Está aqui

Marcelo Rebelo de Sousa… Curioso ou estrambólico?

Esconder a realidade da vida cheia de dificuldades que se avizinha não é só curioso e estrambólico é regredir dezenas de anos.

Com o ar mais ligeiro e descontraído de quem comenta um recente romance de uma qualquer editora Marcelo Rebelo de Sousa apresenta-nos a ideia da inevitabilidade da coisa “olhando para as sondagens, de facto há duas pessoas com hipóteses de serem primeiro-ministro, por muito curioso e estrambólico que pareça para os adversários de Sócrates”. “ Alguém que a meu ver não tem condições e, alguém que talvez tenha”.

Mas prosseguindo a sua análise semanal disse ainda que, como militante do PSD votará PSD. -Uma questão de consciência claro está.

Curioso? Sim! Estrambólico? Claro!

Continuando a sua análise disse ainda “Os outros três partidos fogem de falar do acordo como o diabo da cruz. O PSD e o CDS não dizem uma palavra porque devem pensar que é mau estar a dizer o que vem aí de malfeitorias. O PS porque anda a vender a teoria de que aquilo é o PEC4”.

“O conteúdo do acordo é um programa de governo, cobre quase tudo e que é um acordo pesadíssimo, por isso é que eles não querem falar dele”.

E aqui, devo confessar, que Marcelo Rebelo de Sousa, colocou “à rasca” a troika dos partidos que têm escondido o seu verdadeiro programa, trocando arrufos que desviam as atenções do essencial, falando do país como de fossem a Alice, sim aquela do país das maravilhas.

Têm prometido o que sabem que não podem e não querem cumprir.

Têm escondido que o seu objectivo primeiro é servir a banca e a alta finança portuguesa e europeia de quem se tornaram reféns, subjugando Portugal e os trabalhadores portugueses aos novos colonizadores.

Esconder a realidade da vida cheia de dificuldades que se avizinha, do desemprego que vai aumentar, dos apoios sociais que vão ser cortados, da democracia que vai ser pervertida com as alterações às leis do trabalho, não é só curioso e estrambólico, é regredir dezenas de anos.

Esconder que a oferta que têm a fazer aos jovens e aos idosos é mais indignidade e pobreza é ferir de morte os valores de Abril.

O Voto no dia 5 só pode ter um o sentido obrigatório. O de virar à esquerda. Para fazer Abril de Novo!

Sobre o/a autor(a)

Dirigente do Bloco de Esquerda, funcionária pública.
Termos relacionados legislativas 2011
Comentários (1)