Utilização de software livre permite redução imediata da despesa

16 de novembro 2010 - 0:36

A ESOP - Associação de Empresas de Software Open Source Portuguesas afirma que a utilização de software livre na administração central permite poupança de, no mínimo, 80 milhões de euros. Esta posição vai de encontro à proposta do Bloco para OE’2011.

PARTILHAR
A utilização de software livre na administração pública permite uma poupança de 50% a 70% na maior parte das aquisições de software do Estado.

A ESOP relembra, em comunicado, que, conforme dados divulgados pela Direcção-Geral do Orçamento na Conta Geral do Estado de 2009, a Administração Central gastou, no ano passado, cerca de 160 milhões de euros em software informático. Segundo esta associação, a utilização de software livre permitiria a poupança de, no mínimo, 80 milhões de euros.

A ESOP afirma ainda estar «disponível para colaborar com o Estado português num plano que permita baixar drasticamente a despesa com software na Administração Pública», sendo que prevê que seja “ possível atingir uma poupança de 50% a 70% na maior parte das aquisições de software do Estado”, “o que representa uma redução dos custos em software de, pelo menos, 80 milhões de Euros/ano».

Esta associação defende que esta medida pode também traduzir-se numa «melhoria da balança comercial, com a substituição das transferências externas inerentes ao licenciamento, pelo investimento na economia nacional em formação e consultorias técnicas efectuadas por empresas portuguesas».

Bloco propõe utilização de software livre na administração pública

A utilização de software livre na administração pública é uma das propostas do Bloco de Esquerda para o Orçamento do Estado para 2011 que visa a redução imediata da despesa.

O Bloco defende que a introdução de software livre nos “serviços do Estado, Administração Publica Central, poder executivo, legislativo e judicial, empresas públicas ou com capital maioritariamente publico, autarquias locais e sector empresarial” permitiria uma poupança de cerca de 100 milhões de euros por ano.