Está aqui

Ana Bárbara Pedrosa

Doutorada em Literatura, investigadora, editora e linguista. Escreve com a grafia anterior ao acordo ortográfico de 1990.

Artigos do Autor(a)

19 de Julho, 2019 - 16:10h

O romance não foi censurado assim que foi publicado. É que, "como era feito por uma escritora”, os censores da PIDE nunca supuseram “que esta tivesse escrito com tanta realidade”.  O livro tem “um realismo tão cru e descrições de tal basévia e lubricidade que custa a crer terem sido escritas por uma mulher”. Por Ana Bárbara Pedrosa.

12 de Julho, 2019 - 15:55h

A PIDE censurou a obra “Famintos”, de Carmen de Figueiredo, considerando que esta se “refere a uma vida familiar romanceada, com descrição de acidentes trágicos, revelando caracteres mórbidos, aberrações sexuais e outras taras”. Por Ana Bárbara Pedrosa.

7 de Julho, 2019 - 15:38h

A Filha Devolvida é o terceiro romance de Donatella di Pietrantonio. Galardoado com o prémio Campiello, vendeu mais de 150 mil exemplares só em Itália. Por Ana Bárbara Pedrosa.

6 de Julho, 2019 - 17:39h

O problema do romance – ou talvez a sua maior benesse – é que a tensão se mantém para lá do fim. É que se sabe desde o início que o bebé morre, mas falta saber como. É essa procura que motiva o leitor, é isso que torna a leitura num caminho de cães com fome. Por Ana Bárbara Pedrosa.

5 de Julho, 2019 - 08:37h

"Casa sem pão" (1957) foi o segundo livro de Maria Archer proibido pela PIDE e deu azo não apenas ao processo mais longo sobre qualquer uma das suas obras, mas também ao processo mais longo que tratamos neste dossier. Por Ana Bárbara Pedrosa.

28 de Junho, 2019 - 17:31h

A PIDE censurou a obra "Ida e volta duma caixa de cigarros", de Maria Archer, considerando que este “não atingiu o alcance moral” e que a autora “compraz-se na volúpia do pormenor sensual”. Por Ana Bárbara Pedrosa.

21 de Junho, 2019 - 15:39h

Os números parecerão surpreendentes. É que foram muitas as obras que a PIDE tentou apagar da vida pública. Centenas? Milhares. E de escritoras portuguesas? Dezanove. Vamos descobrir quais. Por Ana Bárbara Pedrosa.

19 de Junho, 2019 - 14:24h

Aclamado pela crítica, este Em tudo havia beleza (Alfaguara, 2019), de Manuel Vilas, sensação literária de Espanha, prometia muito mais do que o que deu. Por Ana Bárbara Pedrosa.

4 de Junho, 2019 - 10:36h

O que comove e choca neste romance será, por isso, a perfeição cirúrgica com que o autor confronta os leitores com a honestidade, mostrando como, não raras vezes, é a ausência dela a única forma de alicerçar relações e fazê-las durar. Por Ana Bárbara Pedrosa.

7 de Maio, 2019 - 17:16h

A editora Ponto de Fuga acaba de fazer uma reedição da Antologia de Poesia Portuguesa Erótica e Satírica, organizada por Natália Correia em 1965. Lançada pela Afrodite de Ribeiro de Mello, a obra escandalizou o regime e foi censurada. A escritora, o editor e alguns dos poetas da colectânea foram processados e condenados.

Páginas