Está aqui

FSM 2013 chega à Tunísia dois anos depois da Primavera Árabe

A cidade de Tunes, capital da Tunísia, recebe a partir desta terça-feira (26 de março), o Fórum Social Mundial 2013. O evento, na sua 12ª edição, decorre até o próximo sábado (30 de março), e, de acordo com os organizadores, deve contar com a participação de cerca de 50 mil pessoas, principalmente de países vizinhos, da região do Magreb, e ativistas que participaram da Primavera Árabe.
Nas ruas de Tunes, cartazes do FSM divulgam o evento, que acontece no campus da Universidade de El Manar. O tema escolhido para este ano é “dignidade”.

Assim como nos outros Fóruns Sociais Mundiais (FSM) serão cinco dias de diversas atividades propostas por entidades da sociedade civil e movimentos sociais de todas as partes do mundo. Em árabe, francês, inglês e espanhol, os debates previstos variam entre causas feministas, ambientais, anti-capitalistas, sindicais, pró-Palestina, democráticas, entre outras. Segundo Chico Whitaker, são 2700 organizações e 1500 atividades auto-gestionadas no evento de Tunes.


“Este Fórum constitui uma verdadeira consagração das lutas dos movimentos sociais e da sociedade civil tunisina, que são os verdadeiros atores da Revolução de 17 de dezembro a 14 de janeiro [de 2011]”, diz o Comitê de Organização do Fórum Social Mundial da Tunísia.

A credenciação dos participantes ocorre na Avenida Bourguiba, uma das principais de Tunes, que termina justamente na praça 14 de janeiro de 2011, data em que o ex-presidente Ben Ali teve que deixar o país após os protestos que tomaram as ruas. Ben Ali estava à frente do governo há 23 anos. A revolução tunisina contagiou outros países árabes que também viviam sob regimes ditatoriais.


Hoje, a Tunísia é presidida por Moncef Ben Mohamed Bedoui-Marzouki. E a população procura consolidar a recém-conquistada democracia, ao mesmo tempo em que enfrenta dificuldades económicas. A taxa de desemprego no país é de 17%, sendo que entre os jovens passa de 30%, segundo a revista The Economist.

Em entrevista à Fórum de março, a diretora do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) e membro do Conselho Internacional do FSM, Moema Miranda, afirma que o evento “está ganhando, dia a dia, mais sentido político na Tunísia e em toda a região”. “Há uma rede de organizações da sociedade civil que está participando ativamente da construção do FSM. E, na própria Tunísia, mesmo sendo um país com uma democracia recente, tem uma participação ativa da juventude, de organização de mulheres, de direitos humanos, uma fortíssima participação de sindicatos”, disse.

Nas ruas de Tunes, cartazes do FSM divulgam o evento, que acontece no campus da Universidade de El Manar. O tema escolhido para este ano é “dignidade”.

PROGRAMA DO FSM2013 em Tunes/Tunísia

26/03/2013 – Dia da Abertura
Assembleia de mulheres
Marcha de abertura
Sessão de abertura

27/03/2013 – Dia da “Primavera Árabe”
Atividades sobre as mobilizações na região

28 e 29/03/2013 (Manhã) – Dias de Atividades Autogestionadas

29(tarde) e 30/03/2013 – Plenárias de Convergências

30/03/2013 – Atividade de Encerramento
Assembleia final
Marcha de encerramento
Sessão de encerramento


Artigo publicado no Portal Opera Mundi

política: 
fsm 2013
(...)

Resto dossier

Fórum Social Mundial 2013 na Tunísia

O esquerda.net reuniu alguns artigos e testemunhos sobre o Fórum Social Mundial que pela primeira vez juntou ativistas dos movimentos sociais no país que esteve no centro da "primavera árabe". A situação política tunisina marcou também várias análises publicadas neste dossier.

FSM 2013: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais

A nona edição do Fórum Social Mundial terminou este sábado na capital tunisina com uma manifestação de solidariedade com a Palestina que juntou milhares de pessoas. O esquerda.net publica a Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais no FSM 2013.

A Tunísia em tempo de Fórum Social Mundial

O meu primeiro contacto com a realidade tunisina foi a participação, na tarde de 24 de Março, no comício internacional sobre a dívida organizado pela Frente Popular no Palácio dos Congressos e que se seguiu a um encontro mediterrânico sobre a dívida, questão política central, lá como cá.

Tunes: o conto de dois Fóruns Sociais Mundiais

Para o diretor da Campanha pelo Jubileu da Dívida, o FSM tem de se atualizar com urgência, para responder às necessidades de um mundo pós-primavera árabe, pós-occupy e indignados. A experiência na Tunísia mostrou bem os problemas e as oportunidades, explica Nick Dearden neste artigo.

Do Fórum Social Mundial às revoltas árabes

Visto por muitos movimentos como um instrumento do passado, a simples existência do Fórum Social Mundial assinala uma das principais debilidades dos novos movimentos de protesto nascidos no marco da crise sistémica: a sua frágil coordenação internacional.

Fórum "quente" termina com marcha em apoio à Palestina

Para Messaoud Romdhani, ativista da Liga Tunisina de Direitos Humanos e considerado um dos agentes-chave na organização do Fórum Social Mundial 2013, a mensagem transmitida na marcha final “foi clara”. “Não há hipótese de melhorias para a nossa região do Norte da África e do Oriente Médio em questões como a paz, a democracia e a justiça social sem que sejam buscadas soluções à questão palestina”, afirmou. Artigo de Maurício Hashizume, da Carta Maior.

Alda Sousa: “Fórum Social Mundial pode ser gerador de mobilizações e de solidariedades”

A eurodeputada Alda Sousa do Bloco de Esquerda encontra-se em Tunes, no Fórum Social Mundial 2013, e declarou que a realização do FSM 2013 na Tunísia é “um sinal de esperança” e uma contribuição para o desenvolvimento e a autonomia política de um país onde “nada está fechado”.

Maré humana na capital tunisina na abertura do ‘Fórum da Dignidade’

A mobilização partiu quase às 5 da tarde hora local, da Praça 14 de Janeiro, na confluência das artérias centrais Burguiba e Mohamed V, percorrendo mais de seis quilómetros até ao Estádio Menzah, onde chegou duas horas e meia mais tarde e onde se realizou uma festa popular com discursos e concertos. Por Sergio Ferrari, Adital.

Tunes: Nasceu uma Frente Comum de organizações políticas contra a dívida

É a primeira vez que uma frente deste tipo vê a luz do dia – foi, sem dúvida, um avanço histórico na luta contra a dívida. Este encontro surge como um eco inevitável do apelo lançado, em 1987, em Adis Abeba, pelo presidente Thomas Sankara e concretiza, 26 anos depois, a criação de uma frente comum contra a dívida. Artigo de Pauline Imbach (CADTM).

Progressistas da Tunísia denunciam credores e União Europeia

Front Populaire da Tunísia promoveu um encontro em Tunes contra a dívida que asfixia os países mediterrânicos, a anteceder o Forum Social Mundial. A eurodeputada Alda Sousa foi uma das representantes internacionais presentes. Artigo de Ricardo Sá Ferreira, em Tunes.

FSM 2013 chega à Tunísia dois anos depois da Primavera Árabe

A cidade de Tunes, capital da Tunísia, recebe a partir desta terça-feira (26 de março), o Fórum Social Mundial 2013. O evento, na sua 12ª edição, decorre até o próximo sábado (30 de março), e, de acordo com os organizadores, deve contar com a participação de cerca de 50 mil pessoas, principalmente de países vizinhos, da região do Magreb, e ativistas que participaram da Primavera Árabe.