Está aqui

Sandra Cunha

Deputada e dirigente do Bloco de Esquerda. Professora universitária. Socióloga.

Artigos do Autor(a)

20 de Abril, 2019 - 14:36h

Apresentação de dois projetos de lei, um que possibilita a aplicação de imposição de condutas, quando há indícios da prática do crime de perseguição, e de outro que protege as crianças que testemunhem crimes de violência doméstica.

16 de Fevereiro, 2019 - 11:01h

Os números são por si só aterradores. Mas o horror adensa-se quando sabemos como estes números escondem vidas inteiras de violência e sofrimento.

8 de Outubro, 2018 - 01:50h

A mudança reclamada pelo movimento social não responde a agendas ideológicas nem a modas. Responde simplesmente ao imperativo da igualdade e da justiça.

3 de Maio, 2018 - 10:21h

Esta persistente naturalização da violência pelos tribunais é absolutamente inaceitável. Isto tem de ter um fim.

16 de Março, 2018 - 11:51h

Entre 2011 e 2016, fomos o país da União Europeia em que o fosso salarial mais cresceu entre homens e mulheres.

9 de Março, 2018 - 11:54h

Há uns dias, uma mulher, metalomecânica na indústria automóvel, perguntava-me com alguma indignação porque continuávamos, nos dias de hoje, a falar tanto de feminismo e porque nunca estávamos "satisfeitas".

28 de Novembro, 2017 - 15:44h

Respondemos com proposta concreta, no Orçamento de Estado para 2018, aos anseios dos bombeiros profissionais da administração local naquela que é uma reivindicação com mais de 20 anos e que governos sucessivos ignoraram ou desvalorizaram.

24 de Novembro, 2017 - 17:27h

Respondemos com proposta concreta, no Orçamento de Estado para 2018, aos anseios dos bombeiros profissionais da administração local naquela que é uma reivindicação com mais de 20 anos e que governos sucessivos ignoraram ou desvalorizaram.

31 de Outubro, 2017 - 14:14h

Quando as instâncias legítimas para fazer cumprir a lei e trazer justiça às vítimas de um dos crimes mais ignóbeis da humanidade escolhem a condescendência, a desculpabilização, a legitimação da violência domésticas, não podemos mais contemporizar.

11 de Julho, 2017 - 10:12h

Porque é que uma criança que chega a uma família por via da adoção tem direito a menos tempo com os pais do que uma criança que chega à família por via biológica?

Páginas