Está aqui

Maré humana na capital tunisina na abertura do ‘Fórum da Dignidade’

A mobilização partiu quase às 5 da tarde hora local, da Praça 14 de Janeiro, na confluência das artérias centrais Burguiba e Mohamed V, percorrendo mais de seis quilómetros até ao Estádio Menzah, onde chegou duas horas e meia mais tarde e onde se realizou uma festa popular com discursos e concertos. Por Sergio Ferrari, Adital.
"Alguns meios internacionais de imprensa calcularam em torno de 30 mil os participantes da marcha"

A marcha esteve encabeçada por um grupo de pessoas com deficiência. Organizações de esquerda italiana formaram a retaguarda. Mais de um quilómetro separava uma da outra. Alguns meios internacionais de imprensa calcularam em torno de 30 mil os participantes da marcha.

Uma mobilização realmente impressionante, disse para este correspondente, um jornalista gráfico de uma agência alternativa local, com experiência neste tipo de convocatórias.

"Importante para recuperar o ânimo tanto de nós como das forças democráticas do Magreb”, indicava por sua parte Vladimiro Lanello, militante associativo italiano presente pela primeira vez no Fórum Social Mundial.

Menos musical que as manifestações típicas dos fóruns anteriores na África e América Latina, ainda que com um particular tempero festivo, a marcha da Tunísia expressou também uma forte politização política, com a presença dominante de representantes do Magreb/Mashrek. Desde setores políticos antagónicos locais até forças opositoras do Egito com uma abundante participação de diversas organizações palestinas.

Palestina será uma temática chave desta edição do Fórum e constituirá o eixo da convocação da marcha de encerramento do FSM no próximo sábado 30 de março.

A Marcha Mundial de Mulheres, Via Campesina, diferentes redes mundiais e regionais, Amnistia Internacional, ATTAC, o Comité pela Anulação da Dívida do Terceiro Mundo, os povos negros do Brasil e numerosas organizações da região anfitriã fizeram-se visíveis com cartazes e bandeiras.

A presença da Associação dos Tunisinos Vítimas da Migração, encabeçada por várias mulheres vestidas de luto – mães dos emigrantes desaparecidos especialmente na Itália – contribuiu com uma nota de particular emoção ao cortejo.

"São mais de 800 os jovens tunisinos mortos ou desaparecidos na tentativa de emigrar clandestinamente do país nos últimos dois anos”, assinalou a jovem Ayani Hamida, cujo irmão Ali enviara um último sinal ao chegar ao porto italiano de Lampedusa, depois do qual não se teve notícia alguma dele.

A marcha pacífica viveu pequenos momentos de tensão que não chegaram a maiores ao se enfrentar com sinais antagónicos um grupo minoritário ligado a Ennahda – Partido do Renascimento – no Governo da Tunísia e os manifestantes da oposição local de esquerda.

O Fórum Social Mundial abriu as suas atividades autogeridas nesta quarta-feira (27) na Universidade Manar. Nos dias 29 e 30 cerca de cinquenta "assembleias temáticas de convergência” realizar-se-ão na avenida central Burguiba, segundo informou a este correspondente Kamal Lahbib, presidente do Fórum das Alternativas de Marrocos e membro do Conselho Internacional do FSM. No que constitui uma inovação criativa "esses eventos buscarão enriquecer-se com a presença dos habitantes da capital”, argumentou.

Lahbib confirmou também que até à manhã do dia da abertura "haviam-se inscrito 30 mil participantes” vindos de mais de 120 países. A diferença de outras convocatórias anteriores, "a credencial concedida pelo FSM não será uma condição para entrar nas atividades previstas no centro universitário da capital”.

Artigo de Sergio Ferrari, Correspondente latinoamericano acreditado na ONU, Genebra, Suíça, publicado em Adital

política: 
fsm 2013
(...)

Resto dossier

Fórum Social Mundial 2013 na Tunísia

O esquerda.net reuniu alguns artigos e testemunhos sobre o Fórum Social Mundial que pela primeira vez juntou ativistas dos movimentos sociais no país que esteve no centro da "primavera árabe". A situação política tunisina marcou também várias análises publicadas neste dossier.

FSM 2013: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais

A nona edição do Fórum Social Mundial terminou este sábado na capital tunisina com uma manifestação de solidariedade com a Palestina que juntou milhares de pessoas. O esquerda.net publica a Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais no FSM 2013.

A Tunísia em tempo de Fórum Social Mundial

O meu primeiro contacto com a realidade tunisina foi a participação, na tarde de 24 de Março, no comício internacional sobre a dívida organizado pela Frente Popular no Palácio dos Congressos e que se seguiu a um encontro mediterrânico sobre a dívida, questão política central, lá como cá.

Tunes: o conto de dois Fóruns Sociais Mundiais

Para o diretor da Campanha pelo Jubileu da Dívida, o FSM tem de se atualizar com urgência, para responder às necessidades de um mundo pós-primavera árabe, pós-occupy e indignados. A experiência na Tunísia mostrou bem os problemas e as oportunidades, explica Nick Dearden neste artigo.

Do Fórum Social Mundial às revoltas árabes

Visto por muitos movimentos como um instrumento do passado, a simples existência do Fórum Social Mundial assinala uma das principais debilidades dos novos movimentos de protesto nascidos no marco da crise sistémica: a sua frágil coordenação internacional.

Fórum "quente" termina com marcha em apoio à Palestina

Para Messaoud Romdhani, ativista da Liga Tunisina de Direitos Humanos e considerado um dos agentes-chave na organização do Fórum Social Mundial 2013, a mensagem transmitida na marcha final “foi clara”. “Não há hipótese de melhorias para a nossa região do Norte da África e do Oriente Médio em questões como a paz, a democracia e a justiça social sem que sejam buscadas soluções à questão palestina”, afirmou. Artigo de Maurício Hashizume, da Carta Maior.

Alda Sousa: “Fórum Social Mundial pode ser gerador de mobilizações e de solidariedades”

A eurodeputada Alda Sousa do Bloco de Esquerda encontra-se em Tunes, no Fórum Social Mundial 2013, e declarou que a realização do FSM 2013 na Tunísia é “um sinal de esperança” e uma contribuição para o desenvolvimento e a autonomia política de um país onde “nada está fechado”.

Maré humana na capital tunisina na abertura do ‘Fórum da Dignidade’

A mobilização partiu quase às 5 da tarde hora local, da Praça 14 de Janeiro, na confluência das artérias centrais Burguiba e Mohamed V, percorrendo mais de seis quilómetros até ao Estádio Menzah, onde chegou duas horas e meia mais tarde e onde se realizou uma festa popular com discursos e concertos. Por Sergio Ferrari, Adital.

Tunes: Nasceu uma Frente Comum de organizações políticas contra a dívida

É a primeira vez que uma frente deste tipo vê a luz do dia – foi, sem dúvida, um avanço histórico na luta contra a dívida. Este encontro surge como um eco inevitável do apelo lançado, em 1987, em Adis Abeba, pelo presidente Thomas Sankara e concretiza, 26 anos depois, a criação de uma frente comum contra a dívida. Artigo de Pauline Imbach (CADTM).

Progressistas da Tunísia denunciam credores e União Europeia

Front Populaire da Tunísia promoveu um encontro em Tunes contra a dívida que asfixia os países mediterrânicos, a anteceder o Forum Social Mundial. A eurodeputada Alda Sousa foi uma das representantes internacionais presentes. Artigo de Ricardo Sá Ferreira, em Tunes.

FSM 2013 chega à Tunísia dois anos depois da Primavera Árabe

A cidade de Tunes, capital da Tunísia, recebe a partir desta terça-feira (26 de março), o Fórum Social Mundial 2013. O evento, na sua 12ª edição, decorre até o próximo sábado (30 de março), e, de acordo com os organizadores, deve contar com a participação de cerca de 50 mil pessoas, principalmente de países vizinhos, da região do Magreb, e ativistas que participaram da Primavera Árabe.