de admitir que o local de expressão desses “conselhos” venha a ser… a rua.

9 de Julho, 2020 - 23:13h

A AICCOPN propõe uma “plataforma electrónica para controlar a movimentação dos trabalhadores”. E, assume tal proposta não apenas como algo de ordem conjuntural mas, presume-se que com uma perspectiva mais estrutural, como “reforço importante para o futuro".

29 de Junho, 2020 - 20:35h

Os trabalhadores da construção civil são uma população que é, em decurso da natureza do seu trabalho e das condições em que o realiza, uma população que sempre esteve especialmente exposta ao risco covid.

7 de Maio, 2020 - 21:37h

Em Portugal, de há algumas dezenas de anos a esta parte, sobre o Trabalho e o Emprego, tem pairado um perverso “signo do D”: do desemprego à desregulamentação de direitos e desta à desregulação social, logo, à degradação das condições de trabalho.

3 de Abril, 2020 - 14:33h

Se “não é exigível o que não é razoável”, muito menos é exigível o que não é saudável e, menos ainda, incomensuravelmente, é exigível o que pode ser mortal.

11 de Março, 2020 - 10:45h

A generalização da recorrente rotulagem social de “baixas fraudulentas” (e, agora, até de “crime organizado”) de situações de incapacidade por doença para o trabalho por parte de trabalhadores por conta de outrem é que pode ser uma fraude.

Páginas