Está aqui

Que opções para o Investimento?

Em Junho de 2009, uma sequência de “manifestos” escancarava as divergências existentes no seio da ciência económica. A crise abrira uma pequena brecha para a discussão de alternativas face à economia dominante. Com o peso de seus mais renomados defensores, e o apoio da comunicação social (que claramente tratou os diferentes manifestos de forma desigual), os “defensores do liberalismo económico” trataram logo de abrir a sua “caixa de ferramentas”, com um objectivo claro: sufocar os dissidentes.

Mais do que equivocadas, as vertentes não ortodoxas do pensamento económico são então consideradas nocivas pelas correntes dominantes. No teatro do debate, as opiniões e alternativas consideradas “sérias” e “realistas” são aquelas que discutem as “vírgulas”. Do PS ao CDS/PP, a discussão sobre a condução da política económica não é de facto sobre o sentido, mas sim sobre a intensidade. Quem vai diminuir mais o défice? Quem conseguiu diminui mais o peso do Estado?

É por isso que o investimento público aparece como um falso ponto de convergência e as opções presentes no Orçamento de Estado revelam a prevalência de uma política económica que em nada inspira “confiança” (termo utilizado no próprio relatório). Destacamos neste sentido dois pontos particularmente importantes para compreender estas opções em termos de investimentos: as privatizações e as parcerias público privadas.

No relatório do orçamento podemos encontrar o seguinte trecho: “Apesar do esforço de racionalização da carteira do Estado, importa prosseguir o esforço de privatização e de alienação de participações minoritárias não estratégicas (carteira acessória). Para 2010, continuam assim a fazer parte do plano de desinvestimento do Estado as empresas incluídas no programa de privatizações que não foram alvo de operações de privatização em 2009, sem prejuízo da adequação temporal da sua execução às condições dos mercados”.

Para além da anunciada privatização do BPN, já sabemos que a Aeroportos de Portugal (ANA) e as empresas de saneamento são os próximos alvos do governo. Mais uma vez, o “esforço empresarial” será direccionado para o sector de bens não-transaccionáveis e de características monopolistas, através de contratos que eliminam parte significativa do risco para o investidor deixando-o do lado do Estado.

Por outro lado, a segunda grande opção em termos de investimentos públicos tem sido feita através da constituição de parcerias público privadas (PPP). Neste domínio, Portugal desponta como o país com maior peso de investimentos na forma de PPP em relação ao PIB: 700 milhões de euros em encargos estão destinados para estas parceiras só em 2010.

São duas as principais críticas que se pode fazer sobre esta opção: (i) a opacidade inerente a estes negócios e; (ii) o custo acrescido que sistematicamente implicam estas operações. A ausência de transparência verifica-se tanto na contratualização e impossibilidade prática de acompanhamento rigoroso da execução das empreitadas, como no efeito nefasto que estas operações representam em termos da desorçamentação que implicam. Até hoje, as PPP contratualizadas já atingem um custo ao Estado de 48 mil milhões de euros até 2050.

Sobre o/a autor(a)

(...)

Resto dossier

O orçamento já começou a fazer estragos

Como poderia o PS votar a favor de mais despesa social se, o seu orçamento para 2010, se centra na obsessão de reduzir a despesa pública, custe o que custar? Neste caso, as vítimas foram os doentes oncológicos.

OE 2010

No próximo dia 12 de Março, o parlamento vota a Proposta de Lei do OE 2010 apresentada pelo governo. Este dossier discute as opções desta proposta.

Uma Europa de princípios não deixaria a Grécia sangrar

A menos que haja uma regra para os grandes e poderosos e outra para os pequenos, a União Europeia deve apoiar a nova liderança de Atenas.

As grandes escolhas que Sócrates não fez

O sistema fiscal português continua a precisar de profundas reformas que o tornem mais justo e equitativo.

As Grandes Opções de José Sócrates

A opção de José Sócrates ao construir um orçamento com a direita, não deixa dúvidas sobre a orientação que lhe está associada.

Porque é que consideram a China um problema e a Alemanha não?

Não é sustentável a prazo que economias sujeitas à mesma política monetária e à mesma taxa de câmbio tenham posições tão distintas nas suas balanças externas. Parece cada vez mais consensual que a sustentabilidade do euro (e, em última análise, da integração europeia) não dispensa um reforço significativo da coordenação das políticas económicas da UE.

O opaco preço da liberalização financeira

No momento em que os Estados se endividam na tentativa de resolver os problemas criados, em parte, pelas agências de rating, estas cortam, ou ameaçam cortar, a sua notação, dificultando a resposta à crise. É preciso desacreditar estas empresas e substitui-las por agências públicas internacionais, sem fins lucrativos, cujos modelos de avaliação sejam transparentes.

Que opções para o Investimento?

O investimento público constitui um “falso ponto de convergência”. As opções presentes no Orçamento de Estado, são de facto, reveladoras de uma política económica que em nada inspira “confiança”. E, neste sentido, há dois pontos que se revelam particularmente importantes para compreender estas opções em termos de investimentos: as privatizações e as parcerias público privadas.

Monetarismo institucionalizado

A narrativa da insustentabilidade do défice e da dívida pública já está instalada no espaço público. Sem argumentação cuidada, assumida com um "dado técnico". E, contudo, iniciar de imediato um processo de desendividamento público não tem qualquer justificação com fundamento científico.