Está aqui

Os pobres que paguem impostos…

A direita dos interesses e a sua comunicação social demonstrou, nos últimos dias, não ter um pingo de vergonha.

Depois de anos em que cortaram salários aos trabalhadores do estado ou do privado, baixaram as pensões dos reformados, diminuíram prestações sociais como o rendimento mínimo, aumentaram como nunca o desemprego e o trabalho precário, agravando as desigualdades e a pobreza num país pobre e desigual…quando alguém tem a suprema ousadia de dizer que os mais ricos também devem partilhar os sacrifícios e pagar impostos, em vez de continuar descaradamente a fugir ao fisco… aqui d`el rei que vem aí o PREC chefiado pelos perigosos esquerdistas do Bloco…

Em entrevista na televisão no final do ano passado, o ex-diretor-geral da Autoridade Tributária José Azevedo Pereira revelou que as 1000 famílias mais ricas de Portugal, com património superior a 25 milhões de euros ou rendimento médio anual acima de 5 milhões, representavam uma percentagem irrisória da receita de IRS, da ordem dos 0,5 por cento, quando seria de esperar, de acordo com a lei, que pagassem 50 vezes mais. Como o fazem? Usam artimanhas legais, com a ajuda de consultores fiscais dos grandes escritórios de advogados. Ou espezinham descaradamente a lei, confiando que, se forem descobertos, a justiça para ricos os irá livrar de qualquer condenação.

As famílias mais ricas habituaram-se a não pagar impostos, a transferir as sedes das suas empresas para a Holanda, a pôr o seu património pessoal em nome de empresas com sede em paraísos fiscais e a usar todas as artimanhas possíveis para não cumprir as suas responsabilidades fiscais.

Por isso, mandam os seus políticos e a sua comunicação social, fazer um cerrado fogo de propaganda contra as iniciativas do Bloco de combate à fuga ao fisco e a um imposto sobre os grandes proprietários imobiliários. Mentem, tentam criar o medo nas classes médias. Tudo serve para justificar a continuação dos privilégios de que sempre gozaram.

Os pobres que paguem impostos…

Artigo publicado no jornal “O Setubalense” em 23 de Setembro de 2016

Sobre o/a autor(a)

Professor e historiador.
Comentários (1)