Está aqui

Em entrevista, Haddad destaca que militará na resistência democrática

Candidato do PT à presidência nas eleições de 2018, Haddad reafirmou que seguirá na luta em defesa dos direitos sociais e civis.
Fernando Haddad. Foto Wilson Dias - Agência Brasil

Em entrevista à jornalista Mônica Bergamo (Folha de São Paulo, 26/11), o ex-prefeito e ex-candidato à Presidência da República pelo PT, Fernando Haddad, destaca que a extrema-direita no País buscou e conquistou mais espaço na política brasileira nesta eleição. Haddad, entretanto, afirma que militará em defesa dos direitos sociais e civis, na resistência democrática contra os retrocessos patrocinados pelo Consórcio Temer/Bolsonaro. A luta, de todos, é contra o autoritarismo que deve crescer e ameaçar o Estado Democrático de Direito.

Leia a entrevista completa:

Fernando Haddad (PT-SP) diz que há dois anos previa que a “extrema-direita” teria espaço na política nacional. Afirma que errou em uma previsão: a de que João Doria (PSDB-SP) lideraria esse campo como um “PSDB bolsonarizado”. Em sua primeira entrevista desde a eleição, Haddad afirma que não pretende dirigir o PT nem sua fundação, mas que militará pela formação de frentes em defesa dos direitos sociais e civis. Para ele, a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) mostrou que o país vive num sistema híbrido, em que o autoritarismo cresce dentro das instituições democráticas.

O resultado das eleições deste ano já foi definido como tsunami, implosão do sistema. Qual é a sua visão, de quem foi o derrotado?

– [sorrindo] Antes de mim tiveram uns 12 [derrotados], né?

O senhor personificou a derrota.

– Há dois anos, eu te dei uma entrevista. E talvez tenha sido um dos primeiros a dizer: “É muito provável que a extrema-direita tenha espaço na cena política nacional”. Eu dizia: “Existe uma onda que tem a ver com a crise [económica] de 2008, que é a crise do neoliberalismo, provocada pela desregulamentação financeira de um lado e pela descentralização das atividades industriais do Ocidente para o leste asiático”. Os EUA estavam perdendo plantas industrias para a China. E a resposta foi [a eleição de Donald] Trump. Isso abriria espaço para a extrema-direita no mundo. Mas a extrema-direita dos EUA não tem nada a ver com a brasileira. Trump é tão regressivo quanto o Bolsonaro. Mas não é, do ponto de vista económico, neoliberal. E o chamado Trump dos trópicos [Bolsonaro] é neoliberal.

Trump é tão regressivo quanto o Bolsonaro. Mas não é, do ponto de vista económico, neoliberal. E o chamado Trump dos trópicos [Bolsonaro] é neoliberal.

Trump apoia Bolsonaro.

– Ele precisa que nós sejamos neoliberais para retomar o protagonismo no mundo, e tirar a China. Está havendo, portanto, um quiproquó: os EUA negam o neoliberalismo enquanto não nos resta outra alternativa a não ser adotá-lo.

E por quê?

– A crise mundial acarretou a desaceleração do crescimento latino-americano e a consequente crise fiscal. No continente todo houve a ascensão de governos de direita —no caso do Brasil, de extrema-direita.

Por que o centro político não conseguiu responder a essa crise?

– Eu imaginava [há dois anos] que o [João] Doria, que é essencialmente o Bolsonaro, fosse ser essa figura [que se elegeria presidente]. Achava que a elite económica não abriria mão do verniz que sempre fez parte da história do Brasil. As classes dirigentes nunca quiseram parecer ao mundo o que de facto são.

O quê?

– O Bolsonaro. Já o Doria seria um PSDB bolsonarizado, mas com aparência tucana. Eu apostava nele.

E por que não no Lula?

– Eu já fazia a ressalva: “Eu não sei o que vão fazer com o Lula”. Está claríssimo que, se não tivessem condenado o Lula num processo frágil, que nenhum jurista sério reconhece como robusto, ele teria ganhado a eleição. Eu fiz 45% dos votos [no segundo turno]. Ele teria feito mais de 50%.

Mas isso inverte todo o seu raciocínio sobre a ascensão da direita.

– O Lula tem um significado histórico profundo. Saiu das entranhas da pobreza, chegou à Presidência e deixou o maior legado reconhecido nesse país. Ele teria força para conter essa onda.

Fernando Haddad e Lula. "Se não tivessem condenado Lula, ele teria ganho a eleição". Foto de Henrique Bonay, wikimedia commons
Fernando Haddad e Lula. "Se não tivessem condenado Lula, ele teria ganho a eleição". Foto de Henrique Bonay, wikimedia commons.

Eu dizia: “Tem que ver se vão deixar o Lula concorrer e como o Ciro vai se posicionar”. O Lula foi preso e o Ciro não soube fazer a coalizão que o levaria à vitoria, que só poderia ser uma coalizão com o PT.

Ele diz que foi traído miseravelmente pelo partido.

– Ele não quis fazer [a coalizão]. Uma das razões foi declarada pelo [filósofo Roberto] Mangabeira [Unger, aliado de Ciro] nesta casa. Ele dizia: “Nós não queremos ser os continuadores do lulismo. Não queremos receber o bastão do Lula. Nós queremos correr em raia própria”. Palavras dele. Eles não queriam ser vistos como a continuidade do que julgavam decadente. Apostavam que, com Lula preso, o PT não teria voto a transferir. Aconteceu exatamente o oposto.

Mas o Lula estava disposto a passar o bastão?

– Sempre depende dos termos da conversa, que não aconteceu.

Ciro diz que sim e que até foi convidado para fazer o papel lamentável que o senhor fez.

– Não houve uma reunião entre o Ciro e o Lula. No final, [quando ficou claro que Lula não poderia concorrer], ele foi sondado por mim e por todos os governadores do PT. Eu sou amigo, gosto do Ciro. Mas ele errou no diagnóstico. E pode voltar a errar se entender que isolar o PT é a solução para o seu projeto pessoal.

Haddad com Ciro em 2016. Dois anos depois, Haddad diz que não conseguiu falar com o candidato do PDT. Foto de Paulo Pinto/Agencia PT
Haddad com Ciro em 2016. Dois anos depois, Haddad diz que não conseguiu falar com o candidato do PDT. Foto de Paulo Pinto/Agencia PT.

O PT elegeu uma bancada expressiva, quatro governadores, fez 45% dos votos no segundo turno, 29% no primeiro. É até hoje o partido de centro-esquerda mais importante da história do país.

Outras legendas repetem que o PT não abre mão da hegemonia.

– O PT é um player no sentido pleno da palavra. É um jogador de alta patente, que sabe fazer política. Sabe entrar em campo e defender o seu legado.

O senhor disse em 2016 que o PT não teria mais a hegemonia da esquerda.

– O próprio Lula considerava o [então governador de PE] Eduardo Campos candidato natural para receber apoio do PT em 2018, se tivesse aceitado ser vice da Dilma [em 2014].

Todos dizem que não confiam no PT.

– Política é feita de confiança. E de risco, né?

O PT é o mais forte partido de centro-esquerda. Ao mesmo tempo, sofre rejeição que daria a ele pouca perspetiva de vitória.

– Aí entramos nas questões circunstanciais da eleição, com episódios importantes. O atentado [contra Bolsonaro] deu a ele uma visibilidade maior do que a soma de todos os outros candidatos. Houve efetivamente intensa mobilização de recursos não contabilizados para [financiar] o disparo de notícias falsas sobre mim. Houve a ausência do Bolsonaro nos debates. E eu penso que teria sido importante que os democratas tivessem se unido no segundo turno.

O que aconteceu?

– Olha, eu não consegui falar com o Ciro até hoje. Sobre ele e o Fernando Henrique Cardoso [que também se recusou a dar apoio ao PT], eu diria, a favor deles: os dois tinham três governadores [em seus próprios partidos] disputando a eleição fazendo campanha para o Bolsonaro. O PDT [de Ciro] é um partido de esquerda, “pero no mucho”.

E a partir de agora?

– Eu já tentei falar com o Cid [Gomes, irmão de Ciro]. Falei com o PDT, com o PC do B e o PSB. É obrigação nossa conversar. Entendo que devemos trabalhar em duas frentes: uma de defesa de direitos sociais, que pode agregar personalidades que vão defender o SUS, o investimento em educação, a proteção dos mais pobres. A outra, em defesa dos direitos civis, da escola pública laica, das questões ambientais.

O PT dificilmente poderia liderar essas frentes.

– Não é uma questão de liderar. O PT tem que ajudar a organizar. No Brasil está sendo gestado o que eu chamo de neoliberalismo regressivo, decorrente da crise económica. É uma onda diferente da dos anos 1990. Ela chega a ser obscurantista em determinados momentos, contra as artes, a escola laica, os direitos civis. É um complemento necessário para manter a agenda económica do Bolsonaro, que é a agenda [do presidente Michel] Temer radicalizada. Essa agenda não passa no teste da desigualdade. Tem baixa capacidade de sustentação. Mas, acoplada à agenda cultural regressiva, pode ter uma vida mais longa. Pode ter voto. Teve voto. Essa pauta mobiliza as pessoas criando inclusive ficções. Eu permaneci à frente do MEC por oito anos. As expressões “ideologia de género” e “ escola sem partido” não existiam. Era uma agenda de ninguém. Ela foi criada, ou importada, como um espantalho para mobilizar mentes e corações.

26/11/2018

Reproduzido a partir do site do Partido dos Trabalhadores

 

(...)

Resto dossier

Jair Bolsonaro. Foto de Marcelo Camargo - Agência Brasil

O Brasil depois da eleição de Bolsonaro

A menos de um mês da posse do ultradireitista Jair Bolsonaro na Presidência da República do Brasil, oferecemos neste dossier do Esquerda.net um painel que procura refletir o que se diz na esquerda brasileira sobre o resultado até certo ponto inesperado das eleições presidenciais. Dossier organizado por Luis Leiria.

Fernando Haddad. Foto Wilson Dias - Agência Brasil

Em entrevista, Haddad destaca que militará na resistência democrática

Candidato do PT à presidência nas eleições de 2018, Haddad reafirmou que seguirá na luta em defesa dos direitos sociais e civis.

Guilherme Boulos em entrevista à rádio CBN durante a campanha. Foto de Mídia Ninja

Guilherme Boulos: Saímos das eleições com sensação de missão cumprida

O coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e candidato à Presidência da República pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) afirma que ele e a sua vice, Sônia Guajajara, saíram do processo eleitoral com mais dignidade do que entraram. Por Leonardo Fernandes e Nina Fideles, Brasil de Fato

Jair Bolsonaro, Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal e Michel Temer, ainda Presidente da República, em sessão no Congresso do Brasil - novembro de 2018

Derrota da democracia no Brasil

Como entender a vitória de um homem que, em seu discurso de campanha em São Paulo, via internet, proclamou em alto e bom som que, se eleito, seus opositores deveriam sair do país ou iriam para a prisão? Por Frei Betto

Cartaz de manifestação pró-Bolsonaro. Foto de Editorial J

Perigo de “inverno siberiano” foi subestimado

Um governo de extrema direita com elementos neofascistas tomará posse em janeiro. Bolsonaro já disse ao que veio. Já declarou que pretende ilegalizar o MST e o MTST. Advertiu as direções do PT e Psol e, pelo nome, avisou que o primeiro alvo será Guilherme Boulos. Merece ser levado a sério. Por Valério Arcary.

Autoritário, ultraliberal e sob tutela militar, governo Bolsonaro viverá turbulências

O governo de Jair Bolsonaro tem uma força inicial importante. Será o sucesso ou fracasso das suas iniciativas no terreno da política económica e social que determinará a sua força definitiva, defende o cientista político José Correa Leite nesta entrevista ao Correio da Cidadania, conduzida por Gabriel Brito.

Ruy Fausto. Foto de Renato Parada/Divulgação

'Burocracia do PT vive do mito Lula. Se houver sucessor, ela morre'

Para o filósofo Ruy Fausto, a tentativa de candidatar Lula foi um erro do PT, porque ele era o símbolo da continuidade, uma bandeira perigosa. “O mote “Haddad = Lula” foi uma faca de dois gumes, um verdadeiro bumerangue, que levou votos a Haddad por parte dos admiradores de Lula, mas tirou os de todos aqueles que o rejeitavam”. Por Marina Gama Cubas, Carta Capital.

Vladimir Safatle

Da arte de desaparecer

Regressão que o Brasil vive é segundo capítulo de história iniciada na ditadura. Por Vladimir Safatle.

Bolsonaro dialogou com várias lideranças do seguimento evangélico desde que deu início à sua campanha há alguns anos atrás.

Foram os evangélicos que elegeram Bolsonaro?

Afirmar que a responsabilidade da vitória de Bolsonaro foi dos evangélicos pode ser cómodo e até mesmo prático, mas está longe de ser útil enquanto análise social. Por Alexandre Brasil Fonseca, sociólogo, professor associado da UFRJ.

Guilherme Boulos num comício de campanha. Foto Mídia Ninja

PSOL faz balanço positivo da sua campanha

Apesar da baixa votação presidencial, partido conseguiu duplicar a sua bancada de deputados. Guilherme Boulos e Sônia Guajajara espalharam otimismo entre aqueles que apostam no surgimento de uma nova esquerda no Brasil.

Na primeira entrevista que deu ao Jornal Nacional, após as eleições, atacou o líder do MTST e a “cúpula do PT e do PSOL”. Foto: Mídia Ninja

Mexeu com Guilherme Boulos, mexeu com todos nós

A tentativa de criminalizar PSOL, MTST e MST, assim como os ataques contra universidades e professores, tentam minar a construção da resistência popula. A defesa de Boulos deve ser um compromisso de todo o campo democrático (no Brasil e em todo o mundo) e uma pauta permanente nas nossas bandeiras e ações. Por Esquerda online.

Boulos: O ministério de Bolsonaro é um show de horrores

O candidato que prometia "mudar tudo o que está aí" cede às barganhas fisiológicas dos partidos e entrega nacos do Estado a interesses corporativos. Artigo de Guilherme Boulos, dirigente do MTST e ex-candidato presidencial.