Está aqui

Cultura: Propostas para o OE 2018 na especialidade

Quando se afirma que o desenvolvimento tem de assentar em conhecimento e qualificação e se apresenta tamanho défice de investimento em Cultura alguma coisa não bate certo.
Jorge Campos. Foto Paulete Matos.

Ponto prévio. O orçamento para a Cultura é mau. Se é verdade que a solução política encontrada para viabilizar o governo minoritário do PS tem produzido resultados merecedores de aplauso noutras áreas, é igualmente verdade que neste domínio pouco se avançou. O legado PSD/CDS, é certo, pesa. Recuperar nunca seria tarefa fácil. Mas, apresentar, ao cabo de dois anos, valores quase residuais para um sector tão fragilizado só pode suscitar legítimas dúvidas.

O orçamento para a Cultura é mau

Argumenta o Governo ter sido o sector que mais cresceu em percentagem quando comparado com todos os demais, designadamente a Educação e a Saúde. E foi. O problema é o ponto de partida, ou seja, comparar o incomparável. De tal modo que, na Assembleia da República, António Costa acabaria por reconhecer tratar-se de um orçamento manifestamente insuficiente. Feitas as contas, dos 470 milhões apresentados, mais de 200 milhões são para a Comunicação Social e provém, na quase totalidade, da Contribuição para o Audiovisual. Sobra, portanto, a outra metade para o núcleo duro da Cultura, ou seja, 0,1 por cento do PIB.

dos 470 milhões apresentados, mais de 200 milhões são para a Comunicação Social e provém, na quase totalidade, da Contribuição para o Audiovisual

Para dissipar dúvidas consultem-se os dados do EUROSTAT e vejam-se os gastos em Cultura dos estados membros da União Europeia, quer em percentagem do Orçamento, quer em percentagem do PIB. Em ambos os casos Portugal está em penúltimo lugar. Ora, quando se afirma que o desenvolvimento tem de assentar em conhecimento e qualificação e se apresenta tamanho défice de investimento é porque alguma coisa não bate certo.

 

Cinco propostas para o debate na especialidade

Dito isto, o Bloco apresentou cinco propostas para o debate na especialidade. Uma na área das Artes com relevância estratégica, outra para fazer face a uma situação de emergência na Rede de Museus, uma terceira de carácter essencialmente simbólico na área do Cinema, e mais duas, sem impacto orçamental, em benefício da RTP e do Museu Nacional Ferroviário. Só uma passou. Vejamos:

- Criação de um Programa de Apoio a Projetos Artísticos na Escola com reforço da dotação orçamental da Direção Geral das Artes.

Esta proposta de aditamento permitia a articulação dos estabelecimentos de Ensino Básico e Secundário com os agentes culturais, bem como estreitar a colaboração dos Ministérios da Cultura e da Educação no reconhecimento da importância das Artes na formação dos jovens. Não se confundindo com os programas já existentes, tanto servia de apoio à renovação de um depauperado tecido artístico, quanto apostava na formação de públicos. O financiamento proposto era de 1,5 milhões de euros. A proposta foi rejeitada. Votação:

A favor: Bloco e PCP; Abstenção: PSD e CDS; Contra: PS

- Reativação do Programa ProMuseus

O programa ProMuseus garantia financiamento estratégico tendo em vista a renovação, valorização e modernização dos museus da Rede Portuguesa de Museus, não dependentes da Administração Central. Permitia, designadamente, a partilha de recursos humanos e materiais, a mobilidade de técnicos especializados e a formação em diferentes áreas museológicas. Foi suspenso pelo governo da direita. Em consequência, gerou-se uma situação crítica justificativa de medidas de emergência. Propôs-se um financiamento de 500 mil euros. Proposta rejeitada. Votação:

A favor: Bloco e PCP; Abstenção: PSD e CDS; Contra: PS

- Reforço da verba do ICA para apoio à exibição em Festivais e Circuitos Alternativos

Com valores meramente simbólicos, esta proposta destinava-se essencialmente a minimizar dificuldades imediatas dos raros exibidores que arriscam mostrar filmes de arte e ensaio e, fazendo-o, prestam um relevante serviço público. Rejeitada. Votação:

A favor: Bloco e PCP; Abstenção: PSD e CDS; Contra: PS

- Alteração à Lei do Financiamento do Serviço Público de Radiodifusão e de Televisão

Sem impacto orçamental, esta proposta imitava-se a impor uma data para o pagamento da Contribuição para o Audiovisual, de modo a evitar retenções e cativações por parte do Estado e problemas de tesouraria à RTP. Foi aprovada por todos os grupos parlamentares à exceção do PS que votou contra.

Também sem impacto orçamental e da autoria do deputado Carlos Matias houve ainda uma proposta de Descongelamento de Verbas para a Fundação Museu Nacional Ferroviário Ginestal Machado, no Entroncamento, que está em risco de encerrar. Rejeitada. Votos a favor do Bloco e PCP, abstenção do CDS e votos contra do PS e PSD.

 

Em suma, observando o princípio da razoabilidade, o Bloco procurou apresentar no debate da especialidade, de forma construtiva, um conjunto de propostas que não se esgotassem em si mesmas, antes pudessem dar origem a novos eixos estruturantes de políticas públicas para a Cultura, respondendo, em simultâneo, a situações de emergência comprovada. Mas, quando o aumento do Orçamento para um sector tão determinante foi de apenas oito milhões de euros, obviamente não existia grande margem de manobra.

Sobre o/a autor(a)

Professor universitário
(...)

Resto dossier

Orçamento do Estado para 2018

O terceiro Orçamento do Estado desta legislatura foi aprovado com os votos da esquerda parlamentar e prossegue a trajetória de recuperação de rendimentos e reposição dos cortes do anterior governo. A cedência do PS ao lóbi da energia marcou pela negativa o debate orçamental. Dossier organizado por Luís Branco.

Bloco condena “cambalhota triste” do PS sobre cortes nas rendas excessivas

Depois de ter aprovado a contribuição sobre as energias renováveis na sexta-feira, o PS mudou de posição e chumbou a mesma proposta na votação final. “Faltaram nervos de aço ao governo para enfrentar a pressão do lóbi da energia”, afirmou Jorge Costa.

Afinal como vão ficar os recibos verdes?

Depois do recuo do governo em relação às mudanças no regime simplificado, os Precários Inflexíveis resumem o que está em cima da mesa na votação final do Orçamento.

Propostas do Bloco aprovadas no terceiro dia de debate e votação na especialidade

Na sexta-feira, o parlamento aprovou mais quatro propostas do Bloco, incluindo a dos cortes nas rendas excessivas às elétricas que o PS acabou por chumbar esta segunda-feira.

 

Propostas do Bloco aprovadas no segundo dia de debate e votação na especialidade

No segundo dia de votações na especialidade do OE 2018, o Bloco aprovou a subida da derrama para empresas com lucro acima dos 35 milhões de euros, bem como a expansão de Salas de Atendimento a Vítimas de Violência Doméstica, a redução do número de alunos por turma no ensino básico e a expansão da gratuitidade dos manuais escolares. 

Alterações ao IRS beneficiam rendimentos até 40 mil euros/ano

O Orçamento do Estado para 2018 continua a reverter o brutal aumento de impostos do governo PSD/CDS, com mais progressividade e alívio fiscal para quem trabalha. Na discussão da especialidade, o Bloco foi mais longe e viu aprovadas outras medidas de justiça fiscal e transparência orçamental.

Propostas do Bloco aprovadas no primeiro dia de debate e votação na especialidade

Conheça as dez propostas do Bloco aprovadas no primeiro dia do debate orçamental na especialidade.

Orçamento, dia 1: avanços e impasses

No primeiro dia do debate da especialidade do Orçamento foram aprovadas três propostas bloquistas de especial relevância na área da segurança social e do combate à pobreza e à desigualdade e foram rejeitadas duas que fariam justiça a várias gerações.

PCP, PS, PSD e CDS mantêm isenção de IVA para touradas

No segundo dia de votações na especialidade do Orçamento do Estado para 2018, os restantes partidos com assento na Comissão de Finanças uniram-se contra a proposta do Bloco que terminava a isenção do IVA para as touradas. 

“Para nós, palavra dada é mesmo palavra honrada”

Mariana Mortágua interveio no encerramento do debate orçamental para sublinhar que no combate às rendas excessivas “nada justifica o volte face do Partido Socialista a não ser a subserviência de sempre ao poder das elétricas”.

Bloco apresenta uma centena de propostas na especialidade

O fim das cativações em organismos de saúde, um novo corte nas rendas da energia e a redução do número de alunos por turma são algumas das medidas que deverão ser aprovadas na votação final do Orçamento do Estado para 2018.

Complemento de pensão traz “justiça para os lesados de Pedro Mota Soares”

O Bloco de Esquerda negociou com o governo a criação de um complemento de pensão que retire da miséria os pensionistas com carreiras longas e que no fim do subsídio de desemprego foram empurrados para a reforma antecipada, sofrendo os cortes do anterior governo.

Fazer do Ensino Superior e da Ciência um Serviço Público, de novo

Na área do Ensino Superior e da Ciência, o processo de especialidade do OE representa uma real oportunidade para responder àquilo que o Ministério que a tutela não teve coragem de resolver.

Um Orçamento para responder às necessidades na Saúde

O Bloco de Esquerda propõe o fim das PPP, medidas de reforço de meios e de investimento na saúde, medidas para melhorar o acesso dos utentes aos cuidados de saúde e de valorização e dignificação das profissões da área da saúde.

Justiça: Propostas para o OE2018 na especialidade

A Justiça é um bem público essencial e o horizonte da consolidação de um Serviço Nacional de Justiça é o que se adequa do modelo de democracia avançada constitucionalmente consagrado. Estas propostas para o Orçamento de 2018 pretenderam ser escolhas sólidas nesse sentido.

Cultura: Propostas para o OE 2018 na especialidade

Quando se afirma que o desenvolvimento tem de assentar em conhecimento e qualificação e se apresenta tamanho défice de investimento em Cultura alguma coisa não bate certo.

Água mole em pedra dura - não bate nem fura

Os cerca de 2.142 milhões de euros para o Ministério do Ambiente não tocarão sequer na ponta do iceberg e nem sequer abrandarão as acentuadas transformações em curso.

“Ou queremos um país que respeita o trabalho ou queremos uma imensa Padaria Portuguesa”, apontou José Manuel Pureza na sua intervenção no parlamento - Foto de Miguel A. Lopes/Lusa

“O país pobre exige que as mudanças estruturais vão mais longe”

No debate do OE 2018, na generalidade, José Manuel Pureza afirmou que o Bloco vota favoravelmente o documento que “recupera rendimentos a começar pelos contribuintes mais atacados pelo Governo anterior” e apontou que as “mudanças estruturais” têm de ir mais longe.

Pedro Filipe Soares intervém no encerramento do debate do OE 2018 (na generalidade) - Foto de António Cotrim/Lusa

"Este é o orçamento do governo minoritário do PS, com medidas propostas pelo Bloco”

Na intervenção do Bloco de Esquerda no encerramento do debate do OE 2018, na generalidade, Pedro Filipe Soares criticou duramente PSD e CDS, salientando que continuam presos aos cortes e ao governo anterior.

Reforçar a autonomia do Poder Local Democrático colocando-o ao serviço das populações

O Bloco de Esquerda apresentou várias propostas para a melhoria do Orçamento de Estado, a nível do poder local.

"É o primeiro Orçamento em que não há cortes contra a Constituição”

Catarina Martins frisou que este é um "orçamento de normalidade", após anos de "cortes e malabarismos". A dirigente bloquista assinalou ainda as limitações do OE’2018, nomeadamente no que respeita à necessidade de mais investimento público.

Não chega chamá-los heróis

Respondemos com proposta concreta, no Orçamento de Estado para 2018, aos anseios dos bombeiros profissionais da administração local naquela que é uma reivindicação com mais de 20 anos e que governos sucessivos ignoraram ou desvalorizaram.

A deficiência ainda não foi uma prioridade

As propostas que apresentámos iriam ter consequências imediatas na vida de muitas pessoas com deficiência, melhorando a sua qualidade de vida. PS e PSD negaram-lhes essa melhoria de qualidade de vida inviabilizando-as.

O OE e as autonomias

A melhoria das condições de vida nas regiões autónomas nos últimos dois anos devem-se as medidas do OE de âmbito nacional e não às opções dos governos regionais.