You are here

Brasil: Horrores da ditadura militar revelados por torturador

Aos 76 anos e sem mostrar o menor arrependimento, o coronel reformado Paulo Malhães admitiu que torturou, assassinou e desfigurou cadáveres de militantes numa “Casa da Morte” clandestina criada pelos órgãos da repressão em Petrópolis, Rio de Janeiro.
Malhães admitiu tortura, assassinato e desfiguração de cadáveres. Foto de Fotos Públicas

No dia 25 de março deste ano, o coronel reformado Paulo Malhães compareceu a uma audiência pública da Comissão Nacional da Verdade (CNV) e, num depoimento que durou mais de duas horas, confirmou que torturou, matou e ocultou cadáveres de presos políticos da ditadura militar.

A Casa da Morte de Petrópolis

Foi a primeira vez que um ex-agente da repressão confirmou a existência e o funcionamento da Casa da Morte de Petrópolis. Até o momento, sabia-se do sinistro centro de torturas pelo depoimento da sua única sobrevivente, Inês Etienne Romeu.

A casa era identificada pelos militares pelo nome de 'Codão' e foi montada após a ordem do então ministro do Exército Orlando Geisel ao Centro de Informações do Exterior (CIEx) de que todos os presos políticos banidos anteriormente do país deveriam ser executados se capturados novamente em território brasileiro. O primeiro preso a ter morrido na casa provavelmente foi Carlos Alberto Soares de Freitas, um dirigente da VAR-Palmares desaparecido em fevereiro de 1971. O número total de mortos nela é até hoje desconhecido, sabendo-se dos nomes de 22 militantes.

Parecido com Saddam Hussein

Desde que a CNV foi criada, em maio de 2012, apenas quatro agentes da ditadura tinham aceitado depor em audiência pública, e apenas dois haviam confirmado a prática, ou a existência, de tortura.

Malhães foi o quinto a depor e o primeiro a admitir a participação em tantos crimes.

"Como faço com tudo na vida, eu dei o melhor de mim naquela função", disse Malhães ao começar o depoimento. Chama a atenção a flagrante semelhança entre o torturador brasileiro e Saddam Hussein. Malhães admitiu ter torturado "uma quantidade razoável" de pessoas, ter matado “alguns” e confirmou ter mutilado corpos para impedir sua identificação caso fossem encontrados.

Dentes eram quebrados e o topo dos dedos, cortados

'Eu cumpri meu dever. Não me arrependo', disse. "Naquela época não existia DNA. Quais são as partes que podem identificar um corpo? Arcada dentária e digitais", afirmou, explicando que portanto os dentes eram quebrados e o topo dos dedos, cortados.

"Eu cumpri o meu dever. Não me arrependo", sublinhou.

Diante de fotografias de pessoas que, acredita-se, foram assassinados ou desapareceram depois de passar pela Casa da Morte, o torturador disse: "Essas pessoas que vocês estão citando eram guerrilheiros, eram luta armada, não eram pessoas normais. Não foram presos porque jogavam bolinha de gude ou soltavam pipa."

Argumentou que hoje as pessoas não conseguem entender quais eram os problemas enfrentados, e que a verdade precisa ser "informada".

"Quantos morreram? Tantos quanto foram necessários."

Foi um exibicionista

Terminado o depoimento, o advogado José Carlos Dias ressaltou a sua importância, principalmente por Malhães ter sido uma figura de alto escalão no regime militar.

"Acima dele, todos os degraus naturalmente tinham conhecimento da tortura. Era uma política de estado, usada para combater os que se opunham ao regime."

Segundo Dias, poucas vezes o Brasil teve uma confissão como esta, com um torturador não apenas admitindo mas também justificando a prática de torturar aqueles que considerava o inimigo.

"Mas eu não diria que ele foi corajoso. Acho até que ele foi um exibicionista, mostrando todo esse caráter mórbido que está presente no caráter dele."

(...)

Resto dossier

50 anos do golpe militar no Brasil

O golpe de Estado que derrubou o governo de João Goulart no Brasil faz 50 anos. A ditadura militar instaurada em 1964 e endurecida em 1968 mergulharia o país no período mais sombrio da sua história recente. Dossier coordenado por Luis Leiria.

O golpe de 1964 e a instauração do regime militar

A falta de reação do governo de João Goulart e dos grupos que lhe davam apoio foi notável. Sem conseguir articular os militares legalistas e desistindo do confronto, Jango exilou-se no Uruguai. Por Celso Castro, artigo publicado no site do CPDOC da Fundação Getúlio Vargas

Cronologia: os principais acontecimentos até ao golpe

A renúncia de Jânio Quadros, a instauração do parlamentarismo, a posse de João Goulart, o comício da Central do Brasil, a marcha da Família com Deus e pela Dignidade: antecedentes do golpe.

O golpe contrarrevolucionário de 1964: ontem como hoje

A discussão sobre o sentido profundo do golpe militar de 1964, quando cumpre meio século, constitui indiscutivelmente caminho seguro para o melhor entendimento dos dias atuais. Por Mário Maestri, Correio da Cidadania.

A verdade e a impunidade

Aos 50 anos do golpe que derrubou o governo de João Goulart, a verdade sobre o que aconteceu no país começa, aos poucos, a se desenterrar. Por Eric Nepomuceno, Página/12

O golpe de 1964 como uma ação de classe: uma polémica com certas tendências da historiografia brasileira

Um grande negócio para o grande capital, é como se pode sintetizar a ditadura de 1964 a partir de sua história. Mas as visões relativizadoras do golpe e da ditadura procuraram deslocar a sua explicação da problemática do capitalismo. Por Demian Melo

“AI-5 foi luz verde para a tortura”

Quatro anos depois do golpe militar, em dezembro de 1968, ocorreu o endurecimento da ditadura para enfrentar a crescente mobilização popular: é editado o Ato Institucional nº 5, que constitui uma espécie de “golpe dentro do golpe”. O jornalista Cid Benjamin, autor do livro “Gracias a la vida: Memórias de um militante”, descreve o contexto e analisa as consequências do AI-5. Por Vivian Virissimo, Brasil de Fato

Repressão e tortura na ditadura militar

Os métodos de tortura utilizados pelo regime militar eram tão cruéis que levavam à morte os torturados ou deixavam-nos loucos. Por Mateus Ramos, Adital

Brasil: Horrores da ditadura militar revelados por torturador

Aos 76 anos e sem mostrar o menor arrependimento, o coronel reformado Paulo Malhães admitiu que torturou, assassinou e desfigurou cadáveres de militantes numa “Casa da Morte” clandestina criada pelos órgãos da repressão em Petrópolis, Rio de Janeiro.

Um promotor brasileiro apresenta indícios do assassinato do presidente João Goulart no exílio

Presidente deposto pelo golpe militar de 1964 morreu em 1976, na Argentina, oficialmente de enfarte; mas suspeita-se que tenha sido vítima de envenenamento praticado no quadro da Operação Condor. Por Alejandro Rebossio, El País

Kennedy discutiu ação militar para derrubar governo brasileiro

“Acha aconselhável que façamos uma intervenção militar?”, perguntou John Kennedy, 46 dias antes de ser assassinado, numa conversa com Lincoln Gordon, o embaixador americano no Brasil.  

Multinacionais alemãs beneficiaram-se do golpe de 1964

Mercedes, Volkswagen, Bayer, Siemens e Mannesman foram algumas das empresas que financiaram e se beneficiaram com a ditadura. Por Américo Gomes, da Comissão de Presos e Perseguidos Políticos da Ex-Convergência Socialista.

Os média que abraçaram a ditadura do Brasil não fazem “mea culpa”, fazem publicidade

A oposição feroz entre os grandes grupos de comunicação e a censura na ditadura militar é só a imagem que os grandes meios de comunicação querem projetar de si mesmos. Por Caio Hornstein, Carta Maior

As esquerdas e a ditadura militar brasileira

Brevíssimas reflexões sobre as esquerdas brasileiras, nos 21 anos de ditadura militar (1964-1985). Por Carlos Vianna.

Documentários e filmes sobre a ditadura brasileira

Veja uma seleção de documentários e filmes de ficção sobre o golpe e a ditadura militar brasileira.