Está aqui

Mundial de 2014 do Brasil: o mais caro de sempre

Brasil já gastou em estádios mais do que a África do Sul e a Alemanha juntas (mundiais de 2010 e 2006). Ex-estrela de futebol Romário diz-se enganado porque, ao contrário do que disseram Lula e Dilma Rousseff, os recursos investidos foram 95% públicos.

Pelas últimas contas, feitas às vésperas da abertura do Mundial de Futebol de 2014 no Brasil, a construção ou remodelação dos estádios onde os jogos vão decorrer custou cerca de 2.900 milhões de euros, um valor que representa uma derrapagem global de 66% a mais do que os gastos previstos em 2010.

Com as obras concluídas ou à beira da conclusão, o Brasil passa a ter metade dos 20 estádios mais caros do planeta, segundo um estudo realizado pela empresa KPMG. O ranking elaborado pela empresa coloca o Estádio Mané Garrincha em 3º lugar, atrás apenas do Wembley e do Emirates Stadium, ambos no Reino Unido. Cada lugar do estádio de Brasília custou 6.700 euros.

Gastos superiores aos dos Mundiais da África do Sul e da Alemanha somados

A Copa do Mundo de Futebol, como é conhecido o Mundial de 2014 no Brasil, já supera largamente em gastos todas as anteriores. Mais: os gastos com os estádios são maiores do que o somatório de tudo o que foi gasto nos estádios dos dois Mundiais anteriores, os da África do Sul de 2010 e da Alemanha de 2006.

Em junho do ano passado, o Brasil viveu uma onda de indignação com enormes manifestações que tiveram como uma das bandeiras a denúncia dos gastos com a Copa. As exigências da Fifa para a construção dos estádios deram origem a palavras de ordem como “Não queremos estádios – Queremos escolas e hospitais” e “Queremos escolas e hospitais no padrão Fifa”.

O governo argumentou que o dinheiro não vinha do orçamento federal, o que não passou de uma manobra retórica, já que há investimentos federais diretos e também mascarados de empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social (BNDES) aos clubes, além dos gastos dos orçamentos estaduais e municipais e as isenções fiscais de que a FIFA beneficia. No total, a realidade é que mais de 95% dos gastos são públicos.

Romário: “Fui enganado”

O antigo jogador da seleção Romário, um dos heróis do Mundial ganho pelo Brasil em 1994, hoje deputado federal, disse que se sentiu enganado pelo ex-presidente Lula, pela atual presidente, Dilma Rousseff, e pelo ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira em relação aos gastos com a realização do Mundial. “O Brasil não só tinha condição de sediar uma Copa, como tinha a condição de sediar a maior Copa de todos os tempos. Assim como todos, eu fui enganado. Eles tinham divulgado que 90% do gasto seria de dinheiro privado. Hoje temos quase 98% de dinheiro público, gasto totalmente errado. Dinheiro que a gente poderia colocar em outras áreas que são extremamente precárias, como educação e saúde. O que vejo de mais errado é esse gasto astronómico, totalmente fora do planeado, e o enriquecimento ilícito de vários políticos”, disse Romário.

Para a ex-estrela de futebol, “a Copa do Brasil fora do campo a gente já perdeu e de longe. Agora a gente tem que torcer para que a seleção seja campeã dentro de campo. Eu particularmente torço. Infelizmente, por outro lado, tenho que admitir que muito dos problemas vão ficar por baixo dos panos. Esse é o nosso país. Uma vitória em Copa do Mundo apaga e esconde muitas coisas”, disse.

 Hoje temos quase 98% de dinheiro público, gasto totalmente errado. Dinheiro que a gente poderia colocar em outras áreas que são extremamente precárias, como educação e saúde, diz Romário.

Lucros da Fifa

Os gastos são públicos, mas os lucros privados. A Federação Internacional de Futebol Associado (Fifa) já garantiu uma receita recorde com o Mundial. O valor das isenções fiscais concedidas pelo governo federal do Brasil é calculado em 323 milhões de euros e a entidade que comanda o futebol mundial conta com mais de 900 contratos comerciais fechados e 19 cotas de patrocínios, sendo 13 com grandes multinacionais, apontando para um ganho mínimo de 2.850 milhões de euros com o torneio. A Copa mais lucrativa da sua história.

Só que os adeptos brasileiros ficarão muito longe dos estádios. O “torcedor” comum brasileiro apenas teve acesso a um terço dos ingressos da Copa de 2014 pela distribuição inicial da Fifa, já que mais da metade do total de 3,3 milhões de bilhetes foi para a federação internacional, associações nacionais de futebol, para a CBF e parceiros comerciais, Vips, Comité Organizador, governo federal, entre outros. E uma parcela foi destinada exclusivamente a estrangeiros.

A Fifa tem o monopólio da venda dos bilhetes, e o fenómeno do mercado negro já começa a funcionar, desta vez também virtualmente. O preço de um bilhete em sites de “candonga” para um único jogo pode chegar a 29 mil euros!

A Copa já era!

Num extenso e documentado artigo, o jurista Jorge Luiz Souto Maior, professor livre-docente da Faculdade de Direito da USP e membro da AJD – Associação Juízes para a Democracia, desmonta com pormenor a argumentação de que apesar dos gastos astronómicos a Copa trará ganhos para todos os brasileiros – e não só para a Fifa.

“Há de se indagar qual o preço pago pela população brasileira”, argumenta, já que terá de conviver com “o verdadeiro legado da Copa: alguns estádios fantasmas e obras inacabadas, nos próprios estádios e em aeroportos e avenidas”.

O jurista faz as contas ao já citado estádio Mané Garrincha: “levando-se em consideração o resultado operacional com jogos e eventos obtidos em um ano após a conclusão da obra, qual seja, R$1.137 milhões, serão precisos 1.167 anos para recuperar o que se gastou, o que é um absurdo do tamanho do estádio”.

O problema aumenta, diz o professor, quando recordamos que nunca se viu no Brasil “a mesma disposição de investir dinheiro público em valores ligados aos direitos sociais, tais como educação pública, saúde pública, moradias, creches e transporte”.

Sobre o/a autor(a)

Jornalista do Esquerda.net
(...)

Resto dossier

Mundial de Futebol envolvido em escândalos

O Mundial de Futebol que começa dia 12 de junho no Brasil será o mais caro de sempre. Os 12 estádios construídos ou remodelados custaram mais que os dos mundiais da África do Sul e da Alemanha juntos. As derrapagens chegaram a multiplicar os valores orçamentados por 2 e 3, e Brasília, onde não há uma equipa de futebol importante, passará a ter o segundo estádio mais caro do mundo. Por isso, os protestos organizam-se contra “esta Copa sem povo”. Dossier organizado por Luis Leiria.

Estádio Mané Garrincha: demoraria 1167 anos a ser pago. Foto do site do estádio

Mundial de 2014 do Brasil: o mais caro de sempre

Brasil já gastou em estádios mais do que a África do Sul e a Alemanha juntas (mundiais de 2010 e 2006). Ex-estrela de futebol Romário diz-se enganado porque, ao contrário do que disseram Lula e Dilma Rousseff, os recursos investidos foram 95% públicos.

Cerca de 2 mil milhões de reais foram investidos em segurança, na compra de armamentos, equipamentos de vigilância e treinamentos. Foto de Comité Popular da Copa de São Paulo

Copa das Copas ou Copa das Tropas?

A Copa do Mundo, a cidade neoliberal e a resistência ao estado de exceção. Por Isabella Gonçalves Miranda, do Comitê Popular dos Atingidos pela Copa – Belo Horizonte (COPAC).

Andrew Jennings: A FIFA é uma máfia, uma família de crime organizado. Foto de o.canada.com

“Eles estão a roubar-vos!”, adverte jornalista britânico

Em livro recém-lançado no Brasil, Andrew Jennings desnuda a farsa dos bilhetes da Copa e avisa: os brasileiros estão a pagar por uma Copa (Mundial de Futebol) que só trará lucro para a Fifa e patrocinadores. Confira aqui a entrevista. Por Giulia Afiune, Agência Pública.

Diante dos gastos milionários nas Copa, população reivindica investimentos sociais "padrão FIFA". Foto do Sindicato dos Metroviários de São Paulo.

Isenções concedidas pelo governo brasileiro garantem lucros livres de impostos

Como se não bastassem os lucros milionários obtidos pela FIFA, estes ainda entram nas contas da Federação livres de impostos. O Estado brasileiro deixa de arrecadar pelo menos 329 milhões de euros. Valor daria para construir mais de mil creches.

A empresa de construção Andrade Gutierrez é responsável pelas obras do Arena da Amazónia, na cidade de Manaus, onde morreram quatro operários. Crédito: Glauber Queiroz, Portal da Copa, Governo do Brasil.

Mundial de Futebol da FIFA conta os seus mortos no Brasil

A pressão para acabar a tempo a construção dos 12 estádios de futebol do Brasil onde se irá jogar a partir de junho o Mundial de Futebol da FIFA impõe jornadas extenuantes, de até 18 horas, e amplia o risco de acidentes e mortes. Por Fabíola Ortiz, IPS News Service

Encontro dos Atingidos: "Afirmamos que a Copa e as Olimpíadas estão a serviço de um modelo de país e de mundo que não atende aos interesses gerais do povo trabalhador e dos setores oprimidos pelo sistema capitalista". Foto da Ancop

“Que um grito de gol não abafe a nossa história.”

Carta do I Encontro dos/das Atingidos/as – Quem perde com os Megaeventos e Megaempreendimentos, realizado entre 1 e 3 de maio na cidade de Belo Horizonte.

Frase projetada na lateral de um prédio durante manifestação em São Paulo. Foto de Henrique Carneiro.

Porque não abrir mão da crítica à Copa do Mundo?

A Copa do mundo tem causado sofrimento humano injusto e violações de direitos que nos desumanizam a todos. Acreditamos que a luta é a mais efetiva e democrática forma de transformação dessas mesmas condições de opressão. Por Isabella Gonçalves Miranda

Ney Matogrosso, a ação da polícia brasileira é fascista.

Ney Matogrosso critica gastos com o Mundial do Brasil

Em entrevista à RTP, cantor considera o dinheiro gasto na construção dos estádios “uma vergonha e um escândalo”, e diz que o “padrão FIFA” devia ser para o povo brasileiro, não para a FIFA. Recordando as manifestações recentes, afirma que o povo tem uma maior consciência dos seus direitos.

Movimentos sociais reuniram-se em Belo Horizonte para debater ações durante a Copa. Foto de Agência Brasil/Antônio Cruz

Encontro prepara protestos unificados durante o Mundial de Futebol

Movimentos sociais reuniram-se na cidade de Belo Horizonte para discutir estratégias de mobilização e fazer da Copa de 2014 um espaço de protesto e reivindicação. Denunciam que as obras de infraestrutura não foram feitas e que novas leis que possam vir a coibir manifestações são uma ameaça. Por Helena Martins, enviada especial da Agência Brasil.