Está aqui

Professor galego investigado pela guarda civil por falar da Catalunha nas aulas

No reino de D. Mariano Erdogan Rajoy, um professor de História de uma Escola Secundária de O Porriño, na Galiza, está a ser investigado por ter debatido com os alunos a situação na Catalunha.

Segundo o jornal “La Voz de Galicia” (próximo do PP), a Guarda Civil tenta esclarecer se um professor de História proferiu comentários de ódio durante as aulas. As autoridades tomaram conhecimento desses eventos como resultado da preocupação de alguns pais, depois de ouvir a versão dos seus filhos quando eles voltaram para casa depois da aula. Alguns alunos disseram que o seu professor de História lhes mostrou imagens para dar conta da repressão que o povo catalão sofre das forças de ordem. Pelo menos duas vezes ele teria falado do assunto nas aulas. Essa visão dos factos provocou o espanto de alguns pais, que levaram o caso à atenção dos responsáveis da escola e que vieram pessoalmente a solicitar explicações.

O professor negou que tivesse incitado ao ódio e afirmou que apenas moderou um debate entre os alunos. Explicou que entre os adolescentes há sempre opiniões diferentes e ele está ciente de que na sala de aula estão representadas todas as áreas da sociedade. O objetivo do debate foi promover a capacidade crítica dos alunos e a utilização de fontes para analisar episódios históricos.

Este episódio é revelador dos ventos turcos que sopram em Espanha…

Todos vimos o argumento das «porras», amplamente utilizado em 1 de outubro, contra quem só pretendia votar…

Todos sabemos que a direita espanhola usa a negação total do direito à autodeterminação de catalães, bascos e galegos, de par com a exacerbação do nacionalismo castelhano-espanholista, como arma eleitoral. Ainda nos lembramos de Aznar, quando dos atentados de Atocha, acusar imediatamente a ETA, quando eram obra do terrorismo islâmico da Al-Qaeda. Ficámos a saber quanto o PP precisava da ETA para ter bons resultados eleitorais.

Sabemos do regresso dos presos políticos… Jordi Cuixart e Jordi Sanchez… por enquanto…

Conhecemos a História. O General Espartero (durante mais um ataque militar à Catalunha) em meados no século XIX, disse que seria necessário «bombardear Barcelona cada 50 anos». A Luftwaffe de Hitler ao serviço de Franco, executou este princípio com eficácia durante a guerra civil… depois a violência continua com o fuzilamento, às ordens de Franco, do último Presidente da Generalitat na República, Lluís Companys…

Aqui confesso o mesmo crime do colega professor de História de O Porriño…também falei da Catalunha nas aulas… Felizmente a Guarda Civil não tem jurisdição na República Portuguesa e tivémos o 1º de Dezembro de 1640…

Sobre o/a autor(a)

Professor e historiador.
(...)