Está aqui

Trabalhar 167 anos para ganhar o que ganha num mês o gestor da sua empresa?

Nas principais empresas da bolsa portuguesa, nos últimos três anos, o custo do trabalho esteve estagnado, mas o vencimento dos gestores aumentou 40%.

De ano para ano, aliás, esta disparidade não tem parado de crescer. Em média, os gestores das empresas portuguesas do PSI-20 ganham 1 milhão de euros por ano, mais de 70 mil euros por mês.

Portugal é o quarto país da União Europeia com a maior desigualdade salarial (a seguir à Polónia, Roménia e Chipre) quando comparamos o decil dos salários mais altos e o decil dos mais baixos

António Mexia, à frente da EDP (a empresa que nos faz pagar a eletricidade mais cara da Europa, 30% acima da média da UE), ganha por ano 2 milhões e 288 mil euros, segundo dados revelados esta semana. Se dividirmos por 14, temos a módica quantia de 163 mil euros por mês, 326 mil euros nos meses em que tenha subsídio de férias ou de Natal. Já Francisco Lacerda, que tem tido o enorme mérito empresarial de destruir os CTT – uma empresa que dava lucro ao Estado e que prestava um serviço de qualidade antes de ser privatizada – ganha 895 mil euros por ano pelo seu notável desempenho, ou 64 mil euros por mês.

O Presidente da Jerónimo Martins (grupo onde há menos de um mês houve uma greve contra os baixos salários e os horários totalmente desregulados no Pingo Doce) ganha por ano 2 milhões e 9 mil euros, cerca de 143 mil euros ao mês. Ou seja, um trabalhador do Pingo Doce que ganhe próximo do salário mínimo tem de trabalhar cerca de 20 anos para ganhar o que ganha o gestor da sua empresa num mês.

Os exemplos podiam continuar. Se formos para outros países, encontramos até casos de maior disparidade. Nos Estados Unidos, há cinco empresas em que os presidentes executivos ganham mais de mil vezes o salário médio (médio!) que essa empresa pratica. Na Manpower, uma das principais empresas de trabalho temporário – cujo negócio é, basicamente, alugar trabalhadores a outras empresas – o presidente ganha mais de 2 mil vezes o salário médio. Ou seja, para ganhar o que ele ganha num mês, um trabalhador da Manpower teria de trabalhar 167 anos.

Há alguma justificação para isto? Não, não há. Como mostrou o Jornal de Negócios da passada quarta-feira, as remunerações dos gestores não têm relação com o desempenho das empresas, nem em termos operacionais nem em termos da sua cotação na bolsa. Aliás, esta disparidade de rendimentos, que é expressiva da desigualdade profunda que hoje existe no mundo do trabalho e do cinismo de tantos destes patrões que recusam fazer aumentos e dar condições dignas aos trabalhadores das suas empresas, é questionada até pelo campo da gestão. Peter Drucker, o guru da Gestão Moderna, dizia que o rácio entre o salário mais elevado e o salário mais baixo de uma empresa não devia exceder os 25. No Pingo Doce, por exemplo, o salário de Pedro Soares dos Santos é 155 vezes o salário médio do grupo.

Portugal é o quarto país da União Europeia com a maior desigualdade salarial (a seguir à Polónia, Roménia e Chipre) quando comparamos o decil dos salários mais altos e o decil dos mais baixos. Com uma tendência preocupante: é que esta desigualdade não tem parado de crescer. Como não tem parado de crescer o número de trabalhadores que ganham o salário mínimo.

Perante isto, que fazer? A desigualdade combate-se por via fiscal (com impostos progressivos sobre o rendimento, mas também sobre o património), com políticas públicas que garantam transferências sociais diretas (que são um mecanismo de distribuição de riqueza e de combate à pobreza), com serviços públicos (que são uma forma de salário indireto). Mas também com políticas salariais, para as quais o aumento do salário mínimo dá um contributo, mas que dependem da capacidade que existe para, por via da contratação coletiva, distribuir de forma menos escandalosamente unilateral a riqueza que as empresas produzem.

Além disto, pode o Estado fazer mais alguma coisa? Talvez possa.

Na Suíça, 100 mil cidadãos propuseram ao Parlamento, em 2011, a fixação por lei de um leque salarial máximo: ninguém deveria poder ganhar num mês mais do que outro, na mesma empresa, ganha num ano. Se os de cima querem ganhar mais, têm de aumentar na mesma proporção os de baixo. O movimento ficou conhecido como o 1/12 e conseguiu que se realizasse um referendo em novembro de 2013. Mas, com os fantasmas das deslocalizações e da redução das receitas fiscais a serem o prato forte da campanha, a proposta não teve maioria.

Em França, a 13 de abril de 2016, foi apresentada no Parlamento uma proposta com o mesmo objetivo: definir um rácio máximo, mas desta vez de 1/20, nos salários da mesma empresa ou grupo. Perante a pressão, a proposta foi transformada num rácio muito maior: 1/100 (e mesmo assim representava uma redução de 58% nas remunerações dos gestores das 40 maiores empresas francesas). O projeto de lei foi votado em maio daquele ano. Não passou, por apenas um voto de diferença. Mas fez caminho.

E em Portugal? O que estamos nós dispostos a fazer sobre esta ignomínia?

Artigo publicado em expresso.sapo.pt a 18 de maio de 2018

Sobre o/a autor(a)

Dirigente do Bloco de Esquerda, sociólogo.
(...)