Está aqui

Três empresas com fármacos contra o ébola aumentam o seu valor em 1.100 milhões

As empresas norte-americanas Chimerix e BioCryst e a canadiana Tekmira têm fortes subidas desde a deteção dos primeiros casos do surto do ébola. Nenhuma chega à centena de empregados e todas estão cotadas no índice tecnológico Nasdaq. A grande incógnita é quanto valerá o fabricante do ZMapp, que não está cotada em bolsa.

Três empresas norte-americanas que atualmente produzem medicamentos contra o ébola tiveram uma forte valorização bolsista (de cerca de 1.100 milhões de euros no conjunto) desde que, em janeiro, se deram os primeiros casos na Guiné daquele que é já o surto mais mortífero da história deste vírus e que até ao momento matou 3.338 pessoas, segundo a última contagem da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Trata-se das norte-americanas Chimerix e BioCryst e da canadiana Tekmira, As três juntas aumentaram a sua capitalização durante este ano em cerca de 1.400 milhões de dólares (1.100 milhões de euros) pela subida das suas cotações.

As três são pequenas empresas biotecnológicas (nenhuma chega à centena de empregados) que estão cotadas no índice tecnológico Nasdaq de Nova York e que receberam fortes injeções de fundos da Administração norte-americana para o desenvolvimento dos seus produtos.

Em termos absolutos, a companhia que mais aumentou o valor desde janeiro é a Chimerix, fabricante do Brincidofovir. Com sede em Durham, Carolina do Norte, e presente no Nasdaq desde 11 de abril de 2013, o valor das suas ações duplicou durante este ano (subiu 105%), pelo que a sua capitalização cresceu 575 milhões de dólares, até 1.122 milhões.

A empresa, que em 31 de dezembro do ano passado tinha 52 empregados a tempo completo (39 deles dedicados a I&D) viu a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês) aprovar este mês o uso experimental do fármaco, que demonstrou a sua eficácia em provas 'in vitro'. No dia 7 de outubro, a sua cotação subiu no último trecho da sessão mais de 6%.

A seguir figura outra empresa também radicada na mesma cidade da Carolina do Norte, a BioCryst Pharmaceutical, que desenvolveu o antiviral BCX4430 e aumentou o seu valor em cerca de 49% desde janeiro, até cerca de 828 milhões de dólares (mais 454 milhões durante este ano).

A empresa, que está cotada no Nasdaq desde 1994 e que desde então nunca pagou dividendos, tinha cerca de 40 empregados em 31 de janeiro deste ano, segundo a documentação apresentada ao regulador bolsista norte-americano, a SEC.

Por último, a canadiana Tekmira desenvolve um dos fármacos mais conhecidos contra a doença, TKMEbola. Com sede em Burnaby, na Columbia Britânica, está cotada no Nasdaq desde 15 de novembro de 2010 e atualmente o seu valor bolsista ronda os 530 milhões de dólares, depois de ter multiplicado por 3,2 a sua cotação desde janeiro: 366 milhões de dólares mais.

A 21 de março passado, a empresa, que começou as suas operações em abril de 2007, tinha 92 empregados, dos quais 74 estavam dedicados a atividades de I&D.

Menos sorte teve a Sarepta, cuja cotação está praticamente ao mesmo nível que no começo do exercício. Com sede no Estado de Delaware (um paraíso fiscal) e escritórios centrais em Cambridge, Massachusetts, o seu tratamento contra a doença, que tem demonstrado uma taxa de sucesso entre 60% e 80% em macacos, deixou de receber fundos da Administração norte-americana em 2012.

A grande incógnita é quanto valeria a californiana Mappbio, fabricante do ZMapp se estivesse cotada na bolsa. Fundada em 2003 pelo biólogo Larry Zeitlin e com sede em San Diego, apenas tem uma dezena de empregados e o seu soro, que foi usado sem sucesso no missionário espanhol Miguel Pajares, está esgotado. As autoridades norte-americanas estão a trabalhar com a farmacêutica para acelerar a produção de novas doses.

No compêndio de empresas que desenvolvem tratamentos contra o ébola também figuram outras de maior tamanho como a Toyama Chemical, filial da japonesa Fujifilm (o seu fármaco chama-se Favipiravir), ou a britânica GlaxoSmithKline (GSK), cujo composto para o HIV Lamivudine se mostrou eficaz para a doença, segundo assegurou em 2 de outubro um médico liberiano.

Artigo de Antonio M. Vélez publicado a 7 de outubro de 2014 em eldiario.es. Tradução de Carlos Santos para esquerda.net

(...)

Resto dossier

Ébola, a falência do mercado

O desastre provocado pelo surto de ébola é a demonstração do falhanço do mercado e do neoliberalismo. Já morreram quase 5.000 pessoas, só a partir de dezembro começarão a ser experimentadas vacinas e isto não resolverá o fundo dos problemas dos países mais atingidos: miséria, destruição dos serviços públicos de saúde, interesses dominantes das transnacionais.. Dossier organizado por Carlos Santos.

5.000 mortes pelo ébola, testes de vacinas começam em dezembro

Segundo o relatório de 25 de outubro da organização mundial de saúde (OMS), já morreram 4.922 pessoas, vítimas do atual surto do ébola. A OMS anunciou também que, a partir de dezembro, começarão a ser experimentadas vacinas contra o ébola nos países mais atingidos da África Ocidental.

Perguntas e respostas sobre o ébola

Como se transmite o ébola entre os seres humanos? O que faz dentro do corpo? Qual a probabilidade de uma pessoa com o vírus morrer? Como se transmite inicialmente aos seres humanos? Quantas epidemias já ocorreram? Existem vacinas? Porque se chama ébola? Por Alberto Sicilia

As origens da crise do ébola

A solução para estas epidemias não são poções mágicas de vacinas, nem isto se resolve com o envio de tropas. É estrutural, é social, é económico, é ambiental e é investindo em medidas de saúde pública. O que acontece é que os sistemas públicos de saúde estão a ser destruídos. Por Tariq Ali e Allyson Pollock.

As causas económicas e políticas da epidemia de ébola

Em quase nenhuma das informações sobre o ébola aparecidas na maioria dos meios de informação se falou das causas profundas da epidemia do ébola nestes países, sendo a primeira a enorme miséria da grande maioria da população. Por Vicenç Navarro.

Ébola: quem são os artífices da morte e como os combater?

Se a pandemia do ébola continuar a progredir ao ritmo atual, de aqui a janeiro de 2015, poderá afetar 1,4 milhões de pessoas na Libéria e na Serra Leoa. Os dois países mais afetados poderão assistir num ano ao desaparecimento de quase 10% da sua população. Daí que seja urgente compreender as suas causas para procurar evitar o pior e prevenir tragédias parecidas. Por Jean Batou.

Ébola provoca crise alimentar na África ocidental

A epidemia de ébola na África ocidental, que oficialmente já matou mais de 4.500 pessoas, também ameaça desencadear uma crise alimentar nos países onde se concentra, por si só já assolados pela pobreza e pela fome. Por Thalif Deen da IPS

Ébola: A “falência moral” da indústria farmacêutica

O principal médico de saúde pública do Reino Unido defende que a culpa pelo fracasso em encontrar uma vacina contra o vírus do Ébola reside na “falência moral” da indústria farmacêutica em investir numa doença porque a mesma só afetou, até agora, pessoas em África — apesar das centenas de mortes. Por Jane Merrick, no The Independent.

A militarização da epidemia de ébola

Poucas pessoas se oporiam a uma sólida resposta dos Estados Unidos à crise de ébola, mas a natureza militarizada do plano da Casa Branca apresenta-se no contexto de uma militarização mais extensa liderada por Washington na região. Por Joeva Rock.

Peter Piot: “Em 1976 descobri o ébola. Hoje temo uma tragédia inimaginável”

O microbiólogo que descobriu o ébola, fala do surto atual em África como “tempestade perfeita”, salientando que “nesta epidemia houve muitos fatores que eram adversos desde o princípio”. Peter Piot refere que a OMS reagiu tarde, entre outras causas, porque “tem sofrido grandes cortes orçamentais decididos pelos estados membros”.

Três empresas com fármacos contra o ébola aumentam o seu valor em 1.100 milhões

As empresas norte-americanas Chimerix e BioCryst e a canadiana Tekmira têm fortes subidas desde a deteção dos primeiros casos do surto do ébola. Nenhuma chega à centena de empregados e todas estão cotadas no índice tecnológico Nasdaq. A grande incógnita é quanto valerá o fabricante do ZMapp, que não está cotada em bolsa.