You are here

O regresso dos anos 1930?

Referindo-se aos “valores cristãos”, a nova Constituição retorna, de facto, à ditadura nacional-conservadora do Almirante Miklós Horthy (1919-1944). Por Hans-Peter Renk
Miklós Horthy

O governo húngaro de Viktor Orban assumiu em Janeiro de 2011 a presidência da União Europeia, com uma lei de imprensa autoritária (o Conselho de Imprensa foi monopolizado pelo FIDSZ, o partido de direita no poder). Outro fator inquietante: a existência do Jobbik, partido de extrema-direita anti-semita e anti-cigana : os seus grupos paramilitares aterrorizam a população cigana, com total impunidade.

Viktor Orban não se ficou por aqui e prosseguiu na“boa” senda. A 8 de Abril de 2011, o parlamento – 262 lugares lugares para o FIDESZ e para os democrata-cristãos, 44 para o Jobbik, 80 para os sociais-democratas e para os Verdes – aprovou uma nova constituição. O Jobbik votou contra este texto, já que a pena de morte não constava dele; os outros partidos boicotaram o escrutínio.

Referindo-se aos “valores cristãos”, esta Constituição retorna, de facto, à ditadura nacional-conservadora do Almirante Miklós Horthy (1919-1944). Com efeito, nela se diz que “a autodeterminação do Estado húngaro cessou a 19 de Março de 1944” (data da substituição de Horthy por Ferenc Salazsi, chefe dos Cruz de Flechas nazis) e foi restabelecida “a 2 de Maio de 1990” (sessão inaugural do primeiro Parlamento post-comunista”).

Eis algumas das cláusulas deste texto:

- O termo “República” – cuja proclamação (19459 foi contestada pela direita e pela hierarquia católica - é substituído por “Hungria”; o supremo tribunal retoma o nome (Cúria) que tinha antes de 1918;

- Estabelece-se a restrição do direito de voto para as “pessoas com capacidade mental limitada”;

- A intangibilidade da vida: a vida do feto deve ser protegida desde o momento da sua conceção” – o que faz prever o fim do direito ao aborto;

- A família é definida, no texto, como“a união de um homem e de uma mulher, sem referência ao casais em união-de-facto (hétero ou homossexuais) e às famílias monoparentais.

- O Estado “procurará assegurar a segurança social às pessoas que desenvolvam uma atividade útil à comunidade”;

- Um Conselho de Orçamento (monopolizado pelo FIDESZ) tem direito de veto sobre o orçamento votado pelo Parlamento. Nesse caso, o presidente da Republica – um amigo de Vicktor Orban – poderá dissolver o Parlamento.

- Uma revisão constitucional passa a exigir uma maioria de 2/3 dos deputados;

- Às minorias húngaras (Sérvia, Eslovaca, Cigana) é atribuída a nacionalidade húngara. As tensões com os países vizinhos serão pois, programadas.

A oposição será capaz de evitar esta viragem “total à direita”? Nada de mais incerto. Com efeito, a esquerda do governo desacreditou-se aplicando as políticas de austeridade “made in FMI”- que a direita denunciou a fim de chegar ao poder para melhor as aplicar ela mesma!

8 Maio 2011

Tradução de Natércia Coimbra para o Esquerda.net

http://www.europe-solidaire.org/spip.php?article21454

Comentários (2)

Resto dossier

Hungria – a extrema-direita no poder

A nova Constituição consagrou a Hungria sob o “signo de Deus”. O embrião é considerado um “ser humano” e só é reconhecido o casamento entre homem e mulher. A austeridade é decretada na lei, o imposto progressivo sobre o rendimento foi abolido e foi instaurada a taxa única, beneficiando os ricos enquanto os pobres são criminalizados.
Dossier organizado por Carlos Santos.

Hungria: No feriado do amor

A Hungria é o primeiro país da Europa a criminalizar e prender os pobres, usando coerção policial contra o, único, “crime” de se ser pobre. Artigo de Ferge Zsuzsa, professora de Sociologia, publicado em 24 de dezembro de 2011

Hungria: a tentação da teocracia neoliberal

O poder político húngaro esforça-se por instaurar um regime teocrático – a ordem social deveria ser, aos seus olhos, uma ordem moral judaico-cristã fundamentalista – que mistura nacionalismo, autoritarismo e neoliberalismo. Por Attila Jakab.

Contra Orbán, sim; com o estrangeiro, não!

Os cidadãos da Hungria não deram, nem podem dar, um mandato às potências ocidentais para estas mudarem a política do seu país. Impor a democracia por meios antidemocráticos com origem no exterior não se justifica e a experiência mostra que não é eficaz. Por Gáspár Miklós Tamás

A Hungria sob o signo de Deus, oficialmente...

Com a nova constituição que entrou em vigor a 1 de janeiro deste ano, o governo de Viktor Orbán tenta impor uma capa de chumbo ideológico a um país que ele teme que lhe escape... No entanto, tem poucas hipóteses de sucesso. Por Corentin Léotard do site hu-lala.org

Bem vindo ao Orbanistão!

Uma pergunta lancinante é repetidamente feita nos debates: Como é que o melhor aluno do bloco comunista, a mais promissora democracia jovem dos anos 90, pôde mudar hoje para o autoritarismo? Por Vincze Szabo.

A queda da Terceira República Húngara 1989-2011

Desde o dia de Ano Novo, a Hungria já não é oficialmente uma república. A nova constituição erige-se como a base para uma revisão por atacado do sistema judicial, da regulação dos meios de comunicação, das leis do emprego, da educação e do sistema eleitoral. Por Carl Rowlands.

A Terceira Onda – A Nova Constituição da Hungria

Neste texto, o Instituto de Política Eotvos Karoly, a União Húngara para as Liberdades Civis (UHLC) e o Comité Helsinki Húngaro (CHH) analisam a nova “Lei Fundamental” da Hungria, considerando que “põe em causa a competição política democrática”, “diminui o nível de proteção dos direitos fundamentais” e salienta que “a adoção da Lei Fundamental será apenas o início de processo de construção, não o seu fim”.

O regresso dos anos 1930?

Referindo-se aos “valores cristãos”, a nova Constituição retorna, de facto, à ditadura nacional-conservadora do Almirante Miklós Horthy (1919-1944). Por Hans-Peter Renk

Vítimas húngaras das lamas vermelhas ganharam voz: “Vivemos numa prisão”

As famílias tiveram voz pela primeira vez num espaço que lhes foi proporcionado pela eurodeputada Marisa Matias no Parlamento Europeu e os seus relatos revelaram uma situação escabrosa numa União Europeia que se proclama, a todo o momento, campeã de direitos humanos.