Pedro Caldeira Rodrigues

Jornalista

Nas conclusões da cimeira da NATO, nem uma linha sobre Israel e a sua política colonial, de ‘apartheid’, de “limpeza populacional” em larga escala. Por isso, a autoridade moral, a ética, a decência, dos países ocidentais que a integram, voltou a colapsar.

Joe Biden anunciou o seu “plano de paz”, mas é previsível que nada mude no imediato. Os Estados Unidos vão permanecer o mais fiel aliado do atual regime extremista israelita, vão continuar a fornecer-lhes todo o armamento de que necessitem, todo o apoio monetário, toda a cumplicidade diplomática, todo o silêncio perante os contínuos massacres, ou um silêncio cúmplice face à propagação das censuras.