Está aqui

Nunca foi só por 20 centavos! Nunca foi só por uma bandeira!

Quando estamos diante de grandes mobilizações de massas, com milhares de pessoas, em condições de liberdades democráticas, em que não seremos presos pela polícia, não é somente um direito, mas, também, um dever dos socialistas levantar as suas bandeiras. Não o fazemos porque queremos “aparecer”. Estamos defendendo um programa. Não somos surfistas das lutas, somos parte, lado a lado, dos agitadores e organizadores das lutas. Por Valério Arcary, Blog Convergência
Valério Arcary: Agora ficou provado que, se lutarmos, é possível vencer. Nunca foi só por centavos. Nunca foi só por uma bandeira. Foto do PSTU

Na última quinta feira, dia 20 de junho, durante as manifestações na Avenida Paulista, em São Paulo, e na Presidente Vargas, no Rio de Janeiro, as colunas de militantes da esquerda foram atacadas por grupos de indescritível boçalidade que queimaram as faixas. As bandeiras vermelhas foram perseguidas com ferocidade fascista. Dezenas de militantes foram agredidos, violentamente e, para evitar um confronto físico que poderia ter sido muito mais grave, em condições imensamente desfavoráveis, porque os agressores fascistas eram apoiados por uma parcela da manifestação que gritava “sem partido, sem partido!”, a esquerda decidiu retirar-se da manifestação.

O que aconteceu foi uma tragédia. Militantes de todos os partidos de esquerda estão revoltados e perplexos. Com razão, porque o que aconteceu foi terrível. Tivemos que enfrentar a repressão policial, incontáveis vezes, é verdade. Mas há décadas que não tínhamos que disputar o direito de marchar nas ruas contra os fascistas. A esquerda ocupou as ruas depois do final dos anos 1970, há trinta e cinco anos atrás.

No entanto, é bom lembrar que não foi a primeira vez que os militantes, que hoje se organizam no PSTU, se viram obrigados a defender, vigorosamente, o direito de se apresentar publicamente com suas bandeiras. Por exemplo, em 1984, quando da campanha das Diretas já!, uma campanha de unidade na ação democrática contra o último governo da ditadura que uniu os partidos da classe trabalhadora com partidos burgueses, como o então MDB de Tancredo, e o PDT, foi Brizola quem atacou o nosso direito de levantar uma faixa na Presidente Vargas com a palavra de ordem Um dia de Greve Geral no 25 de Abril pelas Diretas Já! Do palanque, diante de um milhão de pessoas, Brizola fez uma agitação para legitimar um ataque que levou a que a faixa fosse derrubada. Na luta política pelos destinos da campanha das Diretas já! contra os partidos burgueses, Brizola, então governador do Rio, e um dos principais oradores do comício, queria impedir que as massas nas ruas vissem aquilo que os revolucionários não podiam dizer no palanque. Na luta pela democracia, usou os métodos mais antidemocráticos, próprios do que existe de mais podre da luta política: apoiou-se na autoridade que tinha para impedir que uma tendência minoritária no PT, a Convergência Socialista, pudesse apresentar a sua proposta. Não teve a honestidade política de confrontá-la com argumentos, mas, covardemente, à paulada.

Os símbolos são menos importantes que as ideias. É verdade. Não é uma questão de princípios levantar bandeiras em todos os atos. É uma escolha tática, portanto, em última análise, depende da correlação de forças. Debaixo de uma ditadura não levantamos bandeiras, senão seremos presos. E só idiotas agem sem medir a consequência de seus atos. Não somos nem gente teimosa, nem obtusa. Mas há uma questão de princípios envolvida na polémica sobre baixar ou não as bandeiras.

Queremos apresentar nossa opinião, com franqueza, para toda a esquerda e, em especial, para os mais jovens. Sabemos que têm dúvidas. É razoável ter dúvidas. Afinal, são milhares gritando “sem partido!” e isso impressiona. Mas é bom saber que a luta política é quase sempre assim, difícil, porque é contra a maioria. Se fossemos maioria não seria difícil. Ser leninista, no aniversário de 110 anos da publicação do livro “O Que fazer?”, é ter a compreensão que não podemos fugir da luta política contra as ilusões da juventude e dos trabalhadores. É uma luta contra a falsa consciência das massas.

Vamos ao ponto. Quando estamos diante de grandes mobilizações de massas, com milhares de pessoas, em condições de liberdades democráticas, em que não seremos presos pela polícia, não é somente um direito, mas, também, um dever dos socialistas levantar as suas bandeiras. Muitos concordam connosco que é um direito, o direito elementar à liberdade de expressão, mas discordam que é um dever. Queremos explicar porque é um dever. Nossa opinião é que oportunismo não é levantar as bandeiras, mas o contrário, escondê-las.

Os revolucionários podem e devem usar os métodos conspirativos contra a polícia, os patrões, e todos os inimigos para se proteger. Em condições adversas, entramos na clandestinidade, se necessário. Mas, ainda nessas condições extremamente difíceis, com as mediações de segurança necessárias, não escondemos pelo que lutamos diante dos ativistas. E o fazemos porque os socialistas têm o dever de não se esconder do proletariado.

O que nos faz agir assim é simples: a honestidade política nos obriga a dizer quem somos, e qual é o nosso programa. Sabemos que o proletariado não concorda, atualmente, com o projeto da revolução brasileira. Sabemos que hoje estamos em minoria. Mas só poderemos ser maioria, um dia, quando se abrir uma situação revolucionária, se tivermos a coerência e honradez de defender o programa enquanto formos, paciente, porém, corajosamente, uma minoria. Confiamos no proletariado e na sua vanguarda, porque é com eles que queremos fazer a revolução brasileira. Confiamos nos trabalhadores, até quando eles mesmos não confiam em si próprios. Queremos mudar o mundo, mas, para isso, é preciso mudar as pessoas. Mudar as pessoas é fazer política, e a luta política é uma luta educativa.

Somos honestos, e dizemos quem somos e pelo que lutamos. E isso não é fácil. Porque, a maior parte do tempo, defendemos ideias revolucionárias em situações políticas em que a maior parte dos trabalhadores não concorda connosco. Seria mais fácil nos adaptarmos, e dizer somente aquilo que a maioria, nas fábricas e escolas, quer ouvir, porque já concordam. Queremos ser um instrumento de organização para que eles, trabalhadores e jovens, possam lutar e vencer contra o capitalismo. Não escondemos nossa identidade, não nos mascaramos atrás de siglas obscuras e mutantes, não apresentamos nossas ideias pela metade. Não queremos o apoio fácil, não queremos ser votados sem que os trabalhadores saibam em quem estão votando. Não somos oportunistas, somos honestos.

Não o fazemos porque queremos “aparecer”. Não somos uma marca que precisa de publicidade. Não estamos vendendo nada. Estamos defendendo um programa. Não somos surfistas das lutas, somos parte, lado a lado, dos agitadores e organizadores das lutas. Quem esteve nas greves e lutas dos últimos quarenta anos pode não concordar connosco, mas não pode negar nossa dedicação, honestidade e coragem. Já tivemos erros (e quem não teve?), mas sempre estivemos do lado certo das barricadas. Sempre estivemos ao lado dos trabalhadores, da juventude, dos explorados e oprimidos.

Nas passeatas da quinta dia 22 de junho estávamos defendendo uma faixa enorme com a proposta de estatização dos transportes, para garantir o passe livre. E tínhamos a obrigação de assiná-la como PSTU, porque não somos anónimos, não saímos mascarados. Saímos de rosto exposto, porque somos gente responsável e honesta. Qualquer um na manifestação tinha o direito de não concordar. Mas não tinha o direito de queimá-la, não tinha o direito de impedir que a apresentássemos publicamente. Quem defende que os socialistas não podem se expressar, na verdade, defendem a nossa destruição. Esses são os fascistas. Sabemos, evidentemente, que a maioria dos que gritavam atrás dos fascistas (“sem partido, sem partido!”) não são fascistas. Mas a posição que defenderam foi, na prática, a mesma, e isso merece ser discutido.

Muitos se perguntam se o PSTU não deveria ter abaixado as bandeiras, já que a maioria pediu que as bandeiras fossem retiradas. Este argumento parece democrático. Mas não é. É super, hiper, mega autoritário. Não era permitido partido? Quem decidiu? Quando decidiu? Houve algum debate? A maioria não tem o direito de impedir a minoria de se expressar. Porque, senão, teremos monolitismo da maioria, e ainda por cima, sem a possibilidade de reversão da posição maioritária, porque a minoria nunca poderá lutar para ser maioria. Sem liberdade, não haverá disputa de ideias. A disputa de ideias é a essência da liberdade. Um mundo melhor será um mundo mais livre e mais igualitário. Não haverá nunca liberdade entre desiguais. Mas não haverá igualdade sem liberdade.

Não haverá democracia no movimento sem a tolerância da maioria com a minoria. A maioria tem muitos direitos, mas não o de impedir a expressão da minoria. A maioria tem o direito de votar quais são as reivindicações, mas após um debate em que as minorias devem poder se expressar. A maioria tem o direito de decidir o que vai ser feito e quando vai ser feito, mas as minorias tem o direito de apresentar propostas alternativas. Ninguém tem o direito de considerar que é infalível.

A maioria tem o direito de votar, por exemplo, que não se deve tolerar o vandalismo. Tendo sido essa a decisão, a maioria tem o direito de impedir as depredações. A maioria tem o direito, assim, de impedir a destruição dos prédios públicos e impedir quem tentar agir de forma provocatória, o que só pode ajudar a legitimação da repressão. A maioria tem o direito de impedir as tentativas de invasão, como a do Palácio dos Bandeirantes em São Paulo e do Itamaraty em Brasília. Mas não tem o direito de queimar as faixas e símbolos das minorias que respeitam a vontade da maioria.

Alguns jovens argumentam que “partido é tudo igual”. Dizem que “ninguém aguenta mais partido”. Defendem que partidos são inúteis. Que toda a esquerda é igual ao PT. Atenção, que a desilusão com o PT tenha se transformado em desprezo é compreensível, mas não é verdade que todos os partidos sejam iguais, e muito menos que sejam inúteis. Há várias formas de organização na sociedade. Sindicatos devem representar categorias. Movimentos sociais representam a luta por um programa específico. O MPL luta contra o aumento das passagens, por um programa em defesa dos transportes públicos, pelo passe livre. O movimento estudantil luta pela defesa do ensino público. São lutas importantes, necessárias, mas são lutas parciais.

Cada partido representa os interesses de cada uma das classes sociais em que se divide a nação. Há muitos partidos que defendem programas alternativos que respondem, quase todos eles, aos interesses da burguesia, porque ela é a classe dominante. No Brasil, em sua maioria, são máquinas eleitorais corrompidas. Corrompidas pelo financiamento dos caixas dois nas campanhas eleitorais, e pela manipulação das verbas públicas. Representam as poucas centenas de grandes corporações que elegem quase todos os deputados e senadores, prefeitos, governadores e presidentes. Merecem ser repudiados. Até o PT se transformou em um partido da ordem do capital. Mas o problema não são os partidos, mas os capitalistas que os compraram. Não vamos mudar o Brasil se não derrotarmos o capitalismo.

Não há forma de defender um programa político que não seja a organização, ou seja, a união voluntária de militantes. Isso é um partido mesmo que não tenha nome de partido. Há muitos grupos políticos na Internet que são partidos, somente evitam denominar-se assim. A Rede Globo é um partido da burguesia brasileira, embora não tenha um “P” em seu nome. Marina Silva resolveu aderir à moda denominando o seu partido de Rede, porque acredita que com essa camuflagem seria mais fácil de dialogar com a juventude. Isso é que é oportunismo, mascarar-se para evitar o atrito.

Não será um líder iluminado que poderá resolver a crise brasileira. Acabou a época dos líderes carismáticos. Jânio fez uma carreira trocando de partido. Collor também o fez. A luta de partidos é inevitável. São as partes da sociedade, isto é, as classes sociais, que lutam umas contra as outras. A pluralidade de partidos é, portanto, inevitável. Quem defende que não haja a luta de partidos são os fascistas. Para salvar o capitalismo, eles pretender acabar, pela força, com a luta de classes, como se fosse possível eliminá-la sem eliminar o capitalismo. Os fascistas defendem que uma só bandeira pode ser hasteada, a nacional. Um só programa pode ser defendido, o deles. Um só líder, o deles. Salazar, Franco, Mussolini, Hitler. A esquerda não é toda igual ao PT. Há uma esquerda que apoia o governo, e uma esquerda que foi contra os governos do PT. O PSTU esteve sempre ao lado das causas mais justas, e das lutas populares.

Duas armadilhas estão no caminho da luta. Três campos, pelo menos, irão se definir, nas próximas semanas, ou dias. Uma parte da burguesia, representada pelo PSDB, DEM e a Rede Globo, vai tentar dirigir a mobilização para desgastar o governo do PT e canalizar o mal estar para as eleições do próximo ano. Terá dificuldade em desviar as massas juvenis e populares da luta pelas reivindicações concretas, entre outras muitas razões, porque são governo em São Paulo, Minas Gerais e outros Estados. Mas está na disputa. Foi Alckmin quem mandou atirar, e não disse uma palavra de arrependimento, porque está esperando a hora para voltar a usar a repressão. O PT e seus satélites, por sua vez, vão tentar, também, desviar a mobilização. Vão deslocar a luta das reivindicações para a defesa da “democracia”, ou seja, para conseguir uma trégua nas ruas, para ganhar tempo para que a energia que nasceu das ruas se perca pela confusão e o cansaço. Já há quem fale em ofensiva da direita, perigo de golpe, frente democrática dos movimentos sociais, da esquerda, contra o golpe. Esse argumento tem, também, um probleminha. Foi Haddad quem mandou atirar. E, tampouco, admitiu qualquer arrependimento. E Dilma foi à TV para dizer que pode colocar as Forças Armadas nas ruas.

O terceiro campo será o da unidade da juventude com os trabalhadores. Essa é a força social mais poderosa que há no Brasil. A juventude abriu uma janela de esperança. Se olharmos bem por ela, veremos que nas fábricas e empresas de todo o país há milhões de trabalhadores que estão há muito tempo querendo acreditar que é preciso lutar. Agora ficou provado que, se lutarmos, é possível vencer. Nunca foi só por centavos. Nunca foi só por uma bandeira.

Valério Arcary é um historiador marxista e dirigente do PSTU. Graduado em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e doutor em História Social pela Universidade de São Paulo.

(...)

Resto dossier

A Primavera do Brasil

Uma gota d'água de 20 centavos foi suficiente para que o descontentamento popular extravasasse todas as barreiras no Brasil e expusesse os pés de barro do seu tão falado desenvolvimento. Neste dossier coordenado por Luis Leiria, o Esquerda.net reúne informações que permitam ao leitor compreender melhor o contexto dos atuais acontecimentos, para além de dar acesso à cobertura que o portal vem fazendo desde o início.

A cobertura do Esquerda.net

Acompanhe aqui a cobertura dos protestos no Brasil realizada pelo Esquerda.net, sempre atualizada, através deste link

Cronologia dos vinte dias que abalaram o Brasil

Relembre os acontecimentos que começaram com um protesto de 2 a 4 mil pessoas e se transformaram num poderoso movimento que sacudiu o país de Norte a Sul.

Os limites do crescimento e da distribuição de rendimento

Houve um aumento do rendimento do trabalho no período do governo Lula, mas a redução da desigualdade foi muito pequena e a ideia de que o Brasil se tornou num país de classe média é uma construção ideológica que não corresponde à realidade. Compilação de alguns artigos de Valério Arcary, Márcio Pochmann, Ruy Braga e Reinaldo Gonçalves. Com links para os originais, cuja leitura recomendamos.

Por que protestam contra a Copa

Em Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba e Fortaleza protestos contra a Copa misturam-se às bandeiras por participação política, transporte e serviços públicos de qualidade. Veja aqui sete razões para que a festa esteja a transformar-se em manifestação. Por Marina Amaral, Agência Pública.

Quem somos

Que representa o Brasil? As avançadas tecnologias ou a miséria analfabeta de grande parte das escolas públicas? A medicina de ponta disponível em hospitais caríssimos, ou a decadência dos hospitais públicos sem estrutura? Por Sérgio Denicolli.

“Decifra-me ou te devoro”: os grandes média e as manifestações

Como a Globo foi mudando a sua cobertura das manifestações, da denúncia como atos de “vândalos” ao suposto “apoio”, tentando esvaziar o seu conteúdo social. Por Gilberto Calil, Blog Convergência

Nunca foi só por 20 centavos! Nunca foi só por uma bandeira!

Quando estamos diante de grandes mobilizações de massas, com milhares de pessoas, em condições de liberdades democráticas, em que não seremos presos pela polícia, não é somente um direito, mas, também, um dever dos socialistas levantar as suas bandeiras. Não o fazemos porque queremos “aparecer”. Estamos defendendo um programa. Não somos surfistas das lutas, somos parte, lado a lado, dos agitadores e organizadores das lutas. Por Valério Arcary, Blog Convergência

O significado e as perspetivas das mobilizações de rua

Para João Pedro Stedile, a juventude mobilizada, por sua origem de classe, não tem consciência de que está participando de uma luta ideológica. Assim, estão sendo disputados pelas ideias da direita e da esquerda. Por Nilton Vianna, Brasil de Fato.

“A esquerda radical também foi surpreendida pela amplitude das mobilizações"

Há sinais de que a política do PT no poder se está a esgotar e que o PT foi, sem dúvida, o partido mais afetado pelas manifestações, diz nesta entrevista João Machado, da direção nacional do PSOL, para quem organizações mais independentes, como as que têm impulsionado as mobilizações, provavelmente vão reforçar-se. Por Juan Tortosa, Solidarités

Rede Globo, o povo não é bobo

Por representar o que há de mais comprometido com o capitalismo selvagem, a perspetiva da Rede Globo é emblemática de como a plutocracia enxerga as mobilizações populares que ameaçam os seus privilégios seculares. Por Plínio de Arruda Sampaio Jr.

Brasil: Como os média mudaram de posição em poucos dias

Veja alguns exemplos de como os grandes meios de comunicação brasileiros atacaram os protestos e icentivaram a repressão, para depois mudar totalmente de atitude.

A guerra cibernética e a sublevação popular no Brasil

A disputa pela consciência desse movimento e do conjunto da classe trabalhadora será dada de forma cada vez mais importante numa arena nova e ainda de potencial imprevisível: a das comunicações eletrónicas por meio da Internet. Por Henrique Carneiro, Blog Convergência

O Petróleo garante os 10% do PIB para a Educação?

No seu discurso à nação, no dia 24 de junho, a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, afirmou que o seu governo "tem lutado" para que "100% dos royalties do petróleo e 50% do pré-sal [jazidas de petróleo a grande profundidade] sejam investidos na Educação". Esses recursos, porém, não são suficientes para responder ao clamor nacional.

Não há problemas técnicos nem financeiros para implantar a Tarifa Zero

De acordo com Lucio Gregori, ex-secretário de transportes da Prefeitura de S. Paulo e um dos precursores do projeto Tarifa Zero, o passe livre não é nenhuma utopia de jovens “vândalos” e “desocupados”. Por Gabriel Brito e Valéria Nader, da redação do Correio da Cidadania.