Está aqui

Vidas hipotecadas

Só no ano de 2011 foram entregues 6.900 casas aos bancos. Perante o abuso do sistema financeiro é preciso ter uma lei que proteja a parte mais frágil da relação contratual, os particulares sobre-endividados.
Segundo as contas do Banco de Portugal, só no ano de 2011 foram entregues 6.900 casas aos bancos, mais 18% que no ano anterior. Foto Paulete Matos

Num país que investiu desmesuradamente no imobiliário e empurrou as pessoas para a aquisição de casa própria, não pára de crescer o rácio de incumprimento dos empréstimos à habitação. Este situa-se em níveis historicamente elevados, o que é evidenciado pelo acréscimo da execução de hipotecas e/ou das dações em pagamento.

Só no ano de 2011 foram entregues 6.900 casas aos bancos, mais 18% que no ano anterior, a larga maioria das quais por particulares. Quando mais de 80% do rendimento disponível está encurralado nas dívidas à habitação (ver gráfico 1), percebem-se as dificuldades cada vez maiores com o “aumento continuado do desemprego e redução acentuada do rendimento disponível das famílias”, diz o próprio Banco de Portugal.

Gráfico 1

É nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto que se concentraram 45,2% dos imóveis entregues aos bancos, encabeçados pelos municípios de Vila Nova de Gaia, Sintra, Alcochete e Lisboa.

Ao contrário do que seria de esperar, com o despejo e entrega das casas aos bancos não fica automaticamente liquidada a dívida. Existirão, certamente, muitos milhares de pessoas que perderam as suas casas porque não as conseguem pagar e, mesmo assim, continuam a ter uma dívida ao banco. Isto porque com a entrega da casa, os bancos procedem a uma reavaliação do imóvel que, em regra, é inferior à que foi feita no momento da aquisição, obrigando os particulares a suportar uma dívida correspondente à diferença entre o valor da casa à data de entrega e o crédito ainda em dívida. Ou seja, não é só a habitação que fica para os bancos, é também a vida das pessoas.

Esta dívida sobre quem perdeu a sua habitação é imoral. Não só atinge quem está fragilizado financeiramente, como esquece que o pagamento dos empréstimos inclui o pagamento de juros e spreads que cobrem, entre outros, o risco do concedente, cujo valor chega a ser frequentemente superior à da amortização do imóvel (ver gráfico 2). Além disso, quem faz a reavaliação dos imóveis não é mais do que quem beneficia com a desvalorização, sendo evidente o conflito de interesses.

Gráfico 2

Ora, esta é a prática dos bancos que está a ser contestada nos tribunais e já resultou em pelo menos sete decisões judiciais de primeira instância (quatro na Madeira e três no Continente) que atestam que com a entrega da casa fica liquidada a dívida, à semelhança do que se tem passado nos tribunais no Estado Espanhol. No entanto, estas decisões são feitas caso a caso e não fazem jurisprudência, o que significa que os bancos estão a interpor recursos e a arrastar para o infinito estas decisões, prejudicando quem está já numa situação de sobre-endividamento e, por isso, teve de abandonar a sua casa.

Torna-se necessário e urgente uma lei que proteja as pessoas e não o sistema financeiro que, recordemos, despoletou a crise financeira e tem desde então especulado com a dívida pública, prejudicando a economia e a vida das pessoas, além de continuar a receber milhões de dinheiros públicos.

Esta lei deve, pelo menos: 1) introduzir uma moratória aos despejos das pessoas hipotecadas até que se encontre uma solução para a sua situação, garantindo que ninguém fica sem alternativa de habitação e assegurando o acesso a justiça gratuita para fazer face a processos de execução; 2) regular a dação de pagamento de modo a que se o banco executa a hipoteca e fica com a habitação então a dívida fica automaticamente liquidada; 3) prever o arrendamento a preços sociais das casas hipotecadas, permitindo aí a permanência dos particulares e garantindo-lhes direitos especiais.

Perante o abuso do sistema financeiro é preciso ter uma lei que proteja a parte mais frágil da relação contratual, os particulares sobre-endividados. E dar visibilidade às vidas hipotecadas é o primeiro passo para travar a injustiça: enquanto cidadã/os devemos ser solidários com quem está perante uma execução de hipoteca e tentar travar os despejos imorais. Ninguém deve ser privado de uma habitação digna, como está expresso na Constituição, nem ninguém deve ter a sua vida hipotecada por uma dívida abusiva.

Sobre o/a autor(a)

Dirigente do Bloco de Esquerda, engenheira agrónoma.
(...)

Resto dossier

Lei dos despejos e crise na habitação

O que vem aí com a nova lei das rendas? É certo que os despejos vão aumentar e nem os mais idosos ficam protegidos de serem expulsos de casa daqui a cinco anos. Numa altura de agravamento da crise social, esta lei dos despejos é mais um violento ataque aos pobres.
Dossier organizado por Luís Branco.

Abriu a caça ao inquilino

Como entra pelos olhos dentro, a média das rendas vai equiparar-se às altas e especulativas rendas dos chamados "contratos novos". Como se verá em pouco tempo, aliás, a ganância do mercado livre vai levar apenas ao encarecimento de rendas.

Como funciona a Lei dos Despejos

A proposta de Lei de Revisão do Arrendamento Urbano recupera a proposta de Santana Lopes e cria condições para que mais de 100 mil famílias possam perder as suas casas.

Quase 35 mil deixaram de pagar empréstimos à banca em 2011

O endividamento das famílias aumenta com o agravar da crise e do desemprego. Em 2011 foram 34.637 famílias a deixar de conseguir pagar os créditos bancários. O incumprimento cresceu 450% no crédito à habitação, e hoje há quase 140 mil famílias sem capacidade para pagar a prestação da casa. Em entrevista ao esquerda.net, Natália Nunes, do Gabinete de Apoio ao Sobreendividado da DECO, defende que os bancos deixem de ser os avaliadores as casas que vão retomar.

Espanha: O que são as Plataformas de Afetados pela Hipoteca?

A bolha imobiliária da década passada criou um endividamento insustentável em Espanha. Com a chegada da crise e o disparar do desemprego, centenas de milhares de famílias foram despejadas. As Plataformas de Afetados pela Hipoteca têm conseguido impedir despejos e agora apostam numa Iniciativa Legislativa Popular para que as famílias possam libertar-se da dívida devolvendo a casa ao banco. Por Carlos Huerga.

Vidas hipotecadas

Só no ano de 2011 foram entregues 6.900 casas aos bancos. Perante o abuso do sistema financeiro é preciso ter uma lei que proteja a parte mais frágil da relação contratual, os particulares sobre-endividados.

O eterno mito do «congelamento das rendas»

A ideia de que a «crise do mercado de arrendamento» se deve ao «congelamento das rendas», após o 25 de Abril de 1974, constitui um dos mitos mais enraizados e incontestados da sociedade portuguesa. Recorrentemente, responsabiliza-se aquela medida – tomada num contexto de profunda carência habitacional e de especulação com os valores praticados – como a causa matricial da crise deste segmento do mercado de habitação.

Movimento de inquilinos propõe mudanças à lei

O movimento de inquilinos nascido em 2004 por iniciativa de moradores do bairro lisboeta de Alvalade e das Avenidas Novas promoveu um plenário para analisar as propostas que constam da lei apresentada pelo Governo. O plenário  aprovou uma moção que propõe alterações que transformem aquela proposta "numa lei de fomento do arrendamento em vez de uma lei de despejos".

A Lei do Despejo

Depois do apelo à emigração, o Governo despediu-se de 2011 com a criação de um Balcão Nacional de Despejos. O último Conselho de Ministros do ano teve na agenda uma das medidas mais emblemáticas do ano de terror social que se avizinha: a nova lei das rendas, com o objetivo assumido de aumentá-las muito e despejar mais rápido. Santana Lopes já tinha tentado, mas foi demitido antes de o conseguir.