Está aqui

O problema de “Lincoln”, de Steven Spielberg

O fim da escravatura não se deu porque Lincoln e a Câmara dos Representantes votaram a favor da Décima Terceira Emenda, mas sim porque os escravos estavam a apossar-se da sua liberdade. A escravatura estava a extinguir-se no terreno, mas o filme não aborda essa perspetiva. Por Jon Wiener, The Nation.
Os historiadores têm mostrado como a escravidão se extinguiu como resultado das ações dos ex-escravos.

Daniel Day Lewis merece o óscar de melhor ator pela sua interpretação maravilhosa de Lincoln no filme de Steven Spielberg. Mas enquanto a ação é excelente, há um problema com o filme: baseia-se na premissa de que Lincoln libertou os escravos. Os historiadores afirmam que não é bem assim. O fim da escravatura não se deu porque Lincoln e a Câmara dos Representantes votaram a favor da Décima Terceira Emenda.

O melhor trabalho que eu conheço sobre o fim da escravatura é o livro inesquecível de Eric Foner “The Fiery Trial: Lincoln and American Slavery”, publicado em 2010, que ganhou o Prémio Pulitzer, o Prémio Bancroft e o Prémio Lincoln. Foner e muitos outros historiadores enfatizaram, nos últimos pares de décadas, o papel central desempenhado pelos próprios escravos, que são virtualmente invisíveis neste filme. Durante as três semanas que o filme aborda, o exército de Sherman marchava pela Carolina do Sul, onde os escravos estavam a confiscar plantações. Eles estavam a dividir a terra entre si. Estavam a apossar-se da sua liberdade. A escravatura estava a extinguir-se no terreno, não apenas na Câmara dos Representantes. O filme não aborda essa perspetiva.

No filme, Lincoln dedica-se à grande tarefa de conseguir que a Câmara ratifique a Décima Terceira Emenda. Mas o filme não menciona que Lincoln não apoiou a Décima Terceira Emenda quando esta foi proposta em 1864 – pela Women’s National Loyal League, dirigida por Susan B. Anthony e Elizabeth Cady Stanton. O ponto de vista de Lincoln nessa altura, como mostra Foner, era que a escravatura deveria ser abolida numa base Estado a Estado, já que a escravatura foi criada por lei estadual. Ele mudou de opinião perante a pressão política dos Republicanos Radicais.

De acordo com o filme, em 1865 Lincoln estava numa “corrida contra o tempo” (esta sinopse foi retirada da semi-oficial Internet Movie Data Base), porque “a paz pode surgir a qualquer momento, e se surgir antes de a emenda ter passado, os regressados países do Sul travarão a emenda que abole a escravidão antes desta se tornar lei”. Isto simplesmente não é verdade. O filme focou-se na última sessão ordinária do Congresso de janeiro de 1865. Se o Congresso não tivesse ratificado a emenda, Lincoln teria anunciado que iria convocar uma sessão especial do novo Congresso em março, na qual os Republicanos teriam uma maioria de dois terços. Aí a emenda teria passado facilmente – pouco mais de um mês depois do último Congresso ordinário retratado no filme.

O filme produz outro falso argumento, que, assim que os Estados do Sul voltassem a integrar a União, teriam poder para bloquear a ratificação da emenda, que requeria os votos de três quartos dos Estados. Lincoln e os restantes Republicanos não iriam permitir que os governos de Estados Confederados se mantivessem no poder após a rendição – isso era o que “Reconstrução” significava. Louisiana, Tennessee e Virgínia já tinham formado novos governos que aboliram a escravatura. Não existia nenhuma “corrida contra o tempo” – e, portanto, o drama central do filme é falso.

Outra questão levantada pelo filme mas que não é verdadeiramente respondida é por que razão a Proclamação de Emancipação, que Lincoln emitiu a 1 de janeiro de 1863, não libertou todos os escravos. Lincoln sabia que, segundo a Constituição, o presidente não tinha poder para revogar leis aprovadas pelos Estados – incluindo as leis que legalizavam a escravatura no Sul. Mas ele tinha poder como comandante supremo para tomar medidas em tempo de guerra que considerasse “necessidades militares” para salvar o governo – neste caso, minando a Confederação ao declarar os seus escravos livres e ao recrutá-los como soldados da União. Assim, a Proclamação de Emancipação era uma medida militar que se aplicava apenas aos escravos em áreas sob o controlo da Confederação. Meio milhão de escravos nos quatro Estados fronteiriços e em West Virginia mantiveram-se escravizados. Lincoln acreditava que, uma vez ultrapassada a “necessidade militar”, seria necessária legislação para acabar definitivamente com a escravatura.

Críticos abolicionistas argumentam que a Proclamação de Emancipação não libertou, de facto, nenhum escravo. Mas, tal como explica Foner no “The Fiery Trial”, a proclamação “foi tanto um documento político como militar”. Antes da guerra, Lincoln e muitos outros argumentaram que a escravatura deveria ser abolida pelos Estados, gradualmente, e compensando os proprietários dos escravos. Agora a sua proclamação “dirigia-se diretamente aos escravos, não como propriedade dos inimigos do país mas como pessoas com vontade própria e cujas ações poderiam ajudar a ganhar a Guerra Civil”. Foner enfatiza o ponto de vista do abolicionista Wendell Phillips, no sentido de que a proclamação “não fez da emancipação uma punição para rebeldes individuais, tratou a escravidão como ‘um sistema’ que deve ser abolido”.

“Nunca antes um número tão grande de escravos foi declarado livre”, conclui Foner. “Ao fazer do exército um agente de emancipação e conjugando os objetivos da União e a abolição, garantiu que a vitória do Norte produzisse uma transformação social no Sul e uma redefinição do lugar dos negros na vida americana”. Tudo isso está ausente no filme de Spielberg.

É perfeitamente apropriado e justo que este filme homenageie Lincoln. Mas os historiadores têm mostrado como a escravidão se extinguiu como resultado das ações dos ex-escravos. Como Eric Foner conclui: "Isso seria uma história dramática para Hollywood."

Publicado pela The Nation

Tradução de Mariana Carneiro para o Esquerda.net

(...)

Resto dossier

Lincoln

O filme de Steven Spielberg despertou o interesse sobre um dos mais importantes personagens da história da América do Norte, no momento em que o jovem país vivia a sua segunda revolução, após a da independência. Motivo mais que suficiente para publicar este dossier, que apresenta diferentes e polémicos pontos de vista sobre o filme, o papel de Lincoln na abolição da escravatura, e as influências de Marx. Dossier organizado por Luis Leiria.  

O grande intransigente

Há quem veja “Lincoln” como uma fábula sobre Washington dos dias de hoje – com Lincoln a desempenhar o papel de Barack Obama – e as manobras para pôr um fim legal ao crime histórico que foi a escravatura como nada mais que o equivalente à cínica foto da campanha de Obama com o governador de New Jersey, Chris Christie, depois do furacão Sandy. Mas está total e redondamente enganado. Por Alan Maass, do Socialist Worker.

O mau serviço de “Lincoln”

A crítica de Alan Maass ao filme de Spielberg (“O grande intransigente”) acrescentou alguma complexidade à discussão deste filme excelente – mas com falhas profundas como relato histórico. Por Charlie Post

Qual foi o papel de Lincoln?

Na sua resposta ao meu artigo O grande intransigente, Charlie Post (O mau serviço de “Lincoln”) pergunta o seguinte: como teriam os socialistas reagido “a um filme sobre a organização dos sindicatos industriais da década de 1930 que apenas olhasse as deliberações do Supremo Tribunal dos Estados Unidos?” Mas eu respondi a esta questão. Por Alan Maass.

O problema de “Lincoln”, de Steven Spielberg

O fim da escravatura não se deu porque Lincoln e a Câmara dos Representantes votaram a favor da Décima Terceira Emenda, mas sim porque os escravos estavam a apossar-se da sua liberdade. A escravatura estava a extinguir-se no terreno, mas o filme não aborda essa perspetiva. Por Jon Wiener, The Nation.

A emenda que aboliu a escravatura

Conheça o texto da décima terceira emenda à Constituição dos Estados Unidos.

O que o filme de Spielberg não diz sobre Lincoln

O filme narra como esse presidente lutou contra a escravidão e pela transformação dos escravos em trabalhadores. O que a obra cinematográfica não conta, porém, é que Lincoln também lutou por outra emancipação: que os escravos e os trabalhadores em geral fossem senhores não apenas da sua atividade em si, mas também do produto resultante de seu trabalho. Por Vicenç Navarro

Marx e Lincoln

Vicenç Navarro exagera ao afirmar que Lincoln foi altamente influenciado por Marx e outros pensadores socialistas, com os quais partilhou os seus desejos imediatos, simpatizando com eles e levando a sua postura a altos níveis de radicalismo. Por Álvaro Bianchi

A Abraham Lincoln, Presidente dos Estados Unidos da América

A Mensagem da Associação Internacional dos Trabalhadores ao presidente Abraham Lincoln dos Estados Unidos, por ocasião da sua reeleição, foi redigida por Karl Marx, por decisão do Conselho Geral.

Lincoln e a escravidão: Nem tanto ao céu, nem tanto à terra

Os documentos históricos permitem-nos pensar que ainda que a emancipação geral tenha sido um ganho político do seu governo, Lincoln e muitos dos seus aliados não acreditavam na convivência pacífica entre brancos e negros em liberdade. Não se reconhecia nos afro-americanos os mesmos direitos sobre a formação nacional que tinham os homens brancos. Por Maria Clara Sales Carneiro Sampaio, investigadora da Universidade de São Paulo

Lincoln de Spielberg, Karl Marx e a Segunda Revolução Americana

O “Lincoln” de Steven Spielberg transcorre num único mas crucial mês da Guerra Civil dos EUA, um conflito equivalente a uma segunda revolução americana. Em janeiro de 1865, quando faltavam poucos meses para a vitória da União sobre a Confederação, o presidente Abraham Lincoln decidiu fazer aprovar a Décima Terceira Emenda à Constituição dos EUA, para a abolição da escravatura sem condições e sem indemnização aos proprietários de escravos. Por Kevin Anderson