Está aqui

PSOL faz balanço positivo da sua campanha

Apesar da baixa votação presidencial, partido conseguiu duplicar a sua bancada de deputados. Guilherme Boulos e Sônia Guajajara espalharam otimismo entre aqueles que apostam no surgimento de uma nova esquerda no Brasil.
Guilherme Boulos num comício de campanha. Foto Mídia Ninja
Guilherme Boulos num comício de campanha. Foto Mídia Ninja

O Diretório Nacional do PSOL aprovou, com cerca de 70% dos votos, uma avaliação e balanço das eleições 2018 em que afirma que, num cenário de grande derrota no país com a vitória do reacionário Jair Bolsonaro, o partido obteve expressiva vitória política a partir do papel cumprido por Guilherme Boulos e Sonia Guajajara na campanha presidencial, por ter duplicado a bancada de deputados federais e estaduais e superado a cláusula de barreira.

Pólo de esquerda socialista

No documento aprovado, o PSOL lembra que procurou, ao longo de todo o período em que se desenvolve a crise, trabalhar pela afirmação de um pólo de esquerda socialista capaz de apontar uma saída em favor dos trabalhadores e trabalhadoras brasileiras. “Para isso, trabalhamos em frente única sempre que a democracia e os direitos estiveram ameaçados: no golpe parlamentar de 2016, na luta contra as reformas de Temer, na defesa das liberdades políticas do ex-presidente Lula, no apoio à greve dos caminhoneiros e na denúncia da violência política”.

No entanto, no terreno eleitoral, o PSOL compreendeu “que seria necessário apresentar uma chapa presidencial que expressasse a superação do projeto de conciliação de classes liderado pelo Partido dos Trabalhadores e seus aliados, e plantasse, sem alimentar o sectarismo antipetista, as sementes de um novo ciclo para a esquerda.”

Nasceu assim a candidatura de Guilherme Boulos e Sônia Guajajara – a primeira liderança indígena a compor uma chapa presidencial em 518 anos de história –, que representou uma ampliação do PSOL nos seus esforços de construção de um novo campo na direção dos movimentos sociais.

Compuseram a aliança eleitoral o PCB, o MTST, a APIB, a Mídia Ninja, movimentos sociais que compõem a frente Povo Sem Medo – como a Intersindical, o Círculo Palmarino, a Unidade Classista, as juventudes RUA, Manifesta, UJC, Juntos e Afronte, além de artistas e intelectuais.

Os primeiros a denunciar a ameaça representada por Bolsonaro

Apesar de todas as dificuldades, diz o balanço aprovado, “estamos seguros de que fizemos uma campanha de esperança. Espalhamos otimismo entre aqueles que apostam no surgimento de uma nova esquerda no Brasil. Por onde passaram, Boulos e Sônia defenderam a superação das experiências do passado e afirmaram a necessidade de uma nova forma de fazer política, de baixo pra cima, com radicalidade e disposição para lutar. Denunciaram os retrocessos de Temer e seus ‘50 tons’ nos debates de TV, evidenciando os vínculos entre o presidente golpista e a maioria dos candidatos que disputavam a eleição. E, principalmente, fomos os primeiros – e por algum tempo, os únicos – a denunciar a ameaça então representada por Jair Bolsonaro.”

Voto útil prejudicou votação presidencial mas número de deputados duplicou

O documento aprovado considera que, apesar de ter sido profundamente afetada pelo “voto útil”, o resultado da eleição presidencial no primeiro turno (0,58% dos votos, o mais baixo desempenho do partido em candidaturas presidenciais) deve ser comemorada. “O medo de uma vitória de Bolsonaro deu qualidade nova a este fenómeno recorrente nas eleições. Muitos apoiadores de Boulos e Sônia migraram para Haddad ou Ciro nas duas últimas semanas, mesmo declarando que nossa candidatura representava o programa e as mudanças que desejavam.”

O desempenho eleitoral fica mais claro quando se verifica que nas candidaturas a deputado federal, o PSOL duplicou a bancada, reelegendo os cinco deputados que se recandidataram e elegendo outros cinco. Os dez deputados que formarão a nova bancada do PSOL têm ainda uma composição paritária: 50% são mulheres.

Com este resultado, o PSOL pôde também superar a cláusula de barreira, que pela primeira vez entrou em vigor, que poria em causa a legalidade do partido se não fosse superada. Esta barreira não foi superada nem pelo PC do B, nem pela Rede de Marina Silva.

Amplo movimento de resistência popular

Findas as eleições, o PSOL decidiu trabalhar para manter unida a aliança social e política que forjou com os atores que sustentaram a candidatura de Guilherme Boulos e Sônia Guajajara.

“Como aliança, atuaremos para criar um amplo movimento de resistência popular junto com outros movimentos sociais organizados e todos os setores que quiserem lutar pela democracia, direitos sociais, humanos. Na Câmara dos Deputados continuaremos a atuar de forma independente, mas contribuindo para a formação de uma frente democrática de oposição a Bolsonaro e impedir o projeto de destruição dos direitos sociais e humanos. Na organização partidária, reforçaremos as medidas de segurança para fazer frente a violência política disseminado pelos apoiadores de Bolsonaro contra dirigentes e militantes do partido e a da aliança que mantemos com o MTST e a APIB.”

Leia aqui o documento na íntegra

(...)

Resto dossier

Jair Bolsonaro. Foto de Marcelo Camargo - Agência Brasil

O Brasil depois da eleição de Bolsonaro

A menos de um mês da posse do ultradireitista Jair Bolsonaro na Presidência da República do Brasil, oferecemos neste dossier do Esquerda.net um painel que procura refletir o que se diz na esquerda brasileira sobre o resultado até certo ponto inesperado das eleições presidenciais. Dossier organizado por Luis Leiria.

Fernando Haddad. Foto Wilson Dias - Agência Brasil

Em entrevista, Haddad destaca que militará na resistência democrática

Candidato do PT à presidência nas eleições de 2018, Haddad reafirmou que seguirá na luta em defesa dos direitos sociais e civis.

Guilherme Boulos em entrevista à rádio CBN durante a campanha. Foto de Mídia Ninja

Guilherme Boulos: Saímos das eleições com sensação de missão cumprida

O coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e candidato à Presidência da República pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) afirma que ele e a sua vice, Sônia Guajajara, saíram do processo eleitoral com mais dignidade do que entraram. Por Leonardo Fernandes e Nina Fideles, Brasil de Fato

Jair Bolsonaro, Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal e Michel Temer, ainda Presidente da República, em sessão no Congresso do Brasil - novembro de 2018

Derrota da democracia no Brasil

Como entender a vitória de um homem que, em seu discurso de campanha em São Paulo, via internet, proclamou em alto e bom som que, se eleito, seus opositores deveriam sair do país ou iriam para a prisão? Por Frei Betto

Cartaz de manifestação pró-Bolsonaro. Foto de Editorial J

Perigo de “inverno siberiano” foi subestimado

Um governo de extrema direita com elementos neofascistas tomará posse em janeiro. Bolsonaro já disse ao que veio. Já declarou que pretende ilegalizar o MST e o MTST. Advertiu as direções do PT e Psol e, pelo nome, avisou que o primeiro alvo será Guilherme Boulos. Merece ser levado a sério. Por Valério Arcary.

Autoritário, ultraliberal e sob tutela militar, governo Bolsonaro viverá turbulências

O governo de Jair Bolsonaro tem uma força inicial importante. Será o sucesso ou fracasso das suas iniciativas no terreno da política económica e social que determinará a sua força definitiva, defende o cientista político José Correa Leite nesta entrevista ao Correio da Cidadania, conduzida por Gabriel Brito.

Ruy Fausto. Foto de Renato Parada/Divulgação

'Burocracia do PT vive do mito Lula. Se houver sucessor, ela morre'

Para o filósofo Ruy Fausto, a tentativa de candidatar Lula foi um erro do PT, porque ele era o símbolo da continuidade, uma bandeira perigosa. “O mote “Haddad = Lula” foi uma faca de dois gumes, um verdadeiro bumerangue, que levou votos a Haddad por parte dos admiradores de Lula, mas tirou os de todos aqueles que o rejeitavam”. Por Marina Gama Cubas, Carta Capital.

Vladimir Safatle

Da arte de desaparecer

Regressão que o Brasil vive é segundo capítulo de história iniciada na ditadura. Por Vladimir Safatle.

Bolsonaro dialogou com várias lideranças do seguimento evangélico desde que deu início à sua campanha há alguns anos atrás.

Foram os evangélicos que elegeram Bolsonaro?

Afirmar que a responsabilidade da vitória de Bolsonaro foi dos evangélicos pode ser cómodo e até mesmo prático, mas está longe de ser útil enquanto análise social. Por Alexandre Brasil Fonseca, sociólogo, professor associado da UFRJ.

Guilherme Boulos num comício de campanha. Foto Mídia Ninja

PSOL faz balanço positivo da sua campanha

Apesar da baixa votação presidencial, partido conseguiu duplicar a sua bancada de deputados. Guilherme Boulos e Sônia Guajajara espalharam otimismo entre aqueles que apostam no surgimento de uma nova esquerda no Brasil.

Na primeira entrevista que deu ao Jornal Nacional, após as eleições, atacou o líder do MTST e a “cúpula do PT e do PSOL”. Foto: Mídia Ninja

Mexeu com Guilherme Boulos, mexeu com todos nós

A tentativa de criminalizar PSOL, MTST e MST, assim como os ataques contra universidades e professores, tentam minar a construção da resistência popula. A defesa de Boulos deve ser um compromisso de todo o campo democrático (no Brasil e em todo o mundo) e uma pauta permanente nas nossas bandeiras e ações. Por Esquerda online.

Boulos: O ministério de Bolsonaro é um show de horrores

O candidato que prometia "mudar tudo o que está aí" cede às barganhas fisiológicas dos partidos e entrega nacos do Estado a interesses corporativos. Artigo de Guilherme Boulos, dirigente do MTST e ex-candidato presidencial.