Está aqui

Dossier Presidenciais dos EUA no YouTube

Neste dossier divulgamos o papel que o YouTube está a ter nas eleições presidenciais norte-americanas de 2008. Youtube e as eleições presidenciais americanas de 2008 aborda esse papel e divulga dois vídeos de humor político, dos mais vistos até agora, em Debate CNN/Youtube com candidatos do Partido Democrata descreve-se o debate realizado por aquela estação com perguntas em vídeo.
Três artigos publicados em jornais dos EUA e da Grã-Bretanha analisam a temática: Porque é que o YouTube recebe o meu voto de Jeff Jarvis do Guardian, Perguntas do povo, certeiras e surpreendentes de José António Vargas do Washington Post e A eleição YouTube de Rebecca Tinkelman do The Nation. Em cada artigo pode ver dois vídeos colocados no YouTube.

(...)

Resto dossier

Dossier Presidenciais dos EUA no YouTube

Neste dossier divulgamos o papel que o YouTube está a ter nas eleições presidenciais norte-americanas de 2008.

A eleição YouTube

Os candidatos presidenciais de 2008 querem que se saiba que eles sabem mover-se no YouTube. Hillary Clinton, Barack Obama, John Edwards e Sam Brownback, todos anunciaram as suas candidaturas no site de partilha de vídeos, e uma página oficial hospeda vídeos de dezassete candidatos. Alguns comentadores chamam a isto a eleição YouTube.

Perguntas do Povo, Certeiras e Surpreendentes

Indemnizações pela escravatura. Ateísmo. A definição de um liberal. O casamento do velho com o novo deu à luz algo raro no debate presidencial dos democratas na segunda-feira à noite: perguntas diversificadas e surpreendentes de um grupo diverso de entrevistadores.
Na primeira ronda de perguntas da noite - e possivelmente a primeira num debate presidencial a começar com "Tá-se?" - Zach Kempf de Provo, no Utah, prontamente perguntou aos candidatos: "O que é que os vai tornar mais eficazes, para além de todas as banalidades e coisas que estamos habituados a ouvir? Isto é, sejam honestos connosco. Como é que vocês vão ser qualquer coisa diferente?"

Porque é que o YouTube recebe o meu voto

A Revolução não será transmitida na televisão. Será emitida no YouTube. A TV dos povos já se está a transformar num poderoso instrumento político - de comunicação, mensagem e imagem - para as próximas eleições americanas. Testemunho: Os democratas Hillary Clinton, Barack Obama e John Edwards; o republicano Sam Brownback e outros candidatos anunciaram as suas candidaturas à Casa Branca não em entrevistas nos canais de televisão, nem em grandes eventos públicos, mas sim nos seus vídeos pessoais online.

YouTube e as eleições presidenciais americanas de 2008

A campanha para as eleições presidenciais norte-americanas de 2008 já não se limita a percorrer o território americano de costa a costa e a fazer comícios em todos os estados, nem os candidatos se limitam a participar em debates nos canais de televisão mais populares. O YouTube tornou-se um cenário privilegiado do combate eleitoral e os candidatos não se limitam a combater entre si, mas enfrentam os internautas, que no espaço virtual não se limitam a serem espectadores da política, pelo contrário têm algo a teclar sobre o assunto. Os vídeos mais vistos até agora são de humor político, com o vídeo da "Obama Girl" a ter, neste início de Agosto de 2007, quase três milhões de visitas.

Debate CNN/YouTube com candidatos do Partido Democrata

Na segunda-feira 23 de Julho de 2007 realizou-se, no Estado da Carolina do Sul, um debate entre os oito pré-candidatos do Partido Democrata à Presidência dos Estados Unidos da América. Este não foi apenas mais um debate televisivo entre candidatos, uma vez que foi organizado em parceria pela CNN e pelo YouTube.