Está aqui

Milionários desviaram mais de 17 biliões para paraísos fiscais

A Tax Justice Network revelou em 2012 que as fortunas escondidas nos paraísos fiscais equivaliam à soma das economias do Japão e dos EUA. Se os milionários dos países endividados pagassem impostos sobre essa riqueza, os seus Estados seriam credores e não devedores. A riqueza escondida é mesmo muito maior do que se pensava.

"Este relatório centra as atenções num gigantesco "buraco negro" na economia mundial que nunca tinha sido medido - a riqueza privada colocada nos offshores e a enorme quantia de rendimento não taxado que ela produz. Isto numa altura em que os governos de todo o mundo estão famintos de recursos, e estamos mais conscientes que nunca acerca dos custos da desigualdade económica", diz James S. Henry, economista e advogado que já foi economista chefe da consultora McKinsey & CO., recentemente escolhida para assessorar a privatização da TAP.

O autor do estudo - considerado o mais completo, rigoroso e detalhado feito até hoje nesta área - reuniu os dados disponíveis do Banco Mundial, FMI, ONU, bancos centrais, tesouros nacionais e o Banco de Compensações Internacionais, cruzando-os com dados acerca da procura de reservas em moeda e ouro, bem como dados de várias consultoras sobre o setor do "private banking" com offshores. E fez as contas à dívida externa de 139 países com rendimento pequeno e médio, que no final de 2010 deviam 3,37 biliões de euros.

Mas se os bens colocados pelos seus milionários no estrangeiro e em praças offshore pagassem imposto, em vez de devedores esses países tornar-se-iam credores num valor que ascenderia aos 10,77 biliões de euros. "De facto, os países em desenvolvimento no seu todo têm sido credores dos países desenvolvidos ao longo de mais de uma década. Isto significa que estamos a falar de um problema de justiça fiscal e não simplesmente de um problema de 'dívida'", afirma James S. Henry.

"Infelizmente, os seus bens estão na posse de um punhado de gente muito rica, enquanto as suas dívidas são postas nos ombros dos cidadãos comuns pelos seus governos", conclui o estudo. Dado que a maior parte da riqueza financeira escondida pertence a uma pequena elite, o impacto é impressionante. Para a maior parte dos países, a desigualdade financeira mundial não só é muito maior do que suspeitávamos, mas está a crescer muito mais depressa", acrescenta James S. Henry, que sublinha que estas estimativas são feitas por baixo e não incluem bens imobiliários, iates ou outros bens não financeiros parqueados em offshores.

Mesmo com estimativas conservadoras, o estudo calcula que haja 17 biliões de euros em bens financeiros escondidos nos paraísos fiscais, um número que o autor admite poder elevar-se aos 26,3 biliões. Caso esse dinheiro rendesse 3% de juro anual e o rendimento desses juros fosse taxado a 30%, a receita para os cofres públicos alcançaria até 230 mil milhões de euros num ano, ou seja, cerca do triplo do valor do empréstimo da troika a Portugal. Isto sem contar com outras taxas sobre mais-valias financeiras ou heranças que fariam a receita fiscal subir muito mais.

Os donos destas fortunas são menos de dez milhões de pessoas em todo o mundo. Mas os 100 mil mais ricos detêm sozinhos 8 biliões de euros em offshores. Quem trata da fuga destes capitais dos milionários são os grandes bancos privados, com a UBS, Credit Suisse e Goldman Sachs à cabeça. O autor do estudo responsabiliza as instituições político-financeiras multilaterais, como o FMI, Banco Mundial, OCDE e G20, por saberem de grande parte desta informação agora disponível e nada terem feito para controlar esta fuga, para além de promessas falhadas.

"Mas por outro lado, este estudo traz boas notícias. O mundo acaba de encontrar um monte enorme de riqueza financeira que pode ser chamada a contribuir para resolver os problemas globais mais urgentes. Temos a oportunidade não apenas de pensar como prevenir os abusos que nos trouxeram até aqui, mas também pensar como daremos um bom uso das receitas que eles geram e hoje não são taxadas", conclui o estudo revelado pela Tax Justice Network.

Outro estudo divulgado a par deste, intitulado "Desigualdade: você não sabe sequer metade", demonstra como todos os estudos sobre desigualdade feitos até hoje não conseguiram avaliar corretamente o volume de toda esta riqueza escondida. Ou seja, a desigualdade no mundo é bem maior do que se pensa.

Comentários (21)

Resto dossier

“Panama Papers”, no rasto da fuga ao fisco

A maior fuga de informação de sempre dos offshores volta a confirmar a prática generalizada de fuga ao fisco por parte da elite mundial. Os governos fecham os olhos à perda de receita fiscal e chegam até a organizá-la, como vimos no Luxleaks ou na fuga das empresas para a Holanda.

Dossier organizado por Luís Branco

"Panama Papers" no esquerda.net

Leia aqui todos os artigos publicados no esquerda.net sobre a mais recente fuga de informação da empresa Mossack Fonseca, no Panamá. O impacto a nível internacional, os nomes portugueses envolvidos, as reações políticas e muitomais.

"Quem procura um offshore quer fugir às leis que regem a vida de todos os outros"

Intervenção de Mariana Mortágua no debate de urgência sobre o escândalo financeiro dos "Panama Papers".

Offshores em São Bento: como votaram os partidos

Nos debates na Assembleia da República, o PS, PSD e CDS sempre contribuiram para inviabilizar as propostas do Bloco e PCP contra os offshores. O argumento em defesa do atual estado de coisas mantém-se inalterado: seria preciso que todos os países se juntassem para se poder acabar com estes centros de fraude financeira.

Panama Papers: o mais certo é ficar tudo na mesma

Terminar com a criação de empresas anónimas? Perturbar o planeamento fiscal, ou seja, a fuga ao pagamento de impostos de cada país? Controlar a circulação de capitais, o princípio de toda a tentação? Combater o crime económico? Não pense nisso. Não acontecerá num país nem acontecerá à escala internacional, enquanto o mundo não der uma volta. Por Francisco Louçã

Madeira: Bloco acusa PSD e CDS de quererem impedir investigação no Centro de Negócios

Roberto Almada intervém na sequência das notícias que dão conta das ligações do Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM) ao escândalo "Panama papers", afirmando "não ser indiferente que o dinheiro que fica na Madeira seja proveniente de empresas com atividade clara e legítima ou se, eventualmente, esse dinheiro é proveniente de empresas com ligação ao submundo opaco e pouco claro do crime organizado".

Portugal perde 2,3 milhões por dia para offshores

Segundo números do Banco de Portugal, em 2015, Portugal perdeu mais de 864 milhões de euros para paraísos fiscais. Investigação “Panama papers” revela que 244 empresas portuguesas estão envolvidas em escândalo de corrupção mundial e que o Grupo dono da PT Portugal recorreu a serviços de offshore.

Ranking do sigilo financeiro 2015

Quais os países que mais protegem o sigilo financeiro e as atividades financeiras offshore? Veja aqui o ranking de 2015, publicado pela Tax Justice Network.

Marisa e o Luxleaks: “Há interesses que controlam as instituições europeias”

Em fevereiro de 2015, Marisa Matias viu chumbada a proposta de criação de uma Comissão de Inquérito do Parlamento Europeu ao escândalo Luxleaks, que envolve o governo luxemburguês então liderado pelo atual presidente da Comissão Europeia.

"Offshore leaks" também desvendou fraude fiscal global

Um consórcio de jornalistas de investigação de vários países teve acesso a 2,5 milhões de documentos que revelam os nomes dos beneficiários das empresas sedeadas em paraísos fiscais. Era então, em 2013, a maior fuga de informação de sempre do lado oculto do sistema financeiro, que esconde mais de 25 biliões de euros.

Holanda: um cínico paraíso fiscal

O mesmo ministro holandês, Jeroen Dijsselbloem que pressionou Espanha e Grécia a adotarem as medidas de austeridade tem transformado a Holanda num grande paraíso fiscal. Por Vicenç Navarro/Other News.

Milionários desviaram mais de 17 biliões para paraísos fiscais

A Tax Justice Network revelou em 2012 que as fortunas escondidas nos paraísos fiscais equivaliam à soma das economias do Japão e dos EUA. Se os milionários dos países endividados pagassem impostos sobre essa riqueza, os seus Estados seriam credores e não devedores. A riqueza escondida é mesmo muito maior do que se pensava.

Os paraísos fiscais beneficiam as elites ricas do mundo

Nesta entrevista Nicholas Shaxson, autor de um livro indispensável para entender as finanças offshore, afirma que os paraísos fiscais “isentam os ricos e as grandes empresas das restrições, dos riscos e das obrigações que a democracia exige de cada um de nós” e salienta que “a Grã-Bretanha está no centro de uma rede de paraísos fiscais que abastece a City de Londres de capital e lhe fornece um gigantesco volume de negócios”.

Os grandes bancos organizam a evasão fiscal de forma massiva à escala internacional

Novo exemplo de “Demasiado grandes para serem condenados”: a evasão e a fraude fiscais internacionais organizadas pelo principal banco suíço UBS. Por Éric Toussaint

Dossier "Offshores: o mundo obscuro dos paraísos fiscais" (2009)

Em 2009, na sequência da crise financeira e dos escândalos de fraude bancária em Portugal, o esquerda.net publicou um dossier sobre os paraísos fiscais, as suas origens e o seu papel na criminalidade financeira global. Aceda aqui a esse dossier.