Está aqui

Cecília Honório

Dirigente do Bloco de Esquerda, professora.

Artigos do Autor(a)

6 de Março, 2014 - 17:11h

Se o "milagre económico" profetizado por meio governo está aí, como se explica que os cortes temporários e transitórios tenham passado a permanentes?

2 de Março, 2014 - 09:06h

Esta vaga populista das últimas décadas parasita com eficácia os equívocos e desilusões da democracia liberal. Por Cecília Honório.

22 de Fevereiro, 2014 - 01:13h

A proposta de referendo foi mais do que a birra de alguns jotas. Ela só pôde avançar, com a imposição de disciplina de voto na bancada do PSD, porque teve o dedo da direção máxima do partido para travar uma lei e utilizar direitos de crianças e famílias para uma chicana política.

13 de Fevereiro, 2014 - 18:27h

Há uma orientação do Governo que se mantém: a asfixia financeira e a ameaça sobre os profissionais. É assim com a RTP, é assim com a Lusa, onde o Estado é acionista maioritário.

4 de Dezembro, 2013 - 23:10h

Desmentido pelos dados do PISA na sua campanha sobre a falta de qualidade da Escola Pública, contraditado ainda pela luta dos professores na sua inútil prova para contratados, a porta de Crato só pode ser a da saída.

24 de Novembro, 2013 - 15:20h

Sem nos determos nos conhecidos frutos da deslocação de eixo de radicais, da esquerda para a direita, é no radicalismo ideológico desta direita que convém concentrar esforços. Artigo de Cecília Honório na revista Vírus

11 de Setembro, 2013 - 17:17h

Esta política radical de destruição do ensino público não pode continuar.

12 de Março, 2013 - 11:10h

Na semana passada trouxe o 1.º Ministro ao debate quinzenal, depois da manifestação de 2 de março. A mesma indiferença gelada de sempre perante a voz da rua e o mesmo radicalismo ideológico: o aumento do salário mínimo entendido como um bloqueio à criação de emprego (ao que o profeta- ministro sombra, António Borges, aplaudiu e entusiasmou-se: o melhor seria mesmo baixar todos os salários).

14 de Outubro, 2012 - 21:56h

Fuga do Conselho de Ministros deu à luz o assalto aos rendimentos do trabalho que é o Orçamento de Estado para 2013. Metástases de uma coligação. Passos Coelho não respondeu a Francisco Louçã se os ministros que aprovaram o OE o aplicarão.

11 de Outubro, 2012 - 17:55h

Dois dias depois de o Governo anunciar o maior aumento dos impostos da história da democracia, a preocupação de António José Seguro é o número de deputados. Não os impostos; não a espiral recessiva em que o Governo está a lançar o país, não o desemprego descontrolado, mas o número de deputados.

Páginas