Está aqui

Reforçar a autonomia do Poder Local Democrático colocando-o ao serviço das populações

O Bloco de Esquerda apresentou várias propostas para a melhoria do Orçamento de Estado, a nível do poder local.
João Vasconcelos. Foto Paulete Matos.

Durante o processo de discussão na especialidade do Orçamento de Estado para 2018, o Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda introduziu um conjunto de propostas e de alterações nas diversas áreas, tentando melhorá-lo numa ótica de recuperação de rendimentos e de melhoria das condições de vida para o povo português.

No âmbito do poder local este Orçamento de Estado prossegue a mesma trajetória traçada para os dois últimos Orçamentos, ao contrário dos Orçamentos do Governo PSD/CDS que tão duramente atacou o Poder Local Democrático. Recorde-se que das medidas mais gravosas e que ainda hoje se repercutem de forma negativa, são de destacar a mutilação da Lei das Finanças Locais em que são subtraídos às autarquias cerca de mil e quinhentos milhões de euros, e a extinção de mais de um milhar de freguesias a nível nacional, mediante a imposição da famigerada “lei Relvas” – a chamada Reorganização Administrativa Territorial Autárquica.

São de relevar algumas medidas positivas como a continuação da reposição da autonomia administrativa e financeira, eliminando diversos constrangimentos, a reposição das progressões na carreira dos trabalhadores da administração pública, incluindo no setor local, a procura da correção das desigualdades nas remunerações dos seus trabalhadores e reposição de direitos dos trabalhadores do setor empresarial local. Este Orçamento também aponta para a regularização dos vínculos precários no poder local, no âmbito do combate à precariedade (PREVPAP).

Um dos aspetos negativos que constam no Orçamento para 2018 prende-se com o ainda não cumprimento da Lei das Finanças Locais, em que se verifica um ligeiro aumento de 1,5% para as autarquias (apenas mais 37 milhões de euros para as Câmaras Municipais e 6 milhões para as Freguesias). É incompreensível e lesivo das finanças municipais que o governo volte a não cumprir a Lei das Fianças Locais. É certo que não atinge os cortes drásticos praticados pelo anterior governo, mas tal não devia acontecer.

Se há uma aposta no crescimento do PIB, então é preciso que haja mais investimento público e não a subserviência a um défice mínimo como o governo teima em prosseguir. A redução de 74 milhões de euros para os Municípios levará a menos investimento municipal, são apoios sociais que continuam a ser retirados às famílias, significa menos qualidade de vida para as populações.

Entre as várias propostas que o Bloco de Esquerda apresentou para a melhoria do Orçamento de Estado, a nível do poder local, esperando que muitos sejam aprovados, são de relevar:

- as exceções aos limites de endividamento por parte dos Municípios quando se trate de empréstimos municipais para a realização de operações de reabilitação urbana.

- o termo imediato da aplicação do plano de saneamento financeiro ou de reequilíbrio financeiro, se dentro dos limites da dívida, não só para o Plano de Apoio à Economia Local (PAEL), como propõe o governo, mas também contemplando o Fundo de Apoio Municipal (FAM) e não só para o ano de 2018. Trata-se de uma proposta de elementar justiça e que impede a discriminação dos munícipes, cujas autarquias tenham recorrido a estes programas (que implica ter os impostos municipais à taxa máxima).

- o reforço das despesas urgentes e inadiáveis a efetuar pelos municípios quando resultantes de incêndios ou catástrofes, alargando o regime de diferenciação por tamanho do respetivo município e número de habitantes. As tragédias ocorridas recentemente com os incêndios florestais reforçam a necessidade do reforço das despesas em causa.

- as exceções aos limites de endividamento quando se verifique pagamentos a concessionários ou co-contraentes ao abrigo de decisão judicial ou arbitral, de resgate de contrato de concessão ou de rescisão contratual. A proposta do governo restringe esta opção apenas à figura da concessão, quando se sabe que os Municípios utilizam outras formas de externalização de atividades e financiamentos, nomeadamente parcerias público privadas e contratos de arrendamento com opção de compra.

- as exceções aos limites de endividamento municipal com empréstimos destinados a investimentos no âmbito do Plano Estratégico para os Resíduos Urbanos (PERSU 2020) e do Plano Estratégico de Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais (PENSAAR), efetuados por municípios ou associações de municípios no âmbito da exploração e gestão de sistemas municipais agregados ou intermunicipais.

- a integração de trabalhadores nos municípios do setor empresarial local, quer a internalização decorra de imperativo legal, quer decorra da decisão dos órgãos municipais. Refira-se que a integração dos trabalhadores do setor empresarial local decorre de obrigações do Direito da União Europeia.

- a possibilidade da Assembleia Municipal poder estabelecer diferentes percentagens de participação variável no IRS, diferenciadas em função da taxa geral aplicada, respeitando os princípios da capacidade contributiva e da progressividade. Os municípios poderão assim prescindir da sua participação variável no IRS tendo em conta o princípio da progressividade.

- a redução da taxa máxima de IMI para a habitação própria e permanente. Trata-se de proteger este tipo de habitação, aplicando uma taxa diferenciada, mais reduzida, em comparação com a tributação dos outros prédios.

- o reforço de uma verba de 800 mil euros para apoiar municípios com vista a fazerem 20 mil esterilizações para uma nova política de não abate. É preciso dar cumprimento ao objetivo da Lei n.º 27/2016, de 23 de agosto, que aprovou medidas para a criação de uma rede de centros de recolha oficial de animais e que proíbe o abate de animais errantes como forma de controlo da população. É sabido que muitas Câmara Municipais não dispõem de centros legalizados, limitando assim o alcance da medida.

Sobre o/a autor(a)

Deputado do Bloco de Esquerda, eleito pelo círculo de Faro e Vereador na Câmara de Portimão. Professor. Mestre em História Contemporânea.
(...)

Resto dossier

Orçamento do Estado para 2018

O terceiro Orçamento do Estado desta legislatura foi aprovado com os votos da esquerda parlamentar e prossegue a trajetória de recuperação de rendimentos e reposição dos cortes do anterior governo. A cedência do PS ao lóbi da energia marcou pela negativa o debate orçamental. Dossier organizado por Luís Branco.

Bloco condena “cambalhota triste” do PS sobre cortes nas rendas excessivas

Depois de ter aprovado a contribuição sobre as energias renováveis na sexta-feira, o PS mudou de posição e chumbou a mesma proposta na votação final. “Faltaram nervos de aço ao governo para enfrentar a pressão do lóbi da energia”, afirmou Jorge Costa.

Afinal como vão ficar os recibos verdes?

Depois do recuo do governo em relação às mudanças no regime simplificado, os Precários Inflexíveis resumem o que está em cima da mesa na votação final do Orçamento.

Propostas do Bloco aprovadas no terceiro dia de debate e votação na especialidade

Na sexta-feira, o parlamento aprovou mais quatro propostas do Bloco, incluindo a dos cortes nas rendas excessivas às elétricas que o PS acabou por chumbar esta segunda-feira.

 

Propostas do Bloco aprovadas no segundo dia de debate e votação na especialidade

No segundo dia de votações na especialidade do OE 2018, o Bloco aprovou a subida da derrama para empresas com lucro acima dos 35 milhões de euros, bem como a expansão de Salas de Atendimento a Vítimas de Violência Doméstica, a redução do número de alunos por turma no ensino básico e a expansão da gratuitidade dos manuais escolares. 

Alterações ao IRS beneficiam rendimentos até 40 mil euros/ano

O Orçamento do Estado para 2018 continua a reverter o brutal aumento de impostos do governo PSD/CDS, com mais progressividade e alívio fiscal para quem trabalha. Na discussão da especialidade, o Bloco foi mais longe e viu aprovadas outras medidas de justiça fiscal e transparência orçamental.

Propostas do Bloco aprovadas no primeiro dia de debate e votação na especialidade

Conheça as dez propostas do Bloco aprovadas no primeiro dia do debate orçamental na especialidade.

Orçamento, dia 1: avanços e impasses

No primeiro dia do debate da especialidade do Orçamento foram aprovadas três propostas bloquistas de especial relevância na área da segurança social e do combate à pobreza e à desigualdade e foram rejeitadas duas que fariam justiça a várias gerações.

PCP, PS, PSD e CDS mantêm isenção de IVA para touradas

No segundo dia de votações na especialidade do Orçamento do Estado para 2018, os restantes partidos com assento na Comissão de Finanças uniram-se contra a proposta do Bloco que terminava a isenção do IVA para as touradas. 

“Para nós, palavra dada é mesmo palavra honrada”

Mariana Mortágua interveio no encerramento do debate orçamental para sublinhar que no combate às rendas excessivas “nada justifica o volte face do Partido Socialista a não ser a subserviência de sempre ao poder das elétricas”.

Bloco apresenta uma centena de propostas na especialidade

O fim das cativações em organismos de saúde, um novo corte nas rendas da energia e a redução do número de alunos por turma são algumas das medidas que deverão ser aprovadas na votação final do Orçamento do Estado para 2018.

Complemento de pensão traz “justiça para os lesados de Pedro Mota Soares”

O Bloco de Esquerda negociou com o governo a criação de um complemento de pensão que retire da miséria os pensionistas com carreiras longas e que no fim do subsídio de desemprego foram empurrados para a reforma antecipada, sofrendo os cortes do anterior governo.

Fazer do Ensino Superior e da Ciência um Serviço Público, de novo

Na área do Ensino Superior e da Ciência, o processo de especialidade do OE representa uma real oportunidade para responder àquilo que o Ministério que a tutela não teve coragem de resolver.

Um Orçamento para responder às necessidades na Saúde

O Bloco de Esquerda propõe o fim das PPP, medidas de reforço de meios e de investimento na saúde, medidas para melhorar o acesso dos utentes aos cuidados de saúde e de valorização e dignificação das profissões da área da saúde.

Justiça: Propostas para o OE2018 na especialidade

A Justiça é um bem público essencial e o horizonte da consolidação de um Serviço Nacional de Justiça é o que se adequa do modelo de democracia avançada constitucionalmente consagrado. Estas propostas para o Orçamento de 2018 pretenderam ser escolhas sólidas nesse sentido.

Cultura: Propostas para o OE 2018 na especialidade

Quando se afirma que o desenvolvimento tem de assentar em conhecimento e qualificação e se apresenta tamanho défice de investimento em Cultura alguma coisa não bate certo.

Água mole em pedra dura - não bate nem fura

Os cerca de 2.142 milhões de euros para o Ministério do Ambiente não tocarão sequer na ponta do iceberg e nem sequer abrandarão as acentuadas transformações em curso.

“Ou queremos um país que respeita o trabalho ou queremos uma imensa Padaria Portuguesa”, apontou José Manuel Pureza na sua intervenção no parlamento - Foto de Miguel A. Lopes/Lusa

“O país pobre exige que as mudanças estruturais vão mais longe”

No debate do OE 2018, na generalidade, José Manuel Pureza afirmou que o Bloco vota favoravelmente o documento que “recupera rendimentos a começar pelos contribuintes mais atacados pelo Governo anterior” e apontou que as “mudanças estruturais” têm de ir mais longe.

Pedro Filipe Soares intervém no encerramento do debate do OE 2018 (na generalidade) - Foto de António Cotrim/Lusa

"Este é o orçamento do governo minoritário do PS, com medidas propostas pelo Bloco”

Na intervenção do Bloco de Esquerda no encerramento do debate do OE 2018, na generalidade, Pedro Filipe Soares criticou duramente PSD e CDS, salientando que continuam presos aos cortes e ao governo anterior.

Reforçar a autonomia do Poder Local Democrático colocando-o ao serviço das populações

O Bloco de Esquerda apresentou várias propostas para a melhoria do Orçamento de Estado, a nível do poder local.

"É o primeiro Orçamento em que não há cortes contra a Constituição”

Catarina Martins frisou que este é um "orçamento de normalidade", após anos de "cortes e malabarismos". A dirigente bloquista assinalou ainda as limitações do OE’2018, nomeadamente no que respeita à necessidade de mais investimento público.

Não chega chamá-los heróis

Respondemos com proposta concreta, no Orçamento de Estado para 2018, aos anseios dos bombeiros profissionais da administração local naquela que é uma reivindicação com mais de 20 anos e que governos sucessivos ignoraram ou desvalorizaram.

A deficiência ainda não foi uma prioridade

As propostas que apresentámos iriam ter consequências imediatas na vida de muitas pessoas com deficiência, melhorando a sua qualidade de vida. PS e PSD negaram-lhes essa melhoria de qualidade de vida inviabilizando-as.

O OE e as autonomias

A melhoria das condições de vida nas regiões autónomas nos últimos dois anos devem-se as medidas do OE de âmbito nacional e não às opções dos governos regionais.