Está aqui

Bruno Góis

Investigador. Mestre em Relações Internacionais. Doutorando em Antropologia. Ativista do coletivo feminista Por Todas Nós. Dirigente do Bloco de Esquerda.

Artigos do Autor(a)

3 de Maio, 2016 - 10:24h

Além de defensor da imprensa livre, Karl Marx foi ele próprio jornalista. Os seus trabalhos de jornalista e cronista foram fundamentais para a formação de Marx. Do mesmo modo que os jornais da época foram uma importante fonte dos seus estudos. Artigo de Bruno Góis.

24 de Abril, 2016 - 22:50h

O financiamento público dos partidos é fundamental. O contrário disso é lançar a política diretamente nas mãos das classes que já têm demasiada força material e ideológica nas sociedade capitalistas.

26 de Março, 2016 - 11:01h

Só podemos romper o muro do pessimismo com novas utopias concretas.

6 de Março, 2016 - 12:02h

Alguma historiografia conservadora centra-se na biografia e na psicologia dos pensadores e dos líderes políticos. E Karl Marx não escapa a essas investidas, sejam elas intelectualmente grosseiras ou grosseiramente intelectuais.

26 de Janeiro, 2016 - 00:06h

A vitória presidencial de uma direita que sorri para as câmaras é um desafio que a esquerda tem de levar a sério.

26 de Dezembro, 2015 - 00:03h

Pablo Iglésias considera que o referendo da Catalunha “é imprescindível para construir um novo compromisso histórico”.

2 de Dezembro, 2015 - 15:49h

O movimento estudantil do secundário do Estado de São Paulo ocupou mais de 200 escolas contra o fecho de 94 escolas e a degradação do ensino. Essa luta aguerrida está a ser alvo de repressão pela Polícia Militar a mando do governo estadual.

9 de Setembro, 2015 - 11:21h

A xenofobia e a islamofobia "soft" avança no discurso das pessoas mais inesperadas. Não nos enganemos, estas pessoas que assim reagem não são necessariamente más pessoas.

17 de Junho, 2015 - 14:30h

Alexis Tsipras continua a não desistir de lutar pela dignidade do povo grego e pela esperança dos povos da Europa.

24 de Abril, 2015 - 12:30h

O combate ao domínio colonial, ao racismo e ao imperialismo, hoje como ontem, são necessidades da emancipação popular em geral, e em particular da classe de quem trabalha.

Páginas