Está aqui

Presidente... mas pouco!

Um orçamento que balançou entre as ameaças da Iniciativa Liberal que acabou perdendo palco para as broncas do deputado do Chega que, embora desmentido pelos senhores Presidente e Vice Presidente do Governo Regional, insiste em dizer que o executivo cedeu às suas exigências, na totalidade.

Passada uma semana sobre o debate do Plano e Orçamento para a nossa região, há ainda reflexões e notas a tirar acerca da aprovação de documentos que não abonam nada a favor das pessoas.

Tem sido notória a publicação de artigos de opinião redigidos por senhores deputados e seus assessores a tecer odes de elogio ao atual executivo governativo e criticando os partidos da oposição por não terem apresentado propostas de alteração aos documentos em debate.

Perante a pior proposta de orçamento das últimas décadas, construído como se de um jogo de encaixe se tratasse, de forma a satisfazer os egos dos partidos que sustentam esta coligação, bem como dos partidos que assinaram acordos de incidência parlamentar, tornava-se difícil proceder a propostas de alteração.

Um orçamento que balançou entre as ameaças da Iniciativa Liberal que acabou perdendo palco para as broncas do deputado do Chega que, embora desmentido pelos senhores Presidente e Vice Presidente do Governo Regional, insiste em dizer que o executivo cedeu às suas exigências, na totalidade.

O maior vexame para esta região foi protagonizado, por duas vezes, por este senhor e pelo seu líder, ao qual lhe foi atribuída a designação de anjo da guarda: Uma conferência de imprensa e uma intervenção no, mais um, congresso do seu partido.

No entanto, o Bloco de Esquerda apresentou propostas de alteração ao Orçamento. E aqueles e aquelas que se arrogam da pluralidade, de trabalhar em prole das pessoas, de querer os contributos de todos os partidos, foram os mesmos a votar CONTRA todas as propostas apresentadas! As e os mesmos que criticavam as poucas propostas que viam aprovadas em legislaturas passadas, pareciam estar a viver o rejubilo de uma vingança partidária. Foi triste! Egos partidários sobrepuseram-se ao melhor para a nossa região.

Das várias propostas apresentadas, menciono a que me parecia que colheria a aprovação: a contabilização de todo o tempo de serviço a 68 enfermeiras e enfermeiros que se viram excluídos desse processo e que trabalham no Serviço Regional de Saúde.

Mas, não! Nem PSD, nem CDS, nem PPM, nem IL, nem Chega, se interessaram por este grupo de profissionais. Para as e os senhores deputados, destes partidos, bastará dizer umas palavras bonitas, bater umas palmas e pedir a sua resiliência no desempenhar das suas funções... vergonhoso, mas revelador das linhas políticas que (des) norteiam a nossa região.

Resta saber durante quanto tempo José Manuel Bolieiro fará o papel de relações públicas de um projeto falhado à nascença; durante quanto tempo cruzará os braços enterrado numa cadeira com a máscara a tapar-lhe mais de metade do rosto… durante quanto tempo vai contribuir para a campanha política do CDS?

Bem sei que deve ser difícil estar no lugar de José Manuel Bolieiro. No entanto, nunca me colocaria à disposição neste jogo de marionetas.

Sobre o/a autor(a)

Deputada do Bloco de Esquerda na Assembleia Regional dos Açores. Licenciada em Educação. Ativista pelos Direitos dos Animais. Coordenadora do Bloco da Ilha Terceira
(...)